<
>

Nadal e Djokovic fazem batalha épica em Roland Garros, 'derrubam' até toque de recolher na França, e sérvio vai à final

play
Thiago Monteiro fala sobre jogaço entre Nadal e Djokovic, em Roland Garros: 'O 3º set foi um dos maiores que já vi' (0:39)

Tenista brasileiro participou com exclusividade do Pelas Quadras (0:39)

Pela 58ª vez na história, Rafael Nadal e Novak Djokovic estiveram frente a frente numa quadra de tênis. E nesta sexta-feira, na semifinal de Roland Garros, o mundo viu um dos melhores duelos entre eles, e também de toda a história do esporte.

No fim, Djokovic venceu Nadal de virada por 3 sets a 1, parciais de 3-6, 6-3, 7-6 (4) e 6-2

A partida durou ao todo 4h11min, invadindo a madrugada na França e até derrubando leis locais.

Por conta do toque de recolher imposto pelo governo francês para tentar impedir o avanço de mais uma onda de infecção do coronavírus, o público, cerca de 13 mil presentes permitidos, tem que sair do complexo de Roland Garros às 23h locais.

Ao longo da semana, quando a organização do torneio anunciava na quadra que a torcida tinha que evacuar a quadra, os fãs vaiaram.

Nesta sexta-feira, dado o contexto épico da partida entre Nadal e Djokovic, a federação francesa de tênis anunciou na quadra Philippe Chatrier, entre o terceiro e quarto set, que as autoridades locais haviam aberto uma exceção e que os fãs poderiam ficar até o fim do jogo. A torcida comemorou cantando até o hino da França.

Com a vitória, Djokovic frustra mais uma vez os planos de Nadal em Roland Garros. O espanhol poderia conquistar seu 21º Grand Slam e bater o recorde de Federer.

E Nadal ainda perde em Roland Garros, onde ganhou o torneio 13 vezes e vinha em uma sequência de 35 vitórias consecutivas no saibro francês, a quinta maior de um tenista em um mesmo Grand Slam.

Nadal também deteve a quarta maior sequência (39), quebrada por Djoko em 2015. O espanhol perdeu apenas três jogos na carreira em Roland Garros, dois para o sérvio e outro para o sueco Robin Soderling.

O sérvio amplia sua soberania no duelo direto contra o espanhol com 30 vitórias e 28 derrotas.

Na decisão, Djokovic enfrentará o grego Stefanos Tsitsipas, que venceu Alex Zverev, em busca do 19º Grand Slam de sua carreira.