<
>

Novidade da seleção, Lucas Veríssimo quase largou futebol antes de virar xodó de Jorge Jesus

play
Tite convoca seleção brasileira com Dani Alves, Veríssimo, Éverton Ribeiro e Gabigol; veja a lista completa (1:30)

Weverton (Palmeiras), Lucas Paquetá (Lyon) e Vini Jr. (Real Madrid) também aparece na convocação brasileira (1:30)

Convocado pela primeira vez para a seleção brasileira, Lucas Veríssimo estará no grupo que fará os próximos jogos das eliminatórias da Copa do Mundo 2022, contra Equador e Paraguai. Destaque do Santos nas últimas temporadas, o zagueiro virou um grande xodó de Jorge Jesus no Benfica.

Antes de brilhar nos gramados do Brasil e da Europa, o defensor contou em 2017 à ESPN que morou na infância com os pais dentro de um clube na cidade de Jundiaí, interior de São Paulo.

"Lá dentro tinha quadra de futsal e eu ia jogar bola todo dia. Uma vez, o Juventus de Jundiaí alugou a quadra e meu pai perguntou ao treinador se tinha como me colocar. Eu comecei a treinar e fiquei na escolinha. Eu comecei de atacante. Era fazedor de gols no futsal, rapaz", disse.

Apesar disso, o jovem conseguiu se consagrar quando mudou de posição. "Quando eu passei ao campo senti muitas dificuldades para me adequar. E comecei a crescer muito e o técnico me levou para volante porque me destacava na marcação. Depois de um tempo fui recuado para zagueiro. Foi a melhor escolha que já fiz", explicou.

Alguns anos depois, Lucas ficou sem dinheiro para pagar a escolinha e quase desistiu do futebol. "Meus pais me pediram desculpas e queriam me tirar porque não tinha como me manter. Eu falei: 'Tudo bem, pai'. Chegou no outro dia eu contei ao treinador do Juventus. Agradeci por tudo e fui embora", lamentou.

"Poucas horas depois, o técnico ligou para o meu pai e disse que eu teria bolsa e não precisaria pagar mais nada para jogar. Sou eternamente grato à eles por isso. Mantenho contato com os treinadores de lá até hoje", falou.

Com vontade de sobra, o garoto chegou a jogar por três lugares diferentes.

"Eu era fominha. Acordava e dormia só pensando em jogar bola. Uma época nós tivemos que morar em Guaimbê [cidade de 5 mil habitantes no interior de São Paulo]. Mudou toda minha rotina. Talvez eu não conseguisse realizar meu sonho. Fiquei triste, mas falei para a minha mãe: 'Se for para ser, vai ser em qualquer lugar. Vamos deixar na mãos de Deus'", contou.

"Eu fiquei desanimado. Mesmo assim, me mantive treinando e correndo atrás. Apareceu um projeto em Lins, uma cidade vizinha, que dizia revelar jogadores. Fui junto com um amigo para lá. Eu não tinha dinheiro para ir e voltar todos os dias, mas o dono do projeto me disse que poderia morar no alojamento", disse.

Aos 14 anos, ele se mudou cheio de esperanças para uma nova aventura. "Fazia amistosos, mas tinham muitas promessas de me levar para clubes bons. O máximo que fizeram por mim foi jogar um torneio pelo José Bonifácio terceirizado. Fiquei um ano e meio sem ter nenhum resultado, não apareceu nada. Eu resolvi voltar para casa", lamenmtou.

De volta a Guaimbê, Lucas Veríssimo recebeu um telefonema que mudou os rumos de sua carreira.

"Um rapaz me ligou para ver se eu queria fazer um teste no Linense no dia seguinte. Eu fui para lá e o técnico me viu treinar só 15 minutos e me aprovou. Ele já tinha me visto jogar no projeto e me queria antes. Fiquei por lá por um ano", afirmou.

Pelo "Elefante da Noroeste", o zagueiro fez um ótimo campeonato Paulista sub-17, marcou 7 gols e foi contratado pelo Santos. Antes mesmo de completar 18 anos, ele foi morar no alojamento dos Meninos da Vila para defender a equipe alvinegra.

No final de 2015, Lucas Veríssimo finalizou as categorias de base no Santos. No começo do ano seguinte, ele se apresentou ao Santos B, mas apenas uma semana e meio depois ele recebeu a primeira convocação para o time principal, que ia fazer um amistoso de pré-temporada contra o Bahia.

"Caiu nas minhas mãos e aproveitei da melhor maneira possível. Depois, o Dorival Júnior me manteve como titular durante quase toda primeira fase toda como titular. Comecei bem e por isso consegui me manter no time", garantiu.

Com a recuperação dos defensores titulares, o jovem voltou para a reserva.

"Eu saí por opção do professor Dorival. Fiquei no banco esperando uma chance. Teve um amistoso contra o Benfica na Vila Belmiro que fiz dois pênaltis. Perdi um pouco de espaço, mas fiquei trabalhando da mesma maneira porque poderia surgiu outra chance. Voltei a jogar no fim do Brasileiro", afirmou.

Aos poucos, Veríssimo retomou espaço no Santos e não saiu mais da equipe titular. Ele foi um dos destaques no time vice-campeão do Brasileirão de 2019 - sendo eleito para o prêmio Prêmio ESPN Bola de Prata Sportingbet - e finalista da Conmebol Libertadores de 2020.

Nas últimas três temporadas, ele foi cobiçado por muitas equipes da Europa, mas a diretoria do Santos não queria liberar o defensor. Após não renovar contrato, ele foi vendido ao Benfica a pedido do técnico Jorge Jesus no começo de 2021. Desde então, virou um pilar da equipe encarnada na temporada.