<
>

Cruzeiro anunciou reforço sem ter nem contrato assinado, diz presidente de clube colombiano

play
Itamar substituiu Kaká, fez festa contra o Santo André e homenageou Viola em vitória do São Paulo; reveja (3:29)

Relembre São Paulo 4 x 2 Santo André de 2003, com show de Itamar e reportagem de Eduardo Elias no Morumbi; o Tricolor Paulista recebe a equipe do ABC novamente nesta sexta-feira, às 20h00, em jogo válido pela 6ª rodada do Paulistão (3:29)

Afundado em uma grave crise financeira e na Série B do Campeonato Brasileiro pelo segundo ano consecutivo, o Cruzeiro ainda vive um imbróglio envolvendo a chegada de Yeison Guzmán, do Envigado, ao clube mineiro.

Em entrevista ao programa Blog Deportivo, da Blu Radio, Ramiro Ruiz, presidente do time colombiano, deixou claro que o atleta não assinou nenhum contrato com o Cruzeiro e que apenas tinha dado um 'sinal verde' ao aceitar a oferta salarial da Raposa, que anunciou o atleta logo em seguida.

Porém, após anunciar a chegada de Guzmán no dia 15 de abril, o Cruzeiro viu a negociação não se desenrolar, uma vez que o atleta recusou vir ao Brasil e vestir a camisa do time mineiro, que prometeu tomar medidas jurídicas por conta do descumprimento do acordo.

"Foi firmada a aceitação da proposta salarial, entre jogador e Cruzeiro, mas não havia contrato firmado. Nós como instituição cumprimos o que havíamos falado. No fim de semana houve uma proposta firmada por Yeison, que decidiu não ir para o Cruzeiro".

"Acreditamos que o Envigado não terá consequências negativas do ponto de vista jurídico e o jogador dependerá da postura da Fifa após firmar esse acordo", finalizou o presidente do Envigado. Por outro lado, Gianfranco Petruzziello, que representou o Cruzeiro na negociação, disse que o atleta assinou um pré-contrato com todas as informações discriminadas.

"Não tem o que questionar. Eles recebem uma minuta. Algo acontece entre o atleta e o Kormac, que abala demais principalmente a cabeça do jogador, e aí eles simplesmente desistem e usam como desculpa para a operação não caminhar que não estão de acordo com o documento que o próprio jogador três dias antes tinha dado aceite".

"Existiam os descontos trabalhistas normais, o que foi explicado ao jogador. A grande dúvida era em relação ao direito de imagem onde a gente não tem a exatidão de quanto vai ser descontado porque o atleta não tem uma empresa formalizada no Brasil", disse o agente.

De acordo com informações da Rádio Itatiaia, o Cruzeiro desembolsaria R$ 6,6 milhões ao time clombiano, que ainda teria 20% do valor de uma futura venda do meia. O contrato de Guzmán com a Raposa iria até o final de 2025.