<
>

Coldzera fala sobre escolha do próximo time: 'Questão financeira é o menor dos problemas'

play
Em nova equipe, coldzera buscará reencontrar felicidade que perdeu por se pressionar demais (12:03)

"Eu sou um jogador que não fico contente nem vitória, nem com derrota. Quando eu escolho algo, eu mergulho de cabeça", afirmou (12:03)

Em qualquer modalidade esportiva, seja eletrônica ou não, quando um jogador se torna o melhor do mundo a pergunta que mais recebe é: “o que é mais difícil, chegar ou se manter no topo?”. Não é diferente com coldzera, que em entrevista ao ESPN Esports Brasil, responde dizendo que “é muito mais difícil se manter”.

Tal questionamento fez cold se lembrar de 2017, temporada na qual junto a SK bateu o recorde de oito títulos conquistados. “Lembro um campeonato até hoje, foi em 2017, a gente tinha acabado de ganhar quatro seguidos e estávamos indo para o Major. Virei para o time e falei: ‘vocês não podem se sentir felizes com esse resultado porque amanhã vai ter outro campeonato e se a gente deixar a guarda abaixar, vamos perder e quando perdemos, logo em seguida, temos que nos provar novamente. Todo dia a gente está sendo testado e, se a gente não manter a cabeça, não manter a vontade, não manter a pegada a gente não vai ganhar o próximo’”.

Coldzera continua dizendo que falou para todos manterem a pegada, a vontade de não pararem de treinar: “Não é que a gente ganhou quatro campeonatos que somos o melhor do mundo. A gente tem mais 12 [torneios] no ano para jogar e se a gente ganhar seis desses 12, aí vamos provar que somos os melhores. Temos que ter o máximo de resultados possível para provamos mesmo e realmente construir uma Era. Essa mensagem ajudou muito o time em 2017 porque, querendo ou não, mentalizamos que melhorar cada vez mais e aí tivemos um ano brilhante”.

Na opinião do jogador faltou a formação se blindar na época em que dominou o cenário: "Nesse ano, quando os jogadores dos outros times vinham conversar, a gente meio que soltava uma coisa ou outra. A gente não pensa com essa maldade. Então, a gente falava, conversava”.

O ex-melhor do mundo dá como exemplo a Astralis, a qual considera a maior equipe da história do Counter-Strike: “Eles se blindaram muito bem. Eles fecharam os seis e não se abriram para ninguém. Acho que foi essencial e é essencial você se blindar desse jeito. Você se fechar no seu grupo e manter só seu grupo”.

Questionado se sentiu inveja com a ascensão da Astralis, cold responde que não e revela que ficou feliz pelos dinamarqueses “porque, querendo ou não, tiveram anos difíceis também. Foi um time que foi chamado ‘chocado’ porque eles ‘chocavam’ muito em semifinais. Foi um time que ficou sem ganhar, só batia na trave. Cada um tem seu ano e eles tiveram um ano brilhante, o que foi mérito deles. Eles elevaram o CS de um jeito absurdo e foram aquele time que, ‘enquanto você não ganhar de mim, eu vou te forçar até você me ganhar’”.

Para o jogador a Astralis foi primordial para o nível que o cenário atingiu: “Eles elevaram todo mundo num nível muito bom. Hoje em dia não tem um time ruim. Todos estão jogando bem. Se você vacilar, você vai perder o jogo, não interesse para qual time. O nível do CS está maior. Enquanto a galera que tem vontade de ganhar não mostrar serviço ou não ter aquela vontade de ser o melhor e trazer coisa nova, vão sempre ganhar esses times que estão sempre tentando. Esses times sempre trazem coisas novas, sempre estão se adaptando ao meta”.

MOMENTOS MARCANTES

Num jogador que já foi eleito duas vezes o melhor do Counter-Strike e que detém dezenas de títulos deve ser difícil elencar os momentos mais marcantes da carreira. Mas ao ESPN Esports Brasil, coldzera lembra dois que não saem da cabela. “O momento que me marcou aqui no Brasil é um momento triste. Foi a final da EPL em São Paulo, em 2017, quando perdemos para a cloud9. Aquela derrota doeu muito. Ganhamos o primeiro mapa, mas mesmo assim a gente não conseguiu ganhar a série. Aquele jogo marcou muito porque nunca ganhamos nada no Brasil. Aquele campeonato machucou bastante”, lembra

Já sobre o que rolou fora do País, o jogador afirma que “tem vários”, mas aponta que “o momento que acho que ajudou muito a gente foi em 2017, quando viemos mal de dois campeonatos e tive uma discussão com o fer dentro do jogo. Aconteceu um problema de jogo e não soubemos lidar. Eu fiquei muito bravo com ele e ele comigo. Acabamos brigando. Cheguei em casa e pedi desculpa. Chorei pra caramba porque eu gosto muito do fer. Isso fez a gente abrir um pouco os olhos porque o jeito que a gente tava jogando tava muito ruim e devíamos dar nosso 110% novamente como time. Isso fez com que a gente terminasse 2017 de forma brilhante”

“SE EU ME SINTO FELIZ?...”

...“hoje em dia não mais”, afirma coldzera. Quantidade de título e dinheiro, “para um cara que já ganhou bastante”, nada disso interfere mais na opinião do jogador, que revela que “ser feliz para mim é estar num time onde todo mundo está se divertindo para jogar. Não é mais do a gente tem que ganhar, ser obrigado a ganhar. A gente já cumpriu o nosso papel. Obrigações para ganhar, todo mundo tem. Para ganharmos, no começo, foi passo a passo. Então, a gente não tinha essa pressão. Fomos mordendo pela beirada e quando vimos, já estávamos no topo”.

“Eu sinto que não sou feliz por essa pressão que colocamos em nós mesmos, onde não tem. Hoje em dia eu não sou mais feliz e eu quero ir para um lugar onde eu vou buscar a felicidade. Vou buscar pessoas que estão lá para se divertir e querem ganhar assim como eu. Primeiro, a felicidade vem da diversão. Querendo ou não, a gente está lá para se divertir. Esse é o primeiro passo de tudo. Com a diversão você dá o seu melhor, você tem vontade de jogar e você está num ambiente bom. O primeiro passo é divertir e eu estou buscando minha felicidade onde tem diversão”.

FUTURO

Coldzera não dá muitas pistas sobre qual time irá integrar no futuro. O jogador revela que está analisando quatro propostas que recebeu e afirma que, “querendo ou não, ainda tem o Major e sempre depois rola a dança das cadeiras. Tem que esperar um pouco para ver se vai ter propostas novas”.

O jogador fala que “questão financeira é o menor dos problemas” e que os maiores “é com quem eu vou jogar, como a organização é, se ela tem uma boa estrutura ou não e se dentro do clube não é papinho furado ou levam bastante a sério. Existem bastante fatores que devem ser estudados e tem que ser com calma. Tudo às pressas, no final dá problema. Eu estou bem tranquilo ainda, por mais que eu fique uns dois ou três meses sem jogar”.