<
>

Léo Moura lembra joia que Flamengo perdeu para 'noite e farra': 'Era igual ao Rivaldo'

Ex-lateral-direito falou em entrevista ao IELCast, no YouTube


Craque o Flamengo faz em casa. Esse é o lema do clube carioca, que formou diversos jogaodres que viraram estrelas ao longo de sua história, como Zico e boa parte da geração de 80, Adriano Imperador e, por último, Vinicius Jr. Em contrapartida, vários atletas badalados caíram no anonimato por escolhas erradas.

Um deles é Lorran, meio-campista revelado na base do clube e que foi promovido ao profissional em 2011. Antes de ir para o time principal, que na época tinha Ronaldinho Gaúcho, o jogador havia sido campeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior ao lado de Negueba, Adryan e Cesar, mas acabou não vingando.

Em entrevista ao IELCast, no Youtube, Léo Moura trouxe detalhes do garoto. Rasgou elogios ao futebol de Lorran, que, segundo ele, lembrava muito Rivaldo. No entanto, condenou o extracampo regado de noite e farra. Para Léo, a vida pouco profissional atrapalhou o jovem.

"A gente pegou molecada sempre achava que era jogador, estava na base ainda, e depois fica para trás. No Flamengo, tinha um moleque chamado Lorran, canhoto, meia. Chegou a jogar profissionalmente em 2011. Ele era igual ao Rivaldo, canhoto, inteligentíssimo, mas só queria noite e farra. Os caras falavam 'mermão, você não chegou a lugar nenhum'. Aí termina o contrato e bate o desespero, porque os caras falam 'vou para onde?'", afirmou Léo para completar.

"Aí vai para o outro time, o histórico, os caras ligam, treinador liga para treinador, aí os caras falam 'não vai porque vai te dar problema'. Jogava muito esse moleque. Não tenho (notícias de onde está jogando). O futebol perde muita gente", finalizou.

Aos 28 anos, Lorran está sem clube desde 2018, quando defendeu o São Paulo-RS. Em 2019, o meio-campista acabou sofrendo um tiro na perna em Canoas, região metropolitana de Porto Alegre. Desde então, não voltou a jogar futebol.