<
>

Copa Africana de Nações: Mané brilha, Senegal vence Burkina Faso e vai à final

Com um gol e uma assistência do atacante do Liverpool, senegaleses bateram os burquinenses e estão na decisão da disputa continental


Duas vezes vice-campeã da Copa Africana de Nações (CAN), em 2002 e em 2019, Senegal terá mais uma chance de, enfim, acabar com o incômodo histórico e conseguir o título inédito.

Isto porque a seleção, liderada por seu principal jogador, o atacante do Liverpool Sadio Mané, fez valer seu favoritismo e venceu Burkina Faso por 3 a 1 nesta quarta-feira (2) no Estádio Ahmadou Ahidjo, em Yaoundé, capital de Camarões.

No primeiro tempo, Senegal teve dois pênaltis anulados após intervenção do VAR em lances polêmicos. O primeiro aos 32, por uma suposta falta do goleiro Koffi no volante Kouyaté e o segundo, nos acréscimos, após o chute de Mendy bater na mão do zagueiro Tapsoba.

Os gols saíram somente na etapa final, que virou uma loucura após os 25 minutos, justamente quando Senegal, dirigido pelo ex-meio-campista Aliou Cissé, que jogou em clubes de Inglaterra e França, entre eles o Paris Saint-Germain, abriu o placar em cabeçada certeira de Diallo após cobrança de escanteio de Koulibaly.

Depois, Mané foi o protagonista. O 2 a 0 começou em uma grande jogada individual dele, aos 31. O camisa 10 roubou a bola do defensor e só tocou para Gueye ampliar a vantagem.

Burkina Faso, considerada a grande surpresa da CAN até então, descontou aos 37, com Blati Touré. Pressão? Que nada.

Aos 42, Mané, de novo, apareceu para resolver. Ele tocou na saída do goleiro Ouédraogo, que entrara no lugar de Koffi ainda no primeiro tempo, e selou a classificação de seu país para a final.

Na decisão, marcada para o próximo domingo (6), os Leões da Teranga, como é conhecida a seleção senegalesa, vão enfrentar o vencedor do duelo Camarões x Egito, que acontece nesta quinta-feira (3), às 16h (de Brasília), e é o mais 'pesado' da competição - juntos, somam 12 conquistas de CAN (sete para os egípcios e cinco para os camaroneses).

Burkina Faso, que também jamais ganhou o título continental e foi vice-campeã em 2013, tendo perdido a final para a Nigéria, disputará o terceiro lugar contra o perdedor da outra semi, também no domingo, mas um pouco mais cedo, às 13h.

Senegal tentará superar o trauma deixado nas outras decisões. Em 2002, a derrota na final foi para Camarões nos pênaltis, 3 a 2, após 0 a 0 no tempo normal e na prorrogação; na última edição, em 2019, o algoz no jogo da taça foi a Argélia, que venceu por 1 a 0 com gol logo aos 2 minutos do primeiro tempo marcado por Bounedjah.