<
>

'Eles perderam um pouco do respeito comigo', diz coldzera sobre discurso do MIBR

play
Coldzera abre o coração sobre saída do MIBR: "Sinto que eles jogaram os fãs contra mim" (12:27)

Ao ESPN Esports Brasil, jogador falou sobre carreira e os momentos passados ao lado de FalleN e companhia (12:27)

Qualquer interrupção num relacionamento, por si só, é difícil. Ainda mais quando esse fim acontece após muitos anos de convivência. Esta é a via crucis pela qual coldzera está passando atualmente após decidir iniciar um novo capítulo na carreira longe de FalleN, fer e taco.

Ao ESPN Esports Brasil, o jogador revela estar magoado com certas atitudes dos antigos companheiros. Coldzera chega a falar sobre falta de respeito por parte dos integrantes do MIBR por conta do discurso adotado pela equipe após ter saído: “Fingir que nada aconteceu porque são quatro anos. Não são quatro anos de amizade, são quatro anos de respeito. Eles perderam um pouco de respeito comigo e eu nunca perdi o respeito com eles. Isso machucou bastante”.

Coldzera acha que os ex-companheiros “ficaram bastante chateados com a minha saída. Não foi uma saída fácil. Foi uma decisão minha, assim como taco e felps tiveram na época. Todos saída e ninguém foi julgado. Ninguém meteu o pau em ninguém. Ninguém ficou mandando indiretinha. Depois que saí, eles começaram a pegar muito pesado em termos de felicidade, em termos de ‘estarmos melhor sem ele’. Acho que está sendo muito baixo isso e me deixou bastante magoado ver isso porque eu saí do time e não fiz uma postagem magoando ninguém. Fiquei na minha como se nada tivesse acontecido”.

Na visão do jogador, “meio que eles começaram a jogar os fãs contra mim. Então, acho um pouco baixo a situação. Fiquei bem chateado com isso. Foi o que eu falei: os jogadores que saíram [antes], ninguém foi massacrado e parece que eles estão me fazendo me sentir mal pela minha decisão, sendo que essa decisão já é pensada há um ano e eles sabiam disso. Fiquei bem chateado com isso e não achei certo”.

O jogador aponta que não chegou a falar com os ex-companheiro sobre isso, mas diz que todos “sabem que eu estou bem chateado porque meio que eles bateram em mim e depois vieram amaciar. Vieram falar comigo, mas eu não respondi ninguém porque eles me chatearam muito com isso e eu não sou uma pessoa que vou ser político ou duas caras. Eles me conhecem muito bem disso e estou evitando conversar com cada um deles sobre”.

“Jamais vou bater. Não sou uma pessoa que fica batendo, mandando indireta. Se um dia eles ganharem de mim, normal. A galera vai cair matando e tal….Mas se um dia eu ganhar deles, minha resposta vai ser o silêncio porque eu não sou assim”, completa.

REALMENTE FOI UM MAL NECESSÁRIO?

Em entrevista concedida ao ESPN Esports Brasil durante a IEM Chicago, ainda em julho, FalleN avaliou a saída de cold como um “mal necessário”. O jogador concorda com o verdadeiro: “É assim que eu interpreto”.

Coldzera explica dizendo que “eu saindo do time, acho que acorda um pouco eles. Acho que estávamos na zona de conforto com o passar do tempo que jogamos, ganhamos e conquistamos tudo. A gente só teve alto, nunca tivemos baixo. 2015 foi quando começamos, 2016 e 2017 foram perfeitos e quando entrou os baixos, não soubemos lidar”.

O jogador reitera que a decisão de sair do time “não foi sem pensar. Foi uma saída que eu estava planejando desde 2018. Eu tinha conversado com o time, tinha falado com eles que precisávamos melhorar porque eu não estava mais sentindo a vontade deles. Decidi em 2019 em ter um caminho diferente. Acho que isso vai ser bom para os dois lados porque, querendo ou não, quando uma pessoa sai, ela deixa um buraco e esse buraco não é ‘tampado’ com um jogador novo, mas com os cinco tentando se provar. O buraco que eu deixei vai ser bom para eles acordarem e vai ser bom para mim também que não estava mais contente em como a gente estava lidando com as coisas como time”.

Para o ex-melhor do mundo a falta de títulos nos últimos meses não o incomodou. “Eu não ligo muito de perder não. É o que eu sempre falo: ‘perder dando o seu melhor, é muito melhor do que perder dando 30%. Acho que faltou um pouco dos cinco jogadores de querer jogar um pouco melhor, querer buscar um pouco mais, querer aprender coisas novas e querer voltar ser o melhor time do mundo. Então, acho que faltou um pouco de vontade”.

SE ARREPENDIMENTO MATASSE…

Ao ser questionado se manteria algo se pudesse, coldzera fala que teria mantido a formação internacional que defendeu o MIBR. “A gente teve um período muito curto para nos adaptarmos e no final de 2018, estávamos nos adaptando muito bem. Não é uma questão de resultado, mas de que estávamos desgastados dessa linguagem. É muito ruim a gente se comunicar em inglês. Não é a mesma coisa. Não estávamos com sentimento bons.”.

Coldzera, contudo, não perde tempo em dizer que Stewie2k e Tarik eram bons jogadores, tanto é que estão fazendo sucesso aí hoje.

“A gente se sentiu um pouco incomodado com a linguagem. Querendo ou não, não é muito cultural para a gente. O nosso dia a dia fica diferente. Mas se fosse pra manter, eu manteria essa formação. O time tava bom. Os jogadores são bons, são jogadores que trazem coisas novas e que estão sempre querendo se aprimorar. Tivemos um curto período de tempo e se déssemos mais tempo para os dois, acho que o time ia alavancar muito bem porque, querendo ou não, chegamos em três ou quatro finais e a gente espremeu a Astralis até o limite. Tivemos a chance de ganhar uns campeonatos dele e perdemos por erro nosso”.

QUEM É O COLD HOJE?

Indagado sobre quem é coldzera hoje, o jogador responde que “é muito difícil falar”. O jogador revela que, hoje, “ser o que eu sou para a galera eu nunca imaginaria que estaria tão grande. Muitas vezes eu vou em campeonato e vejo a galera chorando querendo uma foto. É uma sensação absurda e é muito bom eu ser um reflexo para a galera mais nova”. Coldzera revela que “muitos pais me perguntam como foi minha trajetória e eu digo que é muito difícil explicar porque meus pais eram iguais muitos são hoje, de bloquear os filhos de jogar. Mas o conselho que eu dou para os pais é liberarem porque se os filhos possuem o sonho de serem jogadores profissionais, acho que todos devem tentar. Assim como eu tentei e consegui, porque as pessoas também não podem?”.

“O primeiro passo de tudo é sempre sonhar e é muito legal estar aqui, falar para a galera que é meu fã e mostrar a todos que para se tornar realidade, primeiro, você tem que sonhar e depois persistir porque uma hora vem”, finaliza.