<
>

Grêmio: vice de futebol do clube entrega o cargo após derrota: 'Importante dar uma oxigenada'

play
Vice do Grêmio entrega o cargo durante entrevista: 'Acreditemos que é perfeitamente possível sair dessa situação' (4:10)

Grêmio perdeu para o Fortaleza por 1 a 0 e Marcos Herrmann deixou a função | Assista ao melhor do futebol pela ESPN no Star+ (4:10)

Logo após a partida contra o Fortaleza, Marcos Hermann anunciou sua saída do cargo e mostrou confiança numa volta por cima do Grêmio


Nesta quarta-feira (13), logo após a derrota do Grêmio por 1 a 0 para o Fortaleza, na Arena Castelão, pela rodada 26 do Brasileirão, o vice-presidente de futebol do clube gaúcho, Marcos Hermann, anunciou sua saída do cargo. O dirigente agradeceu ao elenco, diretoria e comissão técnica e disse que seguirá apenas como vice-presidente do Imortal.

"Neste momento, sou demissionário do cargo de diretor de futebol porque acho importante que a gente dê uma oxigenada, agora vem uma nova comissão de futebol técnica. É importante que a gente respire ares novos, crie um fato e toque a vida adiante. Eu quero agradecer, muito mesmo, do fundo do coração, a recepção que sempre tive dos jogadores, todos eles. Quero agradecer muito aos membros da comissão técnica que trabalharam comigo, todos gente de primeira, e ao presidente Romildo", começou por dizer.

"Continuarei como vice-presidente do clube, acreditando no clube, pelo apoio que sempre me deram. É muito difícil fazer isso, não sabia que era tão difícil. O clube tem condições de superar este momento difícil. Não é hora de agressões, é hora de alento", prosseguiu.

Hermann ainda deixou claro que, apesar da situação difícil que o clube gaúcho se encontra, neste momento na vice-lanterna do Brasileirão, acredita que é possível sair deste buraco.

"Em nome da diretoria do Grêmio, gostaria de pedir desculpas pela campanha que estamos fazendo. Estamos trabalhando duramente e os resultados não aparecem, hoje, evidentemente, fomos prejudicados pelos seis desfalques que não estavam aqui e contribuiriam muito, tenho certeza. Eu farei um apelo para que acreditemos que é perfeitamente possível sair dessa situação. Nos faltam 14 partidas e estamos cinco pontos do primeiro que não cai", disse o dirigente, que ainda se lembrou de 2003, quando o clube gaúcho se safou do rebaixamento em situação ainda pior.

"Em 2003, faltavam 11 rodadas, estávamos 10 pontos atrás e saímos. Logo, é preciso confiança, temos o jogo contra o Juventude, que temos que fazer uma boa partida e ganhar. É preciso acreditar, a torcida do Grêmio é muito poderosa, faz a diferença e tem que apoiar mesmo quando a situação estiver negativa. Se ganharmos os jogos em Porto Alegre, mesmo perdendo os fora, estaremos saindo dessa situação complicadíssima. É preciso acreditar muito", finalizou.

Com a derrota desta quarta, o Grêmio segue em 19º na tabela com 23 pontos e a cinco de distância do Santos, primeiro clube fora do Z-4 no momento. No domingo (17), na Arena, o Imortal recebe o Juventude, pela rodada 27.