<
>

CBLoL: Flamengo buscará se redimir de erros do passado na semifinal contra a Uppercut

Flamengo durante a fase regular da segunda etapa do CBLoL 2019. Riot Games

Faz pouco mais de quatro meses que o Flamengo disputou — e perdeu — a final da primeira etapa do CBLoL contra a INTZ. No entanto, o gostinho amargo da derrota não é algo que vai embora com facilidade, especialmente depois de uma campanha quase perfeita na fase regular e de um 3 a 0 em cima do CNB na semifinal.

Enquanto a comunidade discutia se a culpa da derrota era o “tilt” dos jogadores e a falta de um psicólogo, o Flamengo se recompunha para a etapa seguinte. Agora, apesar de uma campanha já não tão perfeita assim, o Rubro-Negro chega novamente a uma série decisiva de semifinal.

Mas será que o time vai conseguir superar o fantasma da MD5 passada?

Em entrevista ao ESPN Esports Brasil em junho, o técnico Von afirmou que o principal erro do Flamengo na final anterior foi a falta de adaptação na série. “A comissão não saber o que falar aos jogadores durante o draft, durante a série, ou os jogadores terem dificuldade de focar na série, perderem a fé nas escolhas [de campeão]... Então foram muitas coisas da perspectiva de um time”, explicou.

“Se fossemos um time mais coeso, se fossemos mais unidos, acho que teríamos vencido. Mas, durante a etapa, não tivemos que nos adaptar muito porque ganhamos praticamente todos os jogos, era melhor de 1, na semifinal não perdemos nenhum jogo, então acho que isso meio que machucou o time”, complementou o técnico.

O analista sul-coreano Seong Sang-hyeon, conhecido por Sam, Reven ou, nas palavras da comunidade, Flanalista, também deu sua opinião sobre a derrota do Flamengo na etapa passada. Para ele, houve uma surpresa em relação à força da INTZ como adversária.

“Não foi tão fácil quanto esperávamos, e isso nos surpreendeu”, confessa. “Nós esperávamos e todo mundo esperava que eles só cairiam, mas eles não caíram. Eles resistiram, e pensamos: ‘nossa, eles não são tão ruins quanto pensávamos’, em pânico”.

Assim como Von, Flanalista aponta uma “falta de costume” dos jogadores em se adaptar e perder. “Perdemos apenas um jogo na fase regular, e quando perdemos na grande final, quando fomos para o quinto jogo, estávamos semanas sem perder. Não estávamos acostumados a isso, então perder duas partidas provavelmente surpreendeu o time”, filosofou.

O analista, no entanto, é categórico ao dizer que a falta de um psicólogo não foi um fator determinante para a derrota. “Mesmo se tivéssemos um psicólogo trabalhando conosco desde o começo, seria difícil para ele nos dizer para ‘manter a postura’ e ‘continuar humilde’ por ser possível perder na final com o nosso histórico de resultados. Era quase impossível de prever que aquilo [a série ser difícil] ia acontecer”, garante.

Von complementa o pensamento: “Não havia como saber… E, da nossa perspectiva, nós, como comissão técnica, poderíamos ter lidado melhor com a série se soubéssemos o que falar, como adaptar. Então, sim, penso que foi mais a falta da comissão técnica ser mais proativa na série do que a falta de um psicólogo”.

O Flamengo será posto à prova como time mais uma vez no próximo sábado (24), a partir das 13h, ao enfrentar a Uppercut Esports por uma vaga na grande final.