<
>

Flamengo vence o Palmeiras nos pênaltis em Brasília e é bicampeão da Supercopa do Brasil

O Brasil é novamente rubro-negro! Em uma final eletrizante, Palmeiras e Flamengo ficaram no empate por 2 a 2 após jogaço no tempo normal, mas na disputa por pênaltis o time carioca levou a melhor por 6 a 5 e ficou com o título da Supercopa do Brasil, que foi disputada neste domingo (11) no Estádio Mané Garrincha, em Brasília (DF).

E teve de tudo: golaços, defesaças, bola em cima da linha, polêmicas com a arbitragem de Leandro Vuaden, expulsão de Abel Ferreira...

... e muito brilho dos dois goleiros nas cobranças. Mas, no fim, Diego Alves saiu-se melhor ao pegar três, as de Luan, Gabriel Menino e Mayke, enquanto Weverton pegou duas, as de Matheusinho e Pepê. Filipe Luis mandou no travessão, do outro lado, Danilo acertou a trave e viu a bola ir para fora.

Rodrigo Caio bateu o pênalti, o nono, que definiu o título. Também converteram pelo Flamengo Arrascaeta, Vitinho, Gabigol, João Gomes e Michael; pelo Palmeiras, fizeram Raphael Veiga, Gustavo Gómez, Gustavo Scarpa, Viña e Gabriel Veron.

Antes, nos 90 minutos, coube a Raphael Veiga abrir o placar com um golaço após drible desconcertante no agora zagueiro Willian Arão (assista abaixo); Gabigol empatou após jogadaça de Filipe Luis pela esquerda que acabou com a bola na trave e depois sobrou limpa para o atacante, isto no primeiro tempo.

No segundo, Arrascaeta virou para o atual campeão do Campeonato Brasileiro, enquanto Raphael Veiga, de novo, mas agora de pênalti após puxão de Rodrigo Caio em Rony dentro da área, igualou novamente as coisas para o atual dono da taça da Copa do Brasil.

Com o título, o clube carioca conquista o bicampeonato da Supercopa do Brasil, após a taça levantada diante do Athletico-PR em 2020.

E começou eletrizante

No confronto das duas equipes que dominaram o futebol brasileiros nos últimos anos, o clima começou eletrizante.

Logo aos 2 minutos de partida, Felipe Melo ganhou pelo alto após chutão de Diego Alves e encontrou Raphael Veiga. Com um toque de calcanhar, o meia deslocou Arão num drible da vaga, girou e bateu na saída do goleiro do Flamengo. 1 a 0.

Com o placar adverso logo no começo, os cariocas passaram a pressionar. Mas só conseguiram levar mais perigo aos 17 minutos, quando Diego chutou forte e quase surpreendeu Weverton após desvio em Luan. No reflexo, o palmeirense fez a defesa.

No minuto seguinte, nova chance clara para o empate.

Bruno Henrique encontrou Isla com toque de calcanhar, tirando Gustavo Gómez do lance. O chileno tocou para Arrascaeta, que bateu livre, mas por cima do gol.

A pressão rubro-negra pelo empate fez efeito aos 23 minutos.

Após retomar a posse no ataque, a bola ficou para Filipe Luís. Após excelente jogada individual limpando a marcação de Gustavo Gomez, o lateral chutou forte, mas na trave. No rebote, Gabigol escorou para o fundo das redes de deixou tudo igual.

O Palmeiras ficou perto de marcar novamente logo em seguida.

Wesley encontrou Breno Lopes nas costas da defesa. O herói da Libertadores cortou Diego Alves e bateu com gol aberto, mas não contou com a recuperação de Diego, que apareceu no último momento para cortar o chute e evitar o segundo do Verdão.

O Palmeiras ainda ficou sem Abel Ferreira antes mesmo do fim do primeiro tempo após o português ser expulso por Leandro Vuaden por reclamação.

O clube paulista chegou a ter um pênalti marcado pela arbitragem após falta de Isla em Wesley aos 39 minutos. Após revisão do VAR, Vuaden voltou atrás e assinalou o lance livre fora da área.

Se a pressão do Palmeiras não deu resultado, a punição aconteceu já nos acréscimos da etapa inicial. Em jogada individual na ponta direita, Arrascaeta se livrou de Marcos Rocha, abriu e bateu seco, no contrapé de Weverton, virando placar.

Decisão é decisão

Precisando pressionar para tentar o empate, o Palmeiras começou o segundo tempo apostando em duas Crias da Academia: Danilo e Gabriel Menino, que entram após as saídas de Felipe Melo e Zé Rafael.

Conseguindo manter mais a posse de bola, o time paulista passou a levar perigo em jogadas aéreas. Primeiro com Gustavo Gómez e depois com Gabriel Veron, em duas cabeçadas que levaram perigo para Diego Alves.

A pressão alviverde fez efeito aos 28 minutos.

Após levar vantagem na velocidade, Rony acabou puxado por Rodrigo Caio, e o árbitro marcou o pênalti. Na cobrança, Raphael Veiga bateu forte no canto e venceu Diego Alves, marcando seu segundo na partida e deixando o placar novamente igual.

Escolhido por Ceni para ser mais uma opção ofensiva, Vitinho quase marcou o terceiro para o Flamengo aos 40 minutos, quando chutou forte de esquerda e acertou a trave de Weverton, que ficou a com a bola no rebote.

Aos 48 do segundo tempo, o grito de gol ficou preso na garganta do torcedor. Após bate-rebate e desvio de Arrascaeta, a bola ficou sobre a linha, mas não atravessou totalmente em direção ao gol.

Com a igualdade no placar, a decisão do campeão ficou para a disputa de pênaltis.

Com pênalti final de Rodrigo Caio, o Rubro-Negro fechou a série em 6 a 5 e ficou com a taça de campeão da Supercopa do Brasil.

E agora?

Após a decisão da Supercopa do Brasil, o Flamengo volta a campo já na quarta-feira (14), no clássico contra o Vasco, pela 9ª rodada da Taça Guanabara.

Já o Palmeiras terá outro título em jogo. No mesmo dia, o Verdão reencontra o time do Defensa y Justicia pela decisão da Recopa Sul-Americana, novamente tendo como palco do Estádio Mané Garrincha, em Brasília.

Ficha técnica

FLAMENGO 2 X 2 PALMEIRAS

GOLS: Gabriel (23') e De Arrascaeta (49') para o Flamengo; Raphael Veiga (2' e 74') para o Palmeiras

Flamengo: Diego Alves; Isla (Matheuzinho), William Arão, Rodrigo Caio e Filipe Luís; Diego (João Gomes), Gerson (Pepê) e Everton Ribeiro (Vitinho); Arrascaeta, Bruno Henrique (Michael) e Gabigol. Técnico: Rogério Ceni

Palmeiras: Weverton; Marcos Rocha (Mayke), Luan, Gustavo Gómez e Matias Viña; Felipe Melo (Danilo), Zé Rafael (Gabriel Menino) e Raphael Veiga; Breno Lopes, Wesley (Gabriel Veron) e Rony (Gustavo Scarpa). Técnico: Abel Ferreira