<
>

Copa do Mundo: Vexame na Rússia marca fim da dupla Sergio Ramos e Piqué; veja o rumo de cada um

play
'Fim de um ciclo?', questiona Mauro Cezar sobre estilo de jogo da Espanha (5:43)

Seleção campeã em 2010 foi eliminada pela Rússia nas oitavas de final (5:43)

A vexaminosa eliminação para a Rússia, no último sábado, pelas oitavas de final da Copa do Mundo 2018, em Moscou, marcou o fim de uma era na Espanha: a da dupla de zaga Sergio Ramos e Gerard Piqué.

Conhecidos por serem símbolos de Real Madrid e Barcelona, os dois sempre deixaram a rivalidade de lado na seleção e formaram uma das duplas de defensores mais emblemáticas do futebol moderno, sendo pilares das conquistas da Copa do Mundo 2010 e da Eurocopa 2012.

No entanto, o revés nos pênaltis para a seleção anfitriã, no estádio Luzhniki, acabou sendo o fim da linha para Piqué em La Roja. A partir de agora, o jogador de 31 anos não aceitará mais os chamados da equipe nacional, dedicando-se só ao Barça.

Sua última memória da seleção, aliás, será bastante ruim: foi ele quem fez o pênalti bizarro ao levantar a mão aos 41 minutos do primeiro tempo, dando a Dzyuba a chance de empatar o placar após os ibéricos saírem na frente no confronto.

Na zona mista do Luzhniki, Piqué saiu ouvindo música e não atendeu a imprensa.

Ele se despede da equipe nacional com 102 jogos e 5 gols marcados, além de três títulos - fora a Copa-2010 e a Euro-2012, o catalão ainda venceu a Eurocopa sub-19 de 2006.

Sergio Ramos, por sua vez, parou para atender os jornalistas, como sempre faz, já que é o capitão da equipe.

Sereno, ele lamentou a aposentadoria do parceiro de zaga da seleção, assim como a do meia Iniesta, outro que não vestirá mais a camisa de La Roja.

Apesar disso, o astro merengue ressaltou que vem aí uma nova geração promissora.

"Piqué e Iniesta são jogadores que foram muito importantes durante muitos anos para a seleção. A Espanha deve muito a eles. Mas também há gente que vem pisando forte no acelerador, e isso é o mais legal", afirmou.

Questionado se seguirá em frente com a Espanha, Ramos usou do bom humor e disse que pretende ficar para o ciclo do Mundial do Catar, apesar de que já terá 36 anos na próxima Copa.

"Eu gostaria de seguir por muitos anos ainda. Vejo que serei obrigado a ir ao Catar com a barba branca", divertiu-se.

Ramos soma 156 jogos e 13 gols pela seleção ibérica. No último sábado, aliás, ele igualou o goleiro Iker Casillas como jogador que mais vestiu a camisa vermelha em Copas do Mundo, com 17 jogos.

Resta saber agora se ele ainda estará em forma para quebrar essa marca daqui a quatro anos...