<
>

Análise: Grupo da Morte? Conheça os adversários do Flamengo no Mundial de LoL

Equipe sul-coreana da Damwon Gaming. FOMOS/Kenzi

Definidos os adversários da Fase de Entrada, o Flamengo eSports terá vida dura pela frente, encarando o “grupo da morte” com as duas representantes mais fortes de cada Pote do sorteio. Liderado pela terceira cabeça-de-chave (“seed”) sul-coreana, o Grupo D conta com DAMWON e Royal Youth e já tem um franco favorito para a classificação em primeiro lugar.

Visando compreender um pouco mais sobre os duelos e chances do FLA na Fase de Entrada, abordo um pouco do histórico recente e os possíveis pontos exploráveis dos adversários do CBLoL na abertura do Mundial de 2019.

DAMWON GAMING (COREIA DO SUL – LCK)

Cotada como a grande surpresa do Worlds 2019, a DAMWON Gaming vem de uma etapa fantástica, e apenas uma série perdida a jogou para as Finais Regionais sul-coreanas. A terceira representante da LCK conseguiu superar SKT e Griffin ao longo da temporada regular, mas caiu no penúltimo round da escalada para a taça e foi enviada para uma série contra a crescente e imponente KingZone de Deft valendo a última vaga de sua região para o Mundial.

Mesmo enfrentando equipes que tinham um momentum superior, a DWG conseguiu cravar sua primeira ida à um Mundial e empolga, podendo potencialmente superar até a vice-campeã Griffin com um estilo de jogo que especialistas chamam de “G2 Lite”.

O estilo do time, misto da calma sul-coreana e da explosão chinesa, é uma das armas de Nuguri e companhia. A tomada de decisão explosiva da DWG pode ser representada por algumas estatísticas, como uma das menores médias de tempo de jogo de toda a LCK. A seed 3 sul-coreana apresentou, em média, uma duração de jogo de 32:57 minutos, atrás apenas da Griffin, que possui média de 32:29.

Outro número que expõe a velocidade da equipe é o diferencial de ouro por minuto — novamente o segundo maior da LCK —, transparecendo em como a equipe capitaliza muito bem as pequenas vantagens que são cedidas pelos adversários.

A DAMWON tem como uma de suas principais características o início do jogo (“early game”) extremamente agressivo. Grande responsável por ditar o ritmo nos primeiros minutos da partida, o caçador Canyon consegue criar espaços e, habitualmente, favorecer o topo Nuguri. Embora seja reconhecido por sua qualidade mecânica incomparável, Nuguri não é exclusivamente o único jogador mecanicamente dotado, tendo ao seu lado nomes como Showmaker e Nuclear, que também se destacam, além do caçador Canyon.

A idade, ou falta dela, é uma das características a serem observadas na equipe da DAMWON. Um das escalações mais jovens da competição, a esquadra da DWG tem a inexperiência como fator negativo, até certo ponto decisivo em momentos de pressão, porém o longo caminho que a classificação como terceira representante da LCK deu ao time consegue amenizar essa questão.

Possivelmente embalados pela campanha na Fase de Entrada, a DWG pode suprir a falta de experiência com mais aparições no palco e chegar aquecida para a Fase de Grupos, onde a competição começará de verdade para ela.

Contra os novatos sul-coreanos, uma zebra praticamente impossível seria o único caminho para a vitória dos brasileiros. Os representantes da LCK na Fase de Entrada apresentam superioridade individual e coletiva, além de uma mentalidade extremamente punitiva que prejudica em excesso equipes que têm problemas em tomadas rápidas de decisão, como o Flamengo.

ROYAL YOUTH (TURQUIA – TCL)

Do outro lado, os representantes da TCL (Turquia) não têm a mesma segurança que a DAMWON. A Royal Youth, apesar de uma ótima temporada regular onde foi líder isolada e teve uma fase eliminatória dominante, apresenta alguns pontos exploráveis que dão certas esperanças para o público brasileiro.

Liderada pelo caçador turco Closer, a Royal Youth cedeu apenas quatro mapas a etapa inteira e conquistou sua primeira taça doméstica, garantindo vaga para o Worlds com menos de um ano de existência. Se Closer é o líder da equipe, ele também é o ponto-chave para barrar os turcos.

Mesmo com dois sul-coreanos na escalação, o meio Cyeol e o atirador Pilot — o primeiro ex-Hong Kong Attitude e o segundo famoso por seus tempos de Jin Air —, o grande motor da equipe reside no duo caçador + suporte. Closer e o suporte Tolerant são ferramentas que desafogam as partidas da equipe turca, habilitando o jogo do meio Cyeol e, eventualmente, até do topo Armut.

O grande problema para a atual campeã da TCL reside no padrão de que, em todas suas derrotas ao longo dessa etapa, o anulamento da movimentação inicial de mapa de Closer criou um efeito cascata sobre a equipe, fazendo o sistema de jogo dos turcos entrar em colapso e com que nenhum setup habitual de distribuição de recurso seja efetivo.

Com a presença de Shrimp e Robo em matchups confortáveis e brTT e Luci em uma rota de pressão, a equipe do Flamengo pode surpreender os campeões turcos e ser candidata real para a disputa da segunda vaga do Grupo D. Os caminhos para explorar o estilo de jogo da representante da Turquia existem, além da rivalidade histórica que também pode ser um sabor a mais na emoção dos duelos.

FASE DE ENTRADA DO MUNDIAL 2019

A fase de grupos da Fase de Entrada do Mundial 2019 acontece de 2 a 5 de outubro, enquanto a fase eliminatória será disputada em 7 e 8 de outubro — ambas no estúdio da LEC, em Berlim, Alemanha. Desta etapa, quatro equipe avançam para o evento principal do torneio.

Confira o resultado do sorteio de grupos aqui.


Bernardo Pereira é mais um dos apaixonados por esports nesse mundo. Atualmente membro da bancada do AroundTheRift, acumula nove longos anos de League of Legends e sonha com mais. Você pode acompanhar seu trabalho no AroundTheRift e em seu Twitter.