<
>

Atlético-MG bate Flamengo nos pênaltis após jogo elétrico e é campeão da Supercopa do Brasil

Na Arena Pantanal, em Cuiabá (MT), time mineiro bateu o carioca após empate no tempo normal e 24 penalidades batidas


Emoção até o fim, literalmente! Foi assim a decisão da Supercopa do Brasil de 2022 neste domingo (20) na Arena Pantanal, em Cuiabá, no Mato Grosso. No fim, após empate por 2 a 2 em um jogaço no tempo normal e incríveis 24 penalidades, o Atlético-MG superou o Flamengo por 8 a 7 e levou a taça.

Destaque para Hulk, Éverson e Gabigol. O primeiro bateu dois pênaltis e converteu ambos; o goleiro foi um capitulo à parte: isolou sua cobrança, a oitava, mas defendeu três, de Willian Arão, Matheusinho e Vitinho, esta última definindo a decisão.

E Gabigol? O camisa 9 rubro-negro era esperado para iniciar a segunda sessão de pênaltis do Flamengo, após os 22 atletas que terminaram o tempo normal em campo terem batido.

Mas ele não apareceu. Quem bateu foi Vitinho, que viu o arqueiro alvinegro pegar e fechar a disputa da marca da cal - veja mais sobre as cobranças abaixo.

Este foi o primeiro título do técnico Antonio 'Turco' Mohamed no comando do Galo, que em 2021, com Cuca, foi campeão da Copa do Brasil e do Brasileirão - o Flamengo disputou a taça por ter sido o vice-campeão do Brasileiro.

O clube mineiro também deu fim a uma hegemonia do Flamengo na competição, já que os cariocas eram os atuais bicampeões (2020 e 2021).

Jogo eletrizante

Nas escalações, 'Turco' Mohamed escalou o Atlético com força máxima, à exceção do atacante Matías Zaracho, que por conta de um problema em uma das coxas pintou no banco de reservas, dando vaga a Savarino no time titular.

O Flamengo também teve os seus principais jogadores à disposição. No ataque, pela primeira vez na temporada, Bruno Henrique, Gabigol e Arrascaeta começaram no time titular, que teve algumas mudanças. Por decisão do técnico Paulo Sousa, Hugo Moura começou no gol na vaga de Diego Alves, enquanto João Gomes ganhou o lugar de Andreas Pereira.

O primeiro tempo foi bastante movimentado e começou com domínio do Flamengo. Foram pelo menos duas boas oportunidades com Gabigol, que as desperdiçou. O Atlético chegou menos, porém, foi mais efetivo e por isso abriu o placar na Arena Pantanal.

Aos 42 minutos, Allan tabelou com Jair e tocou para Guilherme Arana, que arriscou chute de meia distância. O goleiro Hugo defendeu, mas vacilou e espalmou para frente, dando rebote para Nacho Fernández, que completou para o gol: 1 a 0 Atlético-MG.

Flamengo volta com tudo

Apesar do gol sofrido, o Flamengo voltou do intervalo com o mesmo gás do primeiro tempo e seguiu levando perigo à meta defendida por Éverson. E foi aí que veio o empate.

Aos 11 minutos do segundo tempo, Filipe Luís tocou pela esquerda para Arrascaeta, que foi até a linha de fundo e cruzou para o meio da área. Bruno Henrique cabeceou, Éverson defendeu, mas deu rebote, e aí entrou a estrela de Gabigol em finais.

Após desperdiçar boas chances na primeira etapa, o camisa 9 aproveitou o rebote e deixou tudo igual na Arena Pantanal.

Menos de 10 minutos depois, o Rubro-Negro chegou a uma incrível virada. E o lance do segundo gol contou com a estrela do jovem Lázaro, joia da base do clube carioca, que foi colocado em campo pelo técnico Paulo Sousa no lugar de Éverton Ribeiro no início do segundo tempo.

Arrascaeta iniciou a jogada e tocou para Lázaro, que deu enfiada de bola milimétrica para Bruno Henrique, que invadiu a área e tocou de cavadinha por cima de Éverson para fazer o 2 a 1.

E quem pensava que este seria o placar final da partida, se enganou. Aos 30 minutos de jogo, após avanço pela esquerda, Vargas tocou para Hulk dentro da área, e o artilheiro do Galo não desperdiçou. Frio, ele dominou, esperou o movimento da bola e bateu forte para deixar tudo igual mais uma vez em Cuiabá. 2 a 2!

Pênaltis que não acabam mais

Até o fim do tempo regulamentar, Atlético e Flamengo seguiram tentando o gol da vitórias, mas não teve jeito e a decisão foi para os pênaltis.

Os batedores das duas equipes mostraram precisão da marca da cal e converteram as primeiras cinco cobranças.

As cobranças alternadas foram um show de horror, incluindo erros dos goleiros Éverson e Hugo Souza, que desperdiçaram as duas cobranças, mas também fizeram defesas na série.

Todos os 11 jogadores de linha bateram, e a disputa de pênaltis 'começou de novo'. Hulk começou para o Atlético e converteu, mas Vitinho perdeu, com Éverson defendendo, e o Atlético foi campeão.

Do lado do Atlético-MG, Guga e Mariano viram Hugo Souza defender; Éverson e Godín isolaram por cima do gol; pelo lado do Flamengo, foram quatro chances de vencer a disputa e levantar a taça, mas Willian Arão, Matheusinho e Vitinho pararam em Éverson - Fabrício Bruno e Hugo Souza mandaram para fora.

O cara: Éverson

O goleiro do Atlético-MG foi decisivo para o título do Galo. Desde o tempo regulamentar, o arqueiro fez defesas importantes, mais ainda na disputa por pênaltis, com três cobranças defendidas, incluindo a última, após cobrança de Vitinho.

Próximos jogos

O Rubro-Negro volta a campo na quarta-feira (23), às 20h, no Nilton Santos, para clássico contra o Botafogo, pelo Campeonato Carioca.

Já o Galo, agora só joga no sábado (26), às 16h30, fora de casa contra o Pouso Alegre, pelo Campeonato Mineiro.

Ficha técnica

Atlético-MG 2 x 2 (8-7 pen.) Flamengo

GOLS: Atlético-MG: Nacho (42' 1°T) e Hulk (30' 2°T); Flamengo: Gabigol (11' 2°T) e Bruno Henrique (19' 2ºT)

ATLÉTICO-MG: Éverson; Mariano, Nathan Silva, Diego Godín e Guilherme Arana; Jair e Allan (Guga); Savarino (Ademir), Keno (Vargas) e Nacho Fernández; Hulk. Técnico: Antonio 'Turco' Mohamed

FLAMENGO: Hugo Souza; Fabrício Bruno, David Luiz e Filipe Luís (Léo Pereira); Rodinei (Matheuzinho), Willian Arão, João Gomes, Éverton Ribeiro (Lázaro) e Arrascaeta (Vitinho); Gabigol e Bruno Henrique (Diego). Técnico: Paulo Sousa