<
>

Número 2 do mundo, Osaka abre o jogo sobre saúde mental e desiste de Roland Garros

play
Meligeni analisa Federer e Serena 'azarões' em Roland Garros: 'Estão a fim de sofrer? Vão longe. Não estão? Au revoir...' (1:41)

Fernando Nardini e Fernando Meligeni projetam o Roland Garros de 2021 (1:41)

Nesta segunda-feira (31), a atual número 2 do mundo, Naomi Osaka anunciou que está fora de Roland Garros.

A japonesa revelou sofrer de crises de depressão desde o titulo do Aberto dos EUA de 2018 e afirmou que ficará longe das quadras por tempo indeterminado.

Antes mesmo da estreia, a tenista havia anunciado que não concederia entrevistas à imprensa durante o Grand Slam, alegando que não era saudável para a sua saúde mental e que muitos profissionais focavam no lado negativo da performance das atletas.

No domingo, no saibro de Paris, ela derrotou a romena Patricia Maria Tig por 2 sets a 0 e cumpriu sua promessa: não particiopu da coletiva de imprensa, obrigatória de acordo com as regras do torneio, e fui multada em 15 mil dólares (R$ 75 mil).

Na ocasião, Osaka não não teve apoio da maioria dos demais tenistas, como Rafael Nadal, Ash Barty e Mats Wilander, que respeitaram sua decisão, mas disseram que os atletas têm obrigação de falar com a imprensa, que, de certa forma, ajuda a dar mais visibilidade para o esporte.

''Acho que a melhor coisa a fazer é desistir do torneio, assim todo mundo pode voltar a focar no tênis. Eu nunca quis ser uma distração e aceito que a minha mensagem poderia ter sido mais clara. Mais importante, eu nunca exagerei em usar termo 'saúde mental'. A verdade é que eu tenho sofrido com longas crises de depressão desde o US Open de 2018 e eu tive muita dificuldade para lidar com isso'', escreveu a vencedora de quatro Grand Slams em sua conta no Twitter.

A tenista pediu desculpas aos organizadores, disse ainda que espera poder voltar ao circuito em breve e que quer discutir com os dirigentes as regras para tornar o ambiente mais saudável.

''Eu peço desculpas para a organização do torneio e disse que gostaria de conversar com eles depois do torneio, já que o ambiente dos Grand Slam é muito intenso. Vou passar um tempo fora das quadras agora, mas quando for a hora certa, eu gostaria de discutir maneiras de tornar as coisas melhores para as jogadores, para e imprensa para os fãs. Espero que todos estejam bem, e seguros. Amo todos vocês''.

No Grand Slam dos Estados Unidos, de 2018, o primeiro vencido pela tenista, Osaka foi às lágrimas na cerimônia de premiação por ter achado que estava sendo vaiada pelo público por ter derrotado a favorita Serena Williams na final. Na verdade, a revolta dos espectadores estava relacionada à uma confusão entre a tenista norte-americana e o árbitro da partida.

Confira o anúncio completo feito pela tenista:

"Acho que a melhor coisa a fazer é desistir do torneio, assim todo mundo pode voltar a focar no tênis. Eu nunca quis ser uma distração e aceito que a minha mensagem poderia ter sido mais clara. Mais importante, eu nunca exagerei em usar termo 'saúde mental'. A verdade é que eu tenho sofrido com longas crises de depressão desde o US Open de 2018 e eu tive muita dificuldade para lidar com isso.

Todo mundo sabe que eu sou introvertida e qualquer pessoa que me veja em um torneio vai notar que muitas vezes eu ando com fones de ouvido e isso me ajuda a lidar com a ansiedade.

Os jornalistas que cobrem tênis sempre foram educados comigo, e eu gostaria de pedir desculpas a todos os bons jornalistas que eu possa ter machucado. Eu não sou uma pessoa que gosta de falar em público e e fico muito ansiosa quando tenho que falar com a imprensa internacional. Eu fico muito nervosa e estressada enquanto tento dar as melhores respostas possíveis.

Então aqui em Paris, eu estava me sentindo muito ansiosa e vulnerável, e pensei que a melhor forma de cuidar de mim seria não participar das entrevistas coletivas. Eu anunciei isso com antecedência, porque acredito que as regras estão datadas e que precisamos chamar atenção para isso.

De forma particular, eu peço desculpas para a organização do torneio e disse que gostaria de conversar com eles depois do torneio, já que o ambiente dos Grand Slam é muito intenso.

Vou passar um tempo fora das quadras agora, mas quando for a hora certa, eu gostaria de discutir maneiras de tornar as coisas melhores para as jogadores, para e imprensa para os fãs. Espero que todos estejam bem, e seguros. Amo a todos vocês"