<
>

Verona van de Leur conta em livro como virou atriz pornô após largar ginástica, passar fome e ser presa

Verona van de Leur na final do Mundial de ginástica em Gent, na Bélgica, em 2007 Getty Images

Uma história fortíssima, com direito a largar o esporte, problemas familiares, passar fome e frio, viver como mendiga e, diante das dificuldades, aceitar o convite para ser atriz pornô. Eis o resumo do que relata a ex-ginasta Verona van de Leur.

Com 33 anos, a holandesa acaba de lançar a versão em inglês do seu livro que publicou em 2014: 'Simply Verona' ('Simplesmente Verona', na tradução literal).

Van de Leur chegou a ser uma das melhores ginastas do mundo, tendo ganho medalhas de ouro, prata e bronze entre Mundiais e Europeus no começo dos anos 2000.

Em 2002, por exemplo, a final do Mundial de ginástica foi em Stuttgart, na Alemanha, e ela saiu de lá com três medalhas: ouro no solo e dois bronzes, em trave e barras assimétricas.

No Europeu ocorrido no mesmo ano, em Patras, na Grécia, Van de Leur ficou apenas a 50 milésimos do ouro no invidual geral, que foi para a russa Svetlana Khorkina, estrela mundial da ginástica naquele período.

Futuro glorioso no esporte... Só que não!

Tudo indicava um futuro glorioso no esporte. Mas isto não aconteceu.

A rebeldia da adolescência aflorou, os resultados começaram a não aparecer e a decisão de deixar a ginástica veio em 2008, então com 23 anos.

A relação que já era ruim e conflituosa ficou ainda pior com seus pais, que, segundo sua versão, a expulsaram de casa.

Van de Leur acusou os pais de terem ficado com o dinheiro que ganhara na ginástica, recorreu à Justiça e ganhou. Mas o valor foi gasto rapidamente com diárias de hotel juntamente com seu namorado.

Nascida em Gouda, cidade no oeste da Holanda e que fica entre Utrech e Roterdã, ela e seu companheiro passaram a viver na rua, como sem-teto. Até que passaram a abrigar-se em um veículo abandonado.

"Passamos invernos muito duros , com a neve cubrindo todo o carro e gelo por todo lado", relata.

Usavam o banheiro de um estacionamento público para fazer suas necessidades. No verão, recorriam as duchas das praias para tomarem banho. Se conseguiam algum dinheiro, pagavam algum alojamento.

Tentativa de extorsão e cadeia

Viviam na marginalidade e na delinquência.

Um dia, a ex-ginasta fotografou um casal que fazia sexo dentro de um carro e tentou extorquir a mulher, que era casada, pedindo 3 mil euros (pouco mais de R$ 13,3 mil na conversão atual) em troca das imagens.

Foi denunciada. E a polícia, ao prendê-la, encontrou fotos e vídeos de pornografia infantil em seu celular e um revólver no automóvel que usava para dormir.

Ficou 72 dias presa, até que um advogado conseguiu livrá-la da acusação.

Foi aí, já em 2011, que recebeu a proposta para ser atriz pornô.

"Me ofereceram tal quantidade de dinheiro que não pude recusar. Isto podia me dar um futuro com o qual sempre havia sonhado", diz no livro.

Nos últimos oito anos, Verona van le Leur trabalha nesta indústria, seja em gravações de filmes profissionais, seja explorando seus próprios vídeos em um site que leva seu nome.

"Não sou a clássica atriz pornô. Considero um trabalho", afirma a olandesa, que planeja deixar a atividade no final deste ano, quando acabam alguns contratos que têm.

Seu desejo é voltar ao esporte, mas na tentativa que fez há alguns anos não encontrou apoio na Federação Holandesa de Ginástica. E os dirigentes tampouco deram ouvidos as denúncias que ela e outras duas ex-atletas fizeram de abusos físicos e mentais quando eram atletas.

"Toda vez que leio sobre abusos, penso que eu tenho muita experiência e gostaria de compartilhá-la", afirmou.

"Quero daz voz as crianças, ser sua conselheira e confidente", encerrou.