<
>

Por que não considerar Djokovic o maior tenista de todos os tempos?

play
Djokovic passa Federer e Nadal nos títulos de Grand Slam? Comentaristas da ESPN opinam (1:49)

Nole tem 16 títulos de Majors, Nadal 18 e Federer 20 (1:49)

É quase que unanimidade que Roger Federer é o maior tenista da história. Mas a final de Wimbledon deste ano mostrou, mais uma vez, que Novak Djokovic merece ao menos estar na discussão a lado de Federer e Nadal, o outro expoente desta interminável discussão.

Obviamente a história do tênis nos presenteou com provavelmente seus três maiores jogadores ao mesmo tempo. E os três não demonstram sinais de que a idade pode diminuir o desempenho, como aconteceu com seus antecessores.

Por isso mesmo, é difícil cravar qualquer coisa enquanto eles ainda estão nas quadras. E, acima de tudo, ganhando a vasta maioria dos torneios que disputam.

Mas é normal e todos podemos achar que Federer, sem dúvida o mais talentoso da história, possa ser o maior de todos os tempos. Mas, novamente, Djokovic merece ao menos entrar na discussão.

O sérvio é o mais novo dos membros do “Big Three”, tem 32 anos, um a menos que Nadal e seis a menos que Federer. E Djokovic já ganhou 16 títulos de Grand Slam, quatro dos últimos cinco disputados. O espanhol tem 18, e o suíço detém o recorde com 20 Majors.

Não é uma diferença discrepante e que não possa ser alcançada. Você realmente acha que Djokovic vai parar nos 16?

Nos Masters 1000, o sérvio tem 33 títulos, um a menos que o recordista Rafael Nadal e cinco a mais que Roger Federer.

Outro ponto importante. Djokovic tem 260 semanas como número 1 do mundo, contra 196 de Nadal e 310 do recordista Federer.

50 semanas são praticamente um ano. É totalmente possível Djokovic se manter no topo por mais um ano, e não precisa nem ser de forma consecutiva, para superar o recorde de Federer.

Djokovic, assim como Federer e Nadal, também já completou os quatro Grand Slams da carreira, tendo vencido o Australian Open (7 vezes), Roland Garros (uma), Wimbledon (5) e US Open (3).

E aí agora entra o mais importante de tudo: o sérvio tem os seus dois maiores rivais na história como fregueses.

Diante de Federer, são 26 vitórias e 22 derrotas, sendo 10 a 6 em torneios de Grand Slam.

Contra Nadal, são 28 vitórias e 26 derrotas.

O futuro do tênis ainda nos reserva muitas emoções diferentes e os três certamente vão aumentar o número de títulos conquistados. Mas, neste momento, é necessário colocar Nova Djokovic na discussão.