<
>

Diretor da Garena no Brasil fala que chegada da LBFF é consequência do sucesso do Free Fire no País

play
Diretor da Garena no Brasil fala sobre chegada da LBFF e o planejamento em torno do primeiro ano da nova competição (4:42)

Fernando Mazza dá maiores informações sobre liga brasileira e fala sobre criação da competição (4:42)

Free Fire foi a modalidade que mais cresceu no cenário brasileiro de esportes eletrônicos em 2019. O sucesso e o apoio que o jogo recebeu por parte de jogadores e comunidade foi tanto que a Garena resolveu dar um upgrade na principal competição do País, transformando-a numa liga profissional com três divisões. É desta forma que o diretor da empresa em solo nacional, Fernando Maza, justifica a chegada da Liga Brasileira de Free Fire (LBFF).

"[É consequência] do sucesso do jogo [no Brasil], do apoio que os jogadores têm dado ao Free Fire", afirma o executivo ao ESPN Esports Brasil. De acordo com Mazza, o planejamento em torno da criação da LBFF começou ainda no ano passado, com o escritório brasileiro querendo levar as disputas para um estúdio.

"É um trabalho de meses. Na verdade, é o resultado do trabalho de 2019 inteiro que fizemos. Já estávamos planejando montar [uma liga] no estúdio, o qual apresentamos a todos na semana passada. Hoje é nossa estreia e, até agora, estamos feliz com o resultado. Já batemos 300 mil espectadores", aponta.

Falando mais sobre a LBFF, o executivo afirma que a Série A será disputada inicialmente por 12 times e que a competição terá três etapas no ano, enquanto "em paralelo vai começar a Série C, que definirá a Série B. O campeão da primeira etapa da Série A tem uma vaga garantida no Champions Cup, em Jacarta, e depois, em julho, temos a segunda etapa com a terceira sendo finalizada em novembro com uma vaga no Mundial".

Questionado sobre a grande quantidade de jogos que a primeira etapa terá, com 12 quedas sendo disputadas aos finais de semana, o executivo da Garena no Brasil concorda, mas lembra que o tempo das partidas é baixo

"São bastante jogos, porém o tempo de uma partida é de 10 minutos. No final das contas, não é tanto tempo de jogo assim. Dá trabalho para somar os pontos e é complicado as vezes. Estamos trabalhando para melhorar e, por isso, estamos introduindo mais times na segunda etapa para facilitar e garantir uma final mais emocionante", explica Fernando Mazza.

A primeira etapa da Liga Brasileira de Free Fire começou a ser disputada no sábado (1º), em São Paulo, com a presença de Corinthians, LOUD, paiN, INTZ, PRG, Team Liquid, Vivo Keyd, RED Canids, FURIA, Black Dragons, B4 e SKS.

LOUD foi quem largou na frente fechando o primeiro fim de semana com cinco BOOYAHS e 283 pontos, enquanto Red Canids Kalunga é o vice-líder e Furia, o lanterna.