<
>

F1 Esports Series é o elo que faltava para unir o esporte eletrônico e o tradicional

Disputa de etapa do F1 Esports Series Divulgação/Codemasters

Aquela dúvida se “esport é esporte”, que até chegou a ser chamada nos canais ESPN, já é coisa do passado para grandes clubes e entidades que perceberam o potencial dos esportes eletrônicos.

O esporte tradicional está cada vez mais de olho nos esports – incluindo a mais importante categoria do automobilismo mundial.

Fifa, Pro Evolution Soccer, NBA 2K, F1 e tantos outros títulos surgem com ferramentas para a exploração de um vasto e promissor campo. Circuitos competitivos estão se tornando não só um meio de propaganda para os jogos, mas meios dos esportes tradicionais conversarem com as novas audiências.

Fifa e PES reúnem diversos jogadores que representam clubes de futebol. FIFA Global Series tem a versão virtual da Champions League, enquanto a PES League contará com a Eurocopa 2020. Os times da NBA possuem seus representantes na NBA 2K League, cujo circuito está alinhado com o escritório do comissário da mais importante liga de basquete do globo.

Clubes, entidades, associações e afins dos esportes querem aumentar sua audiência, dialogar com novas tecnologias e catequizar novos fãs. Nessa “corrida do ouro”, há um simulador que se destaca por suas peculiaridades e que possui uma entidade oficial que, há três anos, vem construindo as bases para um circuito competitivo poderoso: a F1.

Junto com a entidade máxima do automobilismo, a FIA, o game elaborado pela Codemaster, F1, desponta com as qualidades que podem colocar o simulador na vanguarda dos esports, uma parceria que dificilmente você verá em qualquer outra modalidade.

SINAL VERDE

A Codemaster vem fazendo um excelente trabalho ao trazer, todo ano, a categoria da F1 para os consoles e PCs dos jogadores. Trata-se de um título de qualidade, que se converte em uma forte base para um jogo que deseja ser um esport de respeito.

No entanto, e diferente de outros esports, não é só a Codemasters (a produtora) que fomenta o circuito competitivo oficial do seu game. O F1 Esports Series, que está em sua terceira temporada, é impulsionada pela própria entidade que comanda as ações do esporte do simulador. A Fórmula 1 quer uma F1 Esports Series forte, alinhada com seus projetos e objetivo.

Não é coincidência, mas parte dos planos da nova dona da F1, a norte-americana Liberty Media, em disseminar a maior das categorias do automobilismo. Além de mais provas, novos países visitados, identidade visual e outros pontos alterados, a F1 quer renovar seus fãs – e o simulador da Codemasters cai como uma luva.

A Fifa ajuda o game de futebol, a NBA também está lá, mas o alinhamento da F1 com o jogo da Codemaster é único e especial.

VELOCIDADE PARALELA

Como um cenário relativamente novo, F1 Esports Series não traz inúmeros torneios e premiações milionárias “à lá International”. Pesa também o fato de aquele que deseja levar a sério a vida de competidor a necessidade de um volante apropriado – mas tem muito para oferecer e equilibrar esta balança.

Para começar, é bastante familiar para quem já acompanha as corridas, já que todas as equipes da F1 estão alinhadas no grid, além do mesmo projeto gráfico das transmissões televisivas. Quem quiser conhecer é bombardeado por muitos gráficos e estatísticas, no melhor estilo norte-americano de transmissão.

Em nenhum outro esport pode haver uma integração tão grande entre o jogador, o atleta virtual e o piloto real. Os dois últimos, em especial, podem criar uma sinergia ímpar, fazendo com que uma carreira fortaleça a outra, como é o caso de Lando Norris. A experiência real é aplicada no virtual e vice-versa. Jovens pilotos treinam e descobrem acertos para seu carro real no simulador.

Passando para o nível dos jogadores, aqueles que curtem a velocidade e passam a ser competitivo, entram em um circuito cujo curadoria é feita pelos responsáveis do esporte. O ecossistema das corridas reais é repassado para os jogadores, que tem uma bela amostra do “circo” da F1.

GRANDE PRÊMIO

Por fim, a similaridade entre real e o virtual de F1 rende uma característica interessante para o F1 Esports Series: no futuro, é possível que o campeonato virtual e o real sigam juntos.

Imagine: o cenário atual da F1 tem 21 grandes prêmios espalhados pelo ano. Seriam 21 finais de semana com disputas de esports, respeitando a ordem das pistas e a pontuação.

Imagine também: anunciantes diferentes (ou iguais, contratados em conjunto), maior possibilidade de equipes menores se destacarem, transmissão antes da corrida principal (ao ponto de, um dia, estar na TV aberta).

Todos são elementos que podem fazer do esports da F1 um caso de sucesso não são para a modalidade, mas para a popularização definitiva dos esportes eletrônicos.

O mundo virtual e o real falam a mesma língua – e podem ter um belo papo.