<
>

Pro players brasileiros ensinam como jogar com os três novos lutadores de Street Fighter V

Os novos lutadores de Street Fighter V Divulgação/Capcom

Street Fighter V: Arcade Edition tem novos lutadores - e velhos conhecidos dos jogadores. A Capcom trouxe mais três escolhas para a mais famosa franquia de jogos de luta: E. Honda, Poison e Lucia. São novas possibilidades, combos e estratégias para se disputar do game.

Durante o torneio Tiger Upper Cup, realizado em São Paulo no último domingo (18), o ESPN Esports Brasil conversou com grandes nomes do cenário nacional para desvendar os segredos dos novos lutadores. Convidamos Eric "ChuChu" Moreira a falar de Poison, Alexis Nothenberg para mostrar os caminhos de E. Honda e Keoma Pacheco para abordar Lucia.

Saiba como enfrentar estes novos lutadores, como aproveitar o máximo de seus golpes e como jogar melhor com estes novos combatentes.

POISON - CHUCHU

Eric "ChuChu" não teve dúvidas sobre qual entre as três opções jogar: “estou jogando com a Poison. Quem me acompanha e me conhece sabe que eu jogava com ela no Street Fighter IV, pois é uma personagem que gosto bastante”.

A escolha, no entanto, é limitada para o pro player no momento: “pretendo usá-la em campeonatos no futuro, mas no momento é só diversão, pois não achei ela tão boa a ponto de ser competitiva. Claro que você aprende mais sobre a opção e pode usá-la para enfrentar algum personagem em especial ou pegar o adversário de surpresa”.

Para jogar com Poison

“Pelo que joguei até agora, ela é o tipo de personagem que não combina muito com SFV, pois ele é um jogo de muito rushdown. O rushdown no SFV é muito forte. Nos torneios, você nota que os personagens que são mais fortes e os que ganham mais torneios são de rushdown - com exceção da Menat, que é mais de zoneamento”, diz ChuChu.

ChuChu também fala sobre o estilo de golpes da lutadora: “você tem que jogar com ela mais de longe. Tem que haver um espaçamento entre você e o adversário. Ela tem golpes fortes e com longo alcance, mas tem que tomar cuidado com o início e a finalização dos golpes, pois são movimentos altos e podem ser afetados por ataques do adversário. É o mesmo caso de Dhalsim, cujos membros ficam longos durantes os movimentos e podem sofrer danos”.

O pro player dá o caminho das pedras: “digo que a melhor forma de lidar com ela é ter paciência e saber controlar bem seu chicote. Você pode, por exemplo, fingir que vai usar o chicote e não usar. Você tem que mesclar bem isso, usar o chicote embaixo, o aéreo, ao mesmo tempo que mantém um espaçamento muito bom”.

Para jogar contra Poison

Agora, chegou a vez de ChuChu mostrar com o enfrentar Poison: “diferente da Menat, que não tem hurtbox (área de dano) nas esferas, a Poison tem no chicote. Então se ela está do outro lado da tela e deu uma chicotada, você consegue acertar o objeto. Se o adversário com Poison estiver usando o chicote do outro lado da tela, vale a pena tentar bater no chicote para derrubá-la e avançar”.

O jogador chama a atenção para o jogo aéreo: “pular também é uma boa opção, pois ela tem um antiaéreo forte, só que não possui uma conversão (transformar um acerto, em um primeiro momento pequeno, em um combo) bom depois desse antiaéreo. Então, se ela errar ou você pular no momento do recovery (quando o personagem volta a sua posição padrão), você vai conseguir uma vantagem. Você tem que avançar bastante e encurtar a distância”.

E. HONDA – ALEXIS

Alexis é das antigas e fala sobre o lutador japonês: “o pessoal do competitivo sempre joga com todos para treinar e aprender, mas entre as novas opções a que mais gostei e estava esperando é o E. Honda. Sempre gostei dele, no IV, no clássico II. Estou jogando exclusivamente com ele”.

Para jogar com E. Honda

Alexis aponta qual é o tipo do lutador: “ele é meio atípico. É um tanque, tem mais vida que o normal, mas ao mesmo tempo é móvel. A maioria dos golpes fazem que ele se mova bem. Ele tem um 'walk speed' (velocidade de movimentação), e tem um impulso muito bom também. Então, E. Honda é um tanque meio atípico”.

O pro player diz que o japonês é uma boa opção para quem aposta na defesa: “ele é um personagem muito defensivo e é um dos poucos muito defensivos do jogo que não tem magia, não tem projétil. Então ele consegue formar uma barreira, algo bem sólido, sem ter magia. Ele tem um jogo bem peculiar, que é só dele mesmo”.

Alexis aponta o caminho para quem escolher E. Honda: “quem vai começar a jogar com ele precisa ter bastante paciência, porque é um personagem que ‘mata’ o adversário devagar. Ele não possui uma forma de conseguir uma abertura muito rápido, muito fácil. Você precisa ter paciência até conseguir prender o adversário no canto, para ter uma chance de colocar pressão”.

Quer algumas dicas? Alexis dá: “é importante aprender uma técnica chamada 'Piano'. Quem joga com personagem com golpes que temos que apertar muitas vezes algum botão, deve saber dar vários socos diferentes seguidos. Para dar o golpe das 'mãos' do Honda, você precisa fazer quatro socos em 1 segundo. Ao invés de apertar vários socos seguidos, você aperta vários de uma vez e o último define a força do golpe. O ideal é conseguir fazer o soco fraco, passar pelos outros botões e terminar no fraco”.

Para jogar contra E. Honda

O outro lado da moeda segundo Alexis. O jogador ensina como enfrentar E. Honda: “o segredo é ‘zonear’, deixar ele longe. Honda é bastante suscetível a projéteis. Então personagem 'zoner' (que mantém distância) é muito bom contra ele. O Honda ganhou uma nova habilidade para dar um tapa que ‘anula' uma magia, mas é bem meia-boca, só para dar uma chance de conseguir parar o ataque. Não é muito bom”.

Alexis completa: “qualquer ‘zoner’ tem vantagem. Sagat ou o próprio Ryu, jogando com bastante magia e paciência, não permite que Honda jogue. Guile é possivelmente a escolha ideal contra ele”.

LUCIA – KEOMA

Para fechar, Keoma fala sobre Lucia: “ela é interessante por ter um estilo ‘similar’ ao da Karin, mas com um jogo neutro e ofensivo um pouco diferentes. Ela não é tão forte em termos de ataque, mas acredito que tenha ferramentas suficientes para bater de frente com boa parte dos lutadores. Pode ser, inclusive, um personagem que cubra alguns problemas da Karin, mas que realmente precisa de um pouco mais de experimentação”.

Para jogar com Lucia

Keoma destaca o conhecimento prévio dos golpes da lutadora: “é importante saber os principais botões dela: soco médio abaixado, chute médio em pé e chute forte são bons. Outro importante é o chute para trás. Apesar de deixar Lucia em desvantagem quando defendido, ele pode ser feito em uma determinada distância que incomoda personagens como a Karin, que depende de ataques feitos por baixo”.

O pro player completa: “como a Lucia é capaz de passar por cima de ataques baixos, que pode ser feito como forma de pressão (com ou sem V-Trigger), acho que ela é muito boa contra personagens que dependem muito de ataques baixos”.

Para jogar contra Lucia

Agora, como encarar de frente a lutadora: “enfrentar a Lucia depende muito de conhecer o jogo de projéteis dela e não se deixar intimidar. Para conseguir lidar com a Lucia é preciso lidar com os cancelamentos que ela tem em sua corrida. A corrida tem uma série de continuações, mas nenhuma delas é realmente segura, exceto a EX (Especial). Então é preciso encarar seus avanços e estar pronto para suas 'bolas de fogo'".

O VALOR DE UM LUTADOR

Os três personagens fazem parte da expansão Summer 2019 Character Bundle de Street Fighter V. Este pacote “vazou” antes da EVO 2019 e teve seu lançamento adiantado pela Capcom.

Você pode comprar os personagens por R$ 45,90 no PlayStation 4 ou por R$ 29,99 na versão para PC.