<
>

LeBron James reage em rede social após NCAA enviar ofício contra lei que permite jogadores universitários receberem dinheiro

A NCAA deu um duro golpe na luta dos jogadores do basquete universitário receberem salário ou algum tipo de pagamento por atuar nas partidas.

Após a lei “Fair Pay to Play Act” ser aprovada na assembleia do estado da Califórnia por 73 votos a zero, a entidade enviou um ofício ao governador do Estado, Gavin Newsom, pedindo que a lei não seja confirmada.

O ofício contém uma série de argumentos contra a lei, entre eles, que ela “destruiria a distinção entre jogadores do College e profissionais e eliminaria a justiça dos esportes universitários”.

Além disso, a NCAA avisou que caso seja aprovada não permitirá que as 58 universidades da Califórnia possam competir nas ligas, já que elas teriam uma “injusta vantagem” no processo de recrutamento de jogadores do ensino médio.

O que é a lei “Fair Pay to Play Act”?

Traduzindo literalmente como “pagamento justo para jogar” define bem o que diz a lei. Ela permite que o jogador possa receber dinheiro pelo “uso do seu nome e imagem”.

A lei, conforme aprovada pela assembleia californiana, só entraria em vigor em 2023.

LeBron James, um dos grandes defensores do pagamento de salários aos jogadores universitários, publicou na sua conta no Twitter um “deboche” a tentativa da NCAA de bloquear a lei, dizendo que ela “possibilitaria uma política nacional justa aos atletas”.

Caso seja aprovada e a NCAA confirme sua proposta de expulsar as universidades do estado da Califórnia, a situação poderia criar um efeito devastador ao redor dos Estados Unidos, com estados sendo a favor e contra a medida.

Grandes universidades como UCLA, USC e Stanford estão no pacote. UCLA, por exemplo, é a maior vencedora da história do basquete universitário, com 11 títulos.

Não há prazo para a aprovação ou negativa da lei pelo governador Gavin Newsom.