<
>

Campeão no Palmeiras, Antônio Carlos revela que teve ofertas de Vasco e Bahia e diz por que preferiu EUA

Campeão brasileiro em 2018, Antônio Carlos resolveu sair do Palmeiras no fim do ano passado para buscar um novo desafio nos Estados Unidos. Sem espaço na equipe alviverde depois da chegada do técnico Mano Menezes, o zagueiro foi especulado em várias equipes antes de acertar com o Orlando City, da Major League Soccer.

“Estava um pouco meio que desligado lá no Palmeiras, não joguei muitos jogos quando chegou o Mano Menezes. Meu empresário disse que tinha a oportunidade de ir ao Orlando City. Fiquei feliz porque é uma valorização de trabalho, uma oportunidade muito boa. Tanto é que não pensei duas vezes e aceitei. Não dava para adivinhar qual seria a minha perspectiva no Palmeiras. Acho que foi a decisão certa porque é uma outra cultura. Para a minha família foi muito bom. A corda já estava um pouquinho no pescoço e precisava respirar novos ares no Palmeiras”, disse ao ESPN.com.br.

Revelado no Corinthians, Antônio Carlos passou por Oeste, Avaí, Flamengo e Ponte Preta antes de chegar ao Palmeiras, em 2017. Em três temporadas no time alviverde, ele fez 86 jogos e marcou três gols. No ano passado, jogou 23 vezes, sendo apenas nove no Campeonato Brasileiro.

“Logo quando surgiu o negócio do Orlando City vieram Bahia, Vasco e outros clubes. Mas ficaram bem pautados o Bahia e o Vasco. Depois que ouvi as outras propostas a minha cabeça ficou muito certa em vir aos EUA. Conversei com a minha esposa e pedi uma opinião. Ela falou: ‘Acho que você precisa respirar novos ares e entender como funciona jogar fora do país’. Aceitamos a proposta e optamos em ir aos EUA”, confirmou.

Emprestado por uma temporada, o defensor encontrou vários brasileiros tanto na direção quanto no elenco no clube que fica no estado da Flórida.

“O [diretor esportivo] Ricardo Moreira conversou bastante comigo e me passou referências do clube, que é bem novo, e do país. Ele me ajudou bastante a abraçar esse projeto. Ele me ligou todos os dias antes de assinar contrato para falar que o projeto era muito bom e estava numa crescente muito grande. Temos grandes jogadores como o Nani e o Júnior Urso, além vários latinos que me ajudaram na adaptação”, explicou.

Antônio Carlos ainda não conseguiu aproveitar a vida nos EUA por causa da COVID-19. O único passeio que ele conseguiu fazer com a família foi no parque Magic Kingdom antes que pandemia piorasse.

Além disso, a liga ficou vários meses paralisada e foi realizada uma copa chamada "MLS is Back" com as equipes no meio do ano nos mesmos moldes da “bolha da NBA” na Disney World, em Orlando.

“A pandemia atrapalhou a gente bastante porque sentimos falta da torcida e a MLS tem estádios sempre cheios. Eu gosto muito de jogar com bastante gente. Todas as equipes ficaram 32 dias no hotel concentradas e temos que parabenizar o trabalho da liga, que foi muito bem feito para evitar novos infectados”.

O Orlando City foi vice-campeão do torneio, perdendo a final para o Portland Timbers.

“Tive uma participação do meu ponto de vista fenomenal e fui considerado um dos melhores zagueiros do torneio. Vimos que a equipe teria um crescimento muito grande. Foi um ano que aprendi bastante a cultura dos americanos. Mesmo com as dificuldades cresci muito como atleta porque tivemos quatro pré-temporadas por causa da pandemia! Pensa nisso! Aprendi a me cuidar ainda mais em casa”, afirmou.

No segundo semestre, o jogador ajudou o time a se classificar pela primeira vez para a semifinal da Conferência Leste da Major League Soccer.

“Em um dia atípico não conseguimos fazer o gol e até perdemos um pênalti. Faltou bem pouco para vencemos um título, mas vamos buscar para o ano que vem porque o time está em evolução”.

Após o fim da MLS, o zagueiro foi comprado pelo Orlando City e assinou um contrato de três anos.

“Agradeci muito ao Palmeiras, que é um clube que vou levar para sempre no meu coração e que me abriu as portas. Vou torcer muito e estou sempre vendo os jogos. Vou buscar um algo a mais na minha carreira para fazer um grande campeonato e se tiver no futuro uma chance de ir para Europa ou de melhorar o contrato no Orlando. Vou sempre buscar a excelência. As esperanças são boas e realizei mais um sonho. É muito gratificante sair de casa e ser reconhecido na rua algumas vezes”, finalizou.