<
>

Ex-Corinthians lembra quando 'meteu a porrada' em Neymar: 'Na primeira, já dei na orelha dele'

play
Fã de Neymar, Raphinha diz que jogar ao lado do craque foi como um sonho: 'Me inspiro muito nele' (1:42)

'É uma honra jogar com o Neymar', disse o atacante do Leeds United | Assista ao SportsCenter pela ESPN no Star+ (1:42)

Cristian revelou, em entrevista, que, quando ia jogar contra Neymar, ia preparado para ‘bater’ em marcação para não ser driblado pelo jovem atleta.


Neymar sempre foi um jogador que sofreu por conta da marcação mais dura de alguns adversários, que já chegaram a o afastar dos gramados por conta de lesão. Um adversário, porém, admitiu que ‘batia’ no craque de propósito ainda nos tempos de Santos.

Em entrevista ao canal PodPah, o ex-jogador Cristian revelou que bateu no, então, jovem jogador de propósito para que não fosse driblado.

“O jogo inteiro (gritei na orelha do Neymar). Todos os jogos! Hoje ele é o melhor jogador sem dúvida nenhuma e naquela época ele já estava surgindo. Então imagina: se eu deixo ele fazer tudo que ele faz, eu tô morto”, disse.

“Tá louco, fico desempregado! Eu falei: ‘Vou meter a porrada nesse moleque, é o c*** que ele vai fazer bagunça em cima de mim’. Irmão, eu batia nele! Desculpa, mas ele apanhou”, completou.

O ex-volante do Corinthians ainda falou sobre o fato de o jogador ser ‘maneiro’ fora de campo, mas explicou que, dentro das quatro linhas, sempre buscava entrar no psicológico do adversário.

“Fora do campo é um cara muito maneiro. Mas dentro, se estiver até minha mãe vai ser poucas ideia. É onde eu ganho meu dinheiro, não tem como eu ser bonzinho”, afirmou.

“Você entra no psicológico do cara, o cara começa a ficar agoniado e nervoso. E eu era mestre nisso! E batia, irmão. Eu falava: ‘vou te matar, vou te arrebentar, quero ver você jogar hoje!’”, respondeu.

Você pega um jogador igual o Neymar, que é rápido e habilidoso. Se você deixar ele fazer uma gracinha, o cara acaba com sua vida! Na primeira eu dei um safanão na orelha dele que olha... Mas ele era novo, aguentava! Não tinha como não bater, tá louco”, finalizou.