<
>

Por promessa de disputar CBCS, ex-BD recusou oferta do Corinthians

SpyDaemoN era um dos jogadores do Black Dragons BBL

Fora dos esportes eletrônicos desde o fim da parceria com a Red Canids, em março de 2018, o Corinthians por pouco não ingressou no Counter-Strike sendo representado na modalidade pela formação recém dispensada pelo Black Dragons. O negócio só não foi fechado porque o elenco preferiu continuar no clube por conta do Campeonato Brasileiro de Counter-Strike (CBCS).

O ESPN Esports Brasil apurou que o elenco e Black Dragon vinha conversando sobre a participação no CBCS desde janeiro. Nesses últimos meses, a organização vinha prometendo contrato aos jogadores e também a possibilidade do time ter uma gaming house para a competição. Contudo, os planos nunca saíram do papel.

Procurado pela reportagem, por meio da assessoria, o comitê organizador informou que a formação composta por deM0, SpyDaemoN, frostezoR, cadelao, paaiNk1ng não havia sido inscrita no CBCS e que a repentina mudança às vésperas da estreia não “viola nenhuma regra interna”

“Por se tratar de uma franquia, o time tem maior flexibilidade para inscrição dos jogadores e até agora não recebemos o elenco que irá defender a Black Dragons. Eles deverão informar a escalação capacitada para a disputa até a estreia na GameXP”, respondeu a direção do CBCS.

Informações estas também publicadas pelo Draft5

SAÍDA SURPRESA

O desligamento do elenco, revelado pelos próprios jogadores nessa quinta-feira (11), não surpreendeu apenas a comunidade, como também os próprios atletas. Isso porque as recentes mudanças feitas no elenco foram pensadas para um melhor desempenho do Black Dragons no CBCS.

A formação dispensada vinha defendendo o Black Dragons desde abril, quando a organização voltou a competir no Counter-Strike: Global Offensive. Nesses três meses o elenco sofreu algumas mudanças: psy, cqntrol e dukk4 deixaram o time, sendo substituídos por cadelao, frostezR e paaiNK1ng.

Procurado pelo ESPN Esports Brasil, SpyDaemoN revelou que ele e os companheiros foram pegos de surpresa com a notícia que não continuariam defendendo o clube, mas preferiu não comentar sobre o assunto até a organização se pronunciar.

COM A PALAVRA, BLACK DRAGONS

Um dos fundadores e sócio do Black Dragons, Pings conversou com a reportagem sobre a saída da formação. O executivo contou que “vários motivos” levaram a decisão e que até tentou encontrar um novo time para o quinteto.

“Eu estava um pouco decepcionado com algumas coisas internas, mas como eu gosto de alguns dos jogadores, estou tentando ajudá-los faz um tempo. Desde que eu decidi dispensá-los, estou tentando arrumar uma outra organização para eles. Foi até um dos motivos que demorei para contar sobre a saída. Primeiro que a gente estava decidindo que iríamos fazer ainda e segundo que eu estava tentando conseguir um novo clube”, revelou Pings

Uma das organizações para qual Pings ofereceu a formação foi a ProGaming, que disputará o CBCS com nome de Skull Gaming. Mas de acordo com o executivo o negócio não foi fechado porque o clube fechou com outro elenco.

Pings diz ainda que não gostou de algumas coisas, como mudanças na formação: “Mudou muito. Desde o começo, quando os contratei, eu falava que não mudasse o time e mudou por inteiro, basicamente. Isso me trouxe alguns problemas e foi um dos motivos que acabaram nos desanimando com a line. Não vinha resultado muito bom por conta disso. Nunca conseguia ficar com o elenco fixo por um período maior de um mês

Sobre a promessa de contratos, Pings explicou que não assinou com os jogadores “porque não conseguiram ficar quietos mais do que um mês”. O executivo disse ainda que até alguns integrantes do time falaram “que bom que a gente não fez contrato porque senão a gente ia estar ferrado”.

“Mesmo que a gente faça contrato, o contrato pode ser feito de várias maneiras possíveis. A gente simplesmente não os fez porque o time não parou quieto. A line mudou milhares de vezes por força maior que não era a nossa. Os jogadores acabaram saindo várias vezes. Prometeram que iam jogar, mas dava uma semana ou um mês e saia. Por completo, ficaram apenas dois jogadores. Então, é um dos motivos que a gente acabou não fazendo contrato para ver e se ficava tudo certo. Íamos fazer contrato para o CBCS e o contrato do CBCS é igual para todos os clubes e acabamos esperando para ele ficar pronto”, finalizou.

BLACK DRAGONS COM TIME FEMININO

O ESPN Esports Brasil apurou também que o Black Dragons tem a intenção de disputar o CBCS com uma formação formada por mulheres. Olga e junqs foram algumas das jogadoras já procuradas pela organização.

A possibilidade dos Dragões disputarem o Campeonato Brasileiro com um elenco feminino também foi veiculada pelo Versus. O site, inclusive, citou nome de outras jogadoras, como cAmyy, nara, junqs, Badzenha e AMD, que deixou a Vivo Keyd nesta sexta.

"Marketing e maior visibilidade" foram as justificativas dadas para a mudança de formação, conforme apurou a reportagem. Em resposta ao contato sobre o assunto, Pings disse que não tinha nada a comentar