<
>

Ex-Flamengo e Corinthians, Roger Guerreiro vira 'rei da várzea' em São Paulo e diz: 'Paga em dia'

Desde que pendurou as chuteiras, Roger Guerreiro virou uma das figuras mais conhecidas no futebol de várzea na Grande São Paulo. O jogador que teve passagens por Corinthians, Flamengo e seleção da Polônia tem atuado por diversos times e disputado os principais torneios amadores da região.

“Comecei no Nacional da Vila Vivaldi, em São Bernardo do Campo, e já passei por várias equipes. A gente que gosta de futebol é unir o útil ao agradável. Treino por conta para manter o condicionamento físico e correr nos jogos”, explicou ao ESPN.com.br.

Além da vantagem de não precisar encarar a rotina de treinos pesados, concentrações e viagens, Roger evita outros problemas.

“A várzea paga em dia, não atrasa. Não tem a preocupação do futebol profissional de quando você trabalha o mês todo e chega ao final o mês vem um diretor com a desculpa de que não tem dinheiro. Claro que a gente não joga só por dinheiro, mas é um trabalho como outro qualquer e temos as nossas obrigações e contas”, analisou.

Os problemas financeiros dos clubes brasileiros aceleraram a aposentadoria do ex-lateral aos 35 anos, em 2017.

“Eu falo que o futebol que me parou. Se dependesse só de mim eu estaria jogando até hoje. Eu tomei muito calote no mundo da bola. Foram 14 clubes que joguei e só recebi em dia em quatro deles. Em alguns recebi com atraso e em outros nem recebi. Chegou uma hora que comecei a ficar cansado e desanimado com essa situação. Eu me casei, tenho dois filhos e preciso trabalhar para colocar comida dentro de casa”, contou.

Logo que parou de jogar, Roger ficou um tempo sem saber o que iria fazer. Por indicação de um amigo, ele trabalhou por três meses no tempo livre como motorista de aplicativos como o Uber.

“Não queria ficar parado. Muitos passageiros me reconheciam. Era um trabalho como qualquer outro”, afirmou.

Paralelamente ao serviço no carro, Roger montou o GST (Guerreiro Soccer Training), um centro de treinamento para crianças e adultos voltado para o futebol e o condicionamento físico.

“Assim que o projeto ficou pronto eu parei de trabalhar com aplicativo porque não tinha mais tempo. Agora, estou com meu projeto e jogando na várzea. Estamos esperando a pandemia passar para retomar os torneios”, contou.

Xodó no Famengo

Roger começou nas categorias de base do São Caetano antes de chegar ao Corinthians, em 2003.

“Realizei meu sonho de jogar no Corinthians porque era corintiano desde a infância. Minha passagem teve coisas boas e ruins”, admitiu.

Depois de vencer o Paulista e ser eliminado na Libertadores, ele foi para o Flamengo no começo do ano seguinte a convite de Júnior, diretor do clube carioca.

“Os diretores do Corinthians não queriam me liberar porque eu não tinha aceitado ir para clubes menores, mas o Andrés Sanches bancou meu empréstimo”.

Na Gávea, ele foi um dos principais destaques da equipe que foi campeã carioca e vice da Copa do Brasil. Além disso, marcou seu nome como um carrasco do Fluminense nos clássicos.

“Tenho carinho especial pelo Flamengo por tudo que vivi por lá durante um ano. Ano passado recebi uma homenagem no Maracanã. É muito gratificante saber que marquei um pouco da história por lá”.

Em 2005, Roger voltou ao Corinthians e ficou seis meses emprestado ao Celta, que estava na segunda divisão espanhola e conseguiu o acesso para LaLiga. Depois, o jogador passou pelo Juventude antes de ir para o Legia Varsóvia-POL.

Com o sucesso na Europa, ele foi convocado para a Polônia e disputou a Eurocopa 2008. O brasileiro entrou para a história ao marcar o primeiro gol da história da equipe na competição.

“Foi algo bem marcante! Outro momento especial foi a minha estreia contra a Alemanha, que tinha jogadores que só tinha visto pela televisão”, contou Roger, que ainda disputou as eliminatórias da Copa do Mundo de 2010 pela Polônia.

Na temporada 2009/2010, ele foi para o AEK, da Grécia, no qual ficou por quatro anos. Depois, jogou por Guarantinguetá-SP, Comercial-SP, Rio Branco-PR, Aris Limassol (Chipre), Vila Nova-MG, Hercílio Luz-SC e Rio Verde-GO.