<
>

Ex-goleiro desmente Richarlyson após acusação de 'mala preta' e dispara: 'Já busquei orientação jurídica para tomar as providências'

Durante o programa Arena SBT da última segunda-feira (19), o ex-meio-campista Richarlyson fez uma revelação bombástica. O ex-jogador, que teve uma passagem bastante vitoriosa pelo São Paulo, contou sobre um episódio de 'mala preta' (receber dinheiro para perder a partida) quando defendia o Fortaleza, em 2003.

Na ocasião, o Leão do Pici disputava em confronto direto com a Ponte Preta uma vaga na Série A. Richarlyson afirmou que o goleiro Jefferson falhou de propósito por estar envolvido no esquema.

"Já passei uma situação que teve mala preta. O nosso goleiro entregou o jogo. Estava no Fortaleza. Não tem como. Já tinha ocorrido que ia ter mala preta, mas ninguém sabia o jogador que estava. Chegou no jogo, o cara deu um chutão de trás do meio de campo. O goleirão saiu falando "eu" e entregou no pé do atacante, sozinho. Não é que era uma bola difícil. O cara chutou antes do meio de campo. Depois de muito tempo soubemos que era ele. Na hora pensamos que era uma falha", afirmou Richarlyson.

No lance, o goleiro Jefferson soltou a bola no pé do zagueiro Gerson, que abriu o placar. A partida terminou 2 a 0 para a Ponte Preta, que terminou com a vaga na Série A, enquanto o Fortaleza foi rebaixado à segunda divisão.

Em nota à imprensa, o ex-goleiro Jefferson Carvalhal respondeu as acusações, desmentiu Richarlyson e afirmou que tomará as medidas legais necessárias.

Veja abaixo:

Primeiramente, um pouco da minha trajetória. Fui goleiro profissional durante 20 anos, entre 1995 e 2015. Durante esse período, paute minhas condutas dentro do esporte e sempre com extremo profissionalismo. Em duas décadas, não tenho nada que macule minha carreira. Comecei no Ceará, passei por Fortaleza, Ituano, Sport, CRB, Ferroviário, Treze-PB, Moto Clube, Sampaio Corrêa, Horizonte-CE, Guarany de Sobral, para citar alguns dos clubes do currículo. Em grande parte como capitão e, sempre, como atleta referência de boa conduta desportiva”

“No período de 2002 e 2003, estive no Fortaleza Esporte Clube, equipe pela qual tenho grande carinho e respeito, passando por momentos que marcaram positivamente minha trajetória profissional, como o acesso em 2002 para a Série A do Campeonato Brasileiro e o título de campeão cearense de 2003. No Brasileirão de 2003, na primeira divisão, participei efetivamente da campanha, cerca de 35 jogos com a camisa do clube. Exemplifico essa parte da carreira a fim de contextualizar o episódio atual, destacando que fui feliz, fiz amigos e me orgulho de todas as camisas que vesti.

Venho informar a todos – imprensa, desportistas, amigos e parentes – que já busquei orientação jurídica para tomar as providências legais necessárias, tanto para direito de respostas, como para que haja reparações por parte do acusador, onde couber dentro da lei. O objetivo é que, com o apoio da verdade e da justiça, um ato dessa natureza, praticado pelo ex-jogador não venha a colocar sob suspeita a história de um atleta que conseguiu, com dedicação, disciplina e boas condutas, além de jogar futebol durante 20 anos, torna-se bacharel em Economia, com pós-graduação em Gestão do Esporte, estendendo, assim, o envolvimento com o meio esportivo.

Reforço que me identifiquei muito com todas as equipes onde joguei, conseguindo atuar, ser referência e ser respeitado pelas maiores torcidas e clubes do meu estado: Ceará, Fortaleza e Ferroviário, com mais de 100 jogos em cada um, premiações e títulos. Nunca, nada manchou toda minha honra na minha trajetória como profissional. Recebo com tristeza essa situação, mas com muita confiança de que a justiça seja feita, e de forma breve.

Jefferson Carvalhal

Ex-goleiro