<
>

Juventus: conheça a história do clube feminino que tem um título para cada derrota no Italiano

Era um dia quente de final de verão na província de Turim quando, pela primeira vez, a equipe feminina da Juventus entrou em campo para uma partida da Coppa Itália. Foi o início da formação de um time que entraria para a história.

Desde que foi fundada, em 2017, a Juventus não ficou uma temporada sequer sem ganhar, pelo menos, um título. São quatro anos de história com quatro taças levantadas do Campeonato Italiano na conta das jogadoras, sendo dois deles conquistados de maneira invicta.

No ano passado, aliás, o time fez ainda mais: se tornou o único (entre homens e mulheres) da história da Itália a conseguir vencer o campeonato com 100% de aproveitamento, 22 vitórias em 22 jogos.

E a verdade é que elas quase não sabem o que é perder, já que as derrotas podem ser contadas nos dedos de uma só das mãos: são quatro jogos perdidos nessas quatro edições do campeonato. A Juventus não é batida no Italiano desde a temporada 2018/19, quando o clube contabilizou duas derrotas.

A equipe comandada pelo australiano Joe Montemurro espera levantar novamente a taça pelo quinto ano consecutivo, fazendo com que o clube entre – ainda mais – para a história.

O próximo compromisso das jogadoras será contra a Fiorentina, no domingo (05), às 12h30, pela segunda rodada da Série A Feminina. A partida será transmitida pela ESPN no Star+.

Um pouco de história

Os primeiros relatos de atividades do futebol feminino na Itália datam de 1930, quando foi fundado o Gruppo Femminile Calcistico (Grupo da Mulher e Calcistico) em Milão, na Stoppani 12.

A Federazione Italiana Calcio Femminile (FICF) surgiu no ano de 1968. No mesmo ano, foi disputado o primeiro Campeonato Italiano da história. Ele foi realizado em dois grupos (Norte e Sul), de cinco equipes cada. A final foi entre as equipes de Roma e Genova – a consagrada campeã.

Em 31 de janeiro de 1970, na cidade de Roma, dez equipes abandonam a FICF para assinar a ata de constituição de uma nova federação - a Federazione Italiana Femminile Giuoco Calcio. Com a fundação da entidade, iniciam as conversas sobre Série A, que teria jogos disputados em um único turno com 14 equipes participantes.

Portanto, as duas Federações, a FICF e FFIGC, passaram a organizar dois campeonatos nacionais simultaneamente, tendo como campeões a Gomma Milano (FFIGC) e Real Torino (FICF).

Em 1972, por meio de Giovanni Trabucco, é feita a fusão das entidades criando a Federazione Femminile Italia Unita Giuoco Calcio (FFIUGC). Em 1980, em Bérgamo, foi criada a Associazione Italiana Calciatrici, que funcionou até 1989.

Em 1985 é criado o Comitê de Futebol Feminino e, em 1987, são fundadas várias comissões para o desenvolvimento do futebol.

A Juventus

A Juventus montou um time do zero. Porém, para estrear na primeira divisão, comprou outro que já tinha a vaga – o Cuneo.

Na época, a presidente do Cuneo Calcio Femminile, Eva Callipo, deu uma entrevista coletiva para explicar o que iria acontecer com o clube após a aquisição do time principal pela Juventus.

"Fomos contatados pela Juventus e ficamos felizes de poder dar esse passo. Cedendo o direito para uma sociedade como a Juve, o futebol feminino vai só crescer, e é isso que queremos".

Atual

O campeonato conta, atualmente, com 12 clubes e pode ser acompanhado ao vivo pela ESPN no Star+.

A Juve venceu o primeiro jogo contra o Pomigliano por 3 a 0 com dois gols da meio-campista Arianna Caruso. O outro foi marcado por Martina Rosucci. Ariana foi um dos destaques da temporada passada. A jogadora atuou em 20 partidas, marcou sete gols e deu três assistências.

Na temporada 2020/21, o clube foi campeão italiano com duas rodadas de antecedência, quando venceu o Napoli por 2 a 0. A Juve ganhou todos os jogos.