<
>

O melhor do MMA em 2019: nocautes surpreendentes e grandes zebras lideram a lista

Foi uma primeira metade de 2019 cheia de grandes eventos no mundo das artes marciais mistas. Novas estrelas como Jorge Masvidal e Israel Adesanya surgiram, novos campeões foram coroados e um campeão perdeu seu cinturão. Vimos alguns dos melhores nocautes na história do esporte e algumas das melhores lutas. Houve bajulação e mágoa.

Olhando para os primeiros seis meses de 2019 no MMA, decidimos dar prêmios em sete categorias. Tem algum problema com os resultados? Resolva com os que votaram: Ariel Helwani, Brett Okamoto, Marc Raimondi, Greg Rosenstein, Andrew Davis, Alisa Harrison, Jeff Wagenheim e Eric Jackman.


Luta do "meio-ano"

Vencedora: Israel Adesanya x Kelvin Gastelum, UFC 236 (13 de abril)

Essa luta será difícil de superar. Adesanya x Gastelum recebeu tantos votos quanto qualquer outro candidato em qualquer outra categoria. A luta pelo título interino dos médios em Atlanta teve quase tudo que você poderia pedir em uma luta - os dois tiveram seus momentos e tiveram que lutar contra a adversidade. Adesanya precisou de um excelente quinto round para selar a vitória no evento principal da noite.

Gastelum abalou Adesanya e colocou o nigeriano em grandes dificuldades nos rounds dois e três. Adesanya deu knockdowns em Gastelum várias vezes no quinto e acabou mantendo sua invencibilidade no octógono. Adesanya x Gastelum foi uma obra-prima, uma das melhores lutas por cinturão do UFC em anos e um testemunho da habilidade e coragem dos dois lutadores. Adesanya venceu, mas o valor de Gastelum só aumentou após a derrota.

Segundo colocado (empate técnico): Dustin Poirier x Max Holloway, UFC 236 (13 de abril) e Vicente Luque x Bryan Barberena, UFC Phoenix (17 de fevereiro)

Poirier x Holloway foi a luta principal do evento que contou com Adesanya x Gastelum, tornando o UFC 236 o melhor evento de MMA do ano. A disputa pelo cinturão interino dos leves foi uma disputa entre o boxe de Poirier contra a vontade incansável de Holloway. Poirier acabou vencendo por decisão unânime, machucando Holloway durante toda a luta.

Luque x Barberena foi uma luta maluca do começo ao fim. Luque acabou vencendo por nocaute técnico com seis segundos restantes na luta.


Lutadora do meio-ano

Vencedora: Amanda Nunes

Dias antes do começo de 2019, Amanda Nunes se tornou a campeã peso-pena do UFC ao nocautear Cris Cyborg no primeiro round do evento principal do UFC 232. Nunes já era campeã peso-galo, e essa vitória a colocou na pequena lista de atletas que já tiveram dois cinturões no UFC. No UFC 239, em 6 de julho, Amanda voltou para o peso-galo e defendeu seu cinturão, se tornando a primeira pessoa a conseguir tal feito. A Leoa nocauteou Holly Holm com um chute alto no começo do primeiro round. Holm nunca havia sido nocauteada antes.

Nunes já venceu todas as mulheres que já tiveram os títulos pena e galo do UFC - uma conquista incrível. A brasileira não é apenas a melhor lutadora de 2019 até aqui. Ela é, muito provavelmente, a melhor de todos os tempos.

Segunda colocada: Jéssica Andrade

Rose Namajunas estava vencendo Jéssica Andrade no UFC 237, em 11 de maio, antes que a brasileira desse a famosa bate-estaca e nocauteasse Namajunas com o impacto no solo. A americana estava tentando uma finalização e acabou não abrindo mão da posição, perdendo a luta e o cinturão peso-palha do UFC.

Menção honrosa: Valentina Shevchenko


Lutador do meio-ano

Vencedor: Henry Cejudo

Nos últimos seis meses, Cejudo emergiu como um dos maiores lutadores peso-por-peso do planeta. O medalhista de ouro nas Olimpíadas de Pequim nocauteou TJ Dillashaw com menos de um minuto para defender o cinturão peso-mosca. Com Dillashaw suspenso pela USADA por doping, Cejudo subiu de peso e lutou contra Marlon Moraes pelo título vago dos pesos-galo, em Chicago, e venceu por nocaute técnico.

Cejudo machucou o ombro e passou por uma cirurgia depois do UFC 238 e não volta mais neste ano. Ele pode ter garantido o prêmio de lutador do meio-ano, mas nem sempre foi assim. Em 2016, ele perdeu duas lutas consecutivas e sua grandeza estava incerta na época. No entanto, desde que derrotou Demetrious Johnson em agosto do ano passado, Cejudo está em outro nível.

Segundo colocado: Israel Adesanya

Adesanya derrotou seu ídolo, Anderson Silva, no UFC 234, em 10 de fevereiro, em Melbourne, na Austrália. Foi um momento emocionante para o "Last Stylebender". O nigeriano, em seguida, derrotou Gastelum na luta mencionada acima no UFC 236. Essa vitória lhe rendeu o título interino dos médios. Todos sabiam o quão habilidoso Adesanya era, mas contra Gastelum descobrimos sua dureza e determinação.

Adesanya vai lutar contra o campeão australiano Robert Whittaker para unificar os títulos dos médios no UFC 243 em 5 de outubro. Uma vitória pode dar o prêmio de lutador do ano, embora a competição seja acirrada. Adesanya certamente se tornou um grande nome no MMA este ano, depois de quase uma década no kickboxing. É difícil acreditar que ele só estreou no UFC em 2018. Poucos fizeram tanto no UFC nesse curto espaço de tempo.

Menção honrosa: Jorge Masvidal


Melhor nocaute do meio-ano

Vencedor: Jorge Masvidal x Ben Askren, UFC 239 (6 de julho)

Após toda a falação dos dois lados, tudo estava resolvido em menos de cinco segundos. Simples assim. Masvidal, com as mãos para trás, sorriso no rosto, saiu correndo quando a luta começou e acertou uma joelhada voadora simplesmente perfeita. Askren foi nocauteado na hora. Masvidal ainda desferiu mais dois socos no seu oponente já desacordado ("Super necessário", disse ele), e depois tirou sarro do seu adversário. Foi o nocaute mais rápido da história do UFC.

Segundo lugar: "Soco Super-Homem" de Anthony Pettis contra Stephen Thompson, UFC Nashville (23 de março)

Anthony Pettis resolveu subir para o peso meio-médio para enfrentar Stephen Thompson. Pela maior parte da luta, vimos Thompson controlando a distância e acertando os melhores golpes em Pettis, que já estava sangrando. Mas aqui vai o que há de especial em Pettis: como uma cobra, ele pode recuar e atacar a qualquer momento. E ele fez exatamente isso. Acertou um soco perfeito em Thompson, que caiu nocauteado.


Maior surpresa do meio-ano

Vencedor: Jorge Masvidal nocauteando Ben Askren e Darren Till

Estamos na metade do ano e um dos lutadores mais comentados e que conquistaram manchetes em todo o mundo é Jorge Masvidal. Certamente, ninguém esperava isso. O nativo de Miami é um veterano do MMA. Ele lutou na BoDog Fight, Sengoku, Bellator e Strikeforce. Ele tem 13 derrotas em sua carreira. Mas nocautes de primeiro round contra Askren e Till fizeram os fãs casuais finalmente tomarem conhecimento dele.


Maior frustração do meio-ano

Vencedor: TJ Dillashaw é pego no exame anti-doping

Quando o ano começou, Dillashaw era o campeão peso-galo do UFC e estava descendo para o peso-mosca para enfrentar Henry Cejudo e tentar se tornar um campeão de duas divisões. Cejudo nocauteou Dillashaw em menos de um minuto. Em março, Dillashaw anunciou que havia sido pego em um exame anti-doping e que estava abrindo mão do cinturão peso-galo. Três semanas depois, a USADA anunciou que TJ seria suspenso por dois anos.


Melhor momento "fora do octógono" do meio-ano

Vencedor: Desentendimento entre Masvidal e Edwards

O nocaute de Masvidal contra Darren Till foi, realmente, impressionante. Mas os socos que realmente importaram foram os que ele deu depois, nos bastidores, durante uma briga com Leon Edwards. Foi o que aconteceu durante uma entrevista para Laura Sanko, da ESPN. Masvidal foi até Edwards, que o insultava com as mãos nas costas. Os ânimos se acenderam e Masvidal lançou uma combinação de quatro socos antes que as pessoas entrassem para separá-los.

A ascensão de Masvidal foi uma das maiores histórias de 2019 e esse momento é o que inicialmente o impulsionou.

Segundo lugar: A mãe de Tyron Woodley parabeniza Kamaru Usman

Usman tinha acabado de ganhar o título meio-médio do UFC, derrotando Woodley em uma decisão unânime em cinco rounds no UFC 235 em 2 de março em Las Vegas. Enquanto Usman caminhava nos bastidores, ele foi recebido pela mãe de Woodley, Deborah. Ela abraçou Usman e disse: "É a sua vez, não é a vez dele. É a sua vez. Seja forte. Você está me ouvindo? E continue trabalhando, porque eles vão atrás de você. E você vai estar pronto."

São momentos como esse que separam o MMA dos outros esportes. Após ver seu filho ser derrotado e perder o cinturão que tanto amava, a mãe de Woodley, mesmo assim, abraçou Usman e lhe deu conselhos. Incrível.