<
>

Guia da MotoGP 2021 - Calendário cheio, disputa acirrada pelo título e a incógnita Marc Márquez

play
Favoritos, melhores equipes e surpresa: veja a prévia de Hamilton Rodrigues para a temporada da MotoGP (1:51)

#MotoGPFOXSports - O narrador e apresentador nos canais ESPN e FOX Sports Brasil ainda disse que Francesco Bagnaia 'pode dar samba' em 2021 (1:51)

Acelerem os motores. Vai começar neste domingo (28) a temporada da MotoGP, principal categoria do Campeonato Mundial de Motovelocidade. E tudo indica que, mais uma vez, a disputa será marcada pelo equilíbrio, com várias trocas na liderança.

Tudo isso porque ainda é uma incógnita como o espanhol Marc Márquez, seis vezes campeão da principal categoria (e oito vezes campeão do mundo entre todas as categorias), retornará às pistas depois de um longo período afastado por conta de uma grave lesão.

*Conteúdo patrocinado por Yamaha

A última temporada da MotoGP terminou com um novo campeão: o espanhol Joan Mir, de apenas 23 anos, que chegou em sétimo no GP de Valência, o suficiente para ficar com o título com uma prova de antecedência. Com 171 pontos, o piloto da Suzuki ficou à frente do italiano Franco Morbidelli (Yamaha), vice com 158 pontos, e do seu compatriota e companheiro de equipe Alex Rins, terceiro lugar com 139 pontos. Nove pilotos diferentes venceram pelo menos uma das 14 provas da última temporada, uma das mais acirradas dos últimos tempos. O próprio campeão, Joan Mir, ganhou apenas uma das etapas, mas se destacou ao marcar presença em oito pódios ao todo.

Mas um episódio em especial influenciou diretamente no alto nível de competitividade da categoria: o grave acidente sofrido por Marc Márquez. Correndo em casa no GP da Espanha, na primeira prova de 2020, ele sofreu uma fratura exposta em seu braço direito, o que lhe tirou da disputa.

O espanhol foi submetido a três cirurgias reparatórias e ainda está seguindo o cronograma da recuperação. Seguindo orientação médica, o piloto da Honda já confirmou que não estará nas pistas para os dois primeiros GPs da temporada: Catar e Doha.

A MotoGP, como a maioria dos outros esportes ao redor do mundo, ainda se adapta diante dos efeitos da COVID-19. A pandemia provocou uma série de mudanças no calendário da temporada passada, que só foi iniciada em julho, na Espanha, e com número reduzido de etapas.

O calendário de 2021 já tem previstas 19 provas e mais duas ainda sem datas definidas (as de Argentina e Estados Unidos). A temporada começa em 28 de março (domingo), com o Grande Prêmio do Catar, no circuito Losail International, mesmo local da segunda prova, agendada para 4 de abril. De lá, a MotoGP parte para sua excursão europeia, com etapas em Portugal, Espanha, França e Itália – veja o calendário completo no quadro abaixo.

"As corridas noturnas do Catar são sempre especiais, e este ano, por motivos extrapista, teremos duas em sequência. As luzes dos holofotes realçam a beleza do espetáculo, sempre imprevisível e emocionante. Serão 50 pontos para as vitórias em jogo e os pilotos das três classes em disputa vão dar o máximo para conquistá-los. Tudo pode e vai acontecer”, analisou o comentarista de motovelocidade dos canais Disney Fausto Macieira.

Para tentar minimizar os impactos da pandemia, a MotoGP anunciou cortes de gastos, com congelamento de investimentos em tecnologia das motos para este ano. Para evitar surtos, o Catar liberou doses da vacina para imunizar pilotos, mecânicos e demais funcionários das equipes.

Fique de Olho!

Marc Márquez (Repsol Honda Team) - Seis vezes campeão da Moto GP, o espanhol é o grande favorito da categoria, mas ainda não concluiu a recuperação física após grave lesão no braço direito na temporada passada.

Joan Mir (Suzuki Ecstar) - Atual campeão da MotoGP, o espanhol disputará apenas a sua terceira temporada na categoria.

Álex Rins (Suzuki Ecstar) - Companheiro de equipe de Mir, o também espanhol terminou a última temporada na terceira posição.

Fabio Quartararo (Monster Energy Yamaha) - Apesar da oitava posição, o francês de apenas 21 anos conquistou três vitórias na última temporada.

Maverick Viñalez (Monster Energy Yamaha) - Companheiro de equipe de Quartarato e ex-campeão da Moto3, o espanhol ficou em sexto no ano passado.

Franco Morbidelli (Petronas Yamaha) - O italiano também venceu três provas em 2020, maior marca entre os pilotos do grid. Terminou a temporada no segundo lugar.

Valentino Rossi (Petronas Yamaha) - Longe do desempenho que o levou a nove títulos mundiais, o italiano, 42 anos, é sempre uma atração dentro do grid.

Jack Miller (Ducati Lenovo Team) - O australiano botou a Ducati na ponta em alguns nos eventos-testes realizados no Catar, inclusive batendo o recorde de velocidade de ponta do circuito de Losail.

Transmissões

A temporada 2021 da MotoGP seguirá com transmissão exclusiva do Fox Sports na TV por assinatura, além de análises especiais da categoria no SportsCenter e na programação jornalística dos canais ESPN e ESPN.com.br. O fã de esporte acompanha tudo sobre o Grande Prêmio do Catar, que abre o calendário, neste domingo (28), a partir de 13h30, no Fox Sports.

“O tão esperado retorno de Marc Márquez é uma das grandes novidades. Já foi liberado pelos médicos para treinar com motos mais agressivas. Tudo vai depender do seu estado físico assim que reaparecer nas pistas. Mas todo fora de série sempre acaba fazendo a diferença. A outra boa notícia é a possível volta de Andrea Dovizioso. Não foi muito bem atendido pela Ducati no ano passado. O italiano, três vezes vice-campeão do mundo, merece um pouco mais de atenção”, apontou o também comentarista de motovelocidade dos canais Disney Edgar de Melo Filho.

"Joan Mir é outro que não pode se esquecido. A Suzuki começou 2020 como ‘patinho feio’ do campeonato e sempre largando no meio do pelotão. Mas fizeram corridas sensacionais e agora é a equipe a ser seguida este ano", destacou Edgar, que ainda fez um convite ao fã de esporte:

“Fique de olho na nova geração. Luca Marini, Enea Bastianini, Francesco Bagnaia e Jorge Martin. Garotos que chegam cheios de vontade e vão dar muito trabalho. Sangue no olho e faca nos dentes.”

Apesar da alta competitividade esperada, Edgar de Melo Filho listou as equipes que devem brigar pelas primeiras posições durante toda a temporada. “Todas as equipes têm um nível muito bom, mas Honda, Ducati e Yamaha acabam se destacando pelo poder financeiro, empenho, desenvolvimento e pelos pilotos que têm”, explicou.

Agora, é só esperar pelo barulho inconfundível dos motores da MotoGP.