<
>

Libertadores: Always Ready, o time que você provavelmente não conhece, mas definitivamente não é um bom rival para o Inter

play
De Juan Arce a Boselli: Eles jogaram no Brasil e agora podem enfrentar o seu time na CONMEBOL Libertadores (1:39)

A lista do ESPN.com.br ainda conta com Jean, ex-goleiro do São Paulo, Andrés D'Alessandro, lenda do Internacional, e muito outros. Veja! (1:39)

Você talvez nunca tenha ouvido falar do Always Ready, da Bolívia, mas definitivamente não foi uma boa para o Internacional tê-lo como rival na fase de grupos da Conmebol Libertadores desta temporada.

O torneio tem se notabilizado nas últimas temporadas por ter algumas equipes um tanto quanto desconhecidas. E geralmente elas viram um “desejo” de qualquer torcedor brasileiro para ter na chave de seu clube, justamente por serem rivais sem tradição e teoricamente inferiores tecnicamente.

O Always Ready atende a esses quesitos, mas está bem longe de ser um adversário bom de se enfrentar.

E o motivo é simples: o time joga no Estádio Municipal de El Alto, nos arredores de La Paz, a incríveis 4.090 metros de altitude. É simplesmente um dos estádios mais altos do mundo – alguns o colocam na segunda posição da lista, atrás apenas do Daniel Alcides Carrión, em Cerro de Pasco, no Peru, e casa do Unión Minas a 4.378 acima do nível do mar.

A Libertadores, porém, nunca viu um estádio tão alto – afinal, o Unión Minas está bem longe de disputar um torneio continental.

Como base de comparação, o temido Hernando Siles, de Laz Paz, está a “apenas” 3.600m acima do nível do mar. É a casa oficial de Bolívar e The Strongest, onde os brasileiros costumam ter enormes dificuldades de jogar.

Na última Libertadores, o Binacional complicou a vida do São Paulo jogando no Guillermo Briceño, na cidade de Juliaca (Peru), a 3.800m acima do nível do mar.

O Estádio Municipal de El Alto é tão alto que já acabou sendo palco de uma tragédia. Em maio de 2019, o árbitro Víctor Hugo Hurtado não resistiu a um mal súbito sofrido no duelo entre Always Ready x Oriente Petrolero e acabou morrendo. Não houve nenhum tipo de comprovação que a morte estivesse relacionada ao ar extremamente rarefeito, mas o caso chegou a reacender a discussão sobre jogar em altitudes tão elevadas.

Para não contar só com a altitude

Mas se a altitude faz tanto diferença, por que o Always Ready nunca disputa a Libertadores?

Há dois caminhos para responder a essa pergunta. Um deles é relacionado ao Estádio Municipal de El Alto, que só foi inaugurado em 2017 e só passou a ser a casa da equipe no ano seguinte, quando o Always Ready voltou à primeira divisão boliviana.

Mas o ponto mais importante se deve à reconstrução do clube, que passou pelo aporte financeiro de Fernando Costa Sarmiento, dono de uma universidade privada e torcedor da equipe. Ele fez a equipe ressurgir das cinzas e deixou a administração para o filho. Agora, é presidente da Federação Boliviana de Futebol.

Com dinheiro e casa nova, a equipe se aproveitou para montar um time forte dentro do país e contratar jogadores com ampla passagem pela seleção boliviana, como o goleiro Carlos Lampe, o volante Fernando Saucedo, o meia Samuel Galindo e o atacante Rodrigo Ramallo. Uma das últimas contratações foi a de Juan Arce, com passagem pelo Corinthians.

O elenco conta com três brasileiros: o lateral Everton Sena e os atacantes Vander e Mascote. O time chegou a contratar o centroavante Júnior Viçosa, mas ele nem estrou e deixou o clube para defender o Brasil de Pelotas.

Há ainda outros 7 estrangeiros: os defensores Harold Cummings (que joga pela seleção do Panamá), Darwin Carrero (Colômbia) e Marc Enoumba (Camarões – prestes a se naturalizar boliviano), os meio-campistas Javier Sanguinetti (Argentina) e Robert Henández (Venezuela) e os atacantes John Mosquera (Colômbia) e Marcos Ovejero (Argentina).

Leão de altitude?

Mas a estratégia de montar um time forte também longe de El Alto parece não ter funcionado tão bem assim. Em fevereiro, o Always Ready fez uma série de amistosos no interior paulista. Até ganhou do Santos B, mas perdeu para Portuguesa, Audax e Atibaia e só empatou com Inter de Limeira e Palmeiras sub-20.

Outros times de altitude

Por enquanto, a Libertadores só tem três times de altitude garantidos na fase de grupos:

  • LDU (EQU) – 2.850m de altitude – caiu no grupo do Flamengo

  • The Strongest (BOL) – 3.640m de altitude – caiu no grupo que pode ser o do Santos

  • Always Ready (BOL) – 4.090m de altitude – caiu no grupo do Internacional

Há ainda outros dois times que podem vir da fase prévia:

  • Independiente del Valle (EQU) - 2.850m de altitude e rival do Grêmio - pode cair no grupo do Palmeiras

  • Bolívar (BOL) – 3.640m de altitude e rival do Junior Barranquilla (COL) - pode cair no grupo do Fluminense

* Notícia atualizada às 14h desta sexta-feira, após o sorteio da fase de grupos