<
>

Réver conta como ficou sabendo de negócio do Atlético-MG com Thiago Neves e pede mais 'bom senso'

play
Réver reitera perfil 'provocador' de Thiago Neves e compara com Léo Silva e Rafael: 'Uma pena que tem muitos que gostam de fazer esse tipo de coisa' (1:55)

Zagueiro do Atlético-MG concedeu entrevista exclusiva a Mariana Spinelli, dos canais ESPN (1:55)

A noite de segunda-feira (14) foi caótica para o torcedor do Atlético-MG: em um espaço de menos de duas horas, Thiago Neves esteve próximo de vestir a camisa alvinegra, em um pedido de contratação de Jorge Sampaoli, e teve a negociação cancelada por causa da reação negativa da torcida em redes sociais.

Em passagem pelo Cruzeiro, ele foi um dos “vilões” da queda celeste para a Série B. Mas, antes do divórcio com a Raposa, Thiago Neves provocou diversas vezes o rival Atlético-MG.

Em entrevista exclusiva à ESPN, o capitão do clube alvinegro Réver contou como recebeu a notícia do interesse no meia e sua opinião sobre a contratação - que não irá mais acontecer, como já confirmou o diretor de futebol Alexandre Mattos.

"Fiquei sabendo por vocês da imprensa, como de praxe, a gente acaba sendo os últimos a saber das coisas. A gente não define nada, muitas pessoas mandando mensagem, questionando, cobrando... Mas o futebol não é dessa maneira, o jogador tem que cumprir seus horários, desempenhar o trabalho dentro de campo, e quem tem que resolver isso são os diretores, no caso o Alexandre, presidente, treinador...”, afirmou o zagueiro.

O capitão atleticano, por outro lado, aproveitou para defender a rivalidade sadia entre torcidas.

play
2:21

Réver conta como recebeu notícia de Thiago Neves, defende 'menos picuinha' e afirma: 'Quem contrata é presidente e diretor, a gente fica de mãos atadas'

Zagueiro do Atlético-MG concedeu entrevista exclusiva a Mariana Spinelli, dos canais ESPN

BOM SENSO

Apesar de, como capitão, prezar por um vestiário unido e clima bom entre os atletas, Réver também comentou que é preciso conhecer quem pode ser contratado. Histórico, bagagem e rivalidade: tudo isso tem que entrar na conta na hora de uma negociação, segundo ele.

"A partir do momento que você procura uma contratação, você tem que também ter esse discernimento do que aconteceu, ainda mais se tratando de rivalidade, para que não aconteça algo que nós prezamos tanto, que é a não violência no futebol. Então assim, até que ponto você vai conseguir segurar algo que poderia acontecer? Acredito que nós também temos que ter um pouquinho de bom senso nisso, buscar ter conhecimento das informações.”

Na história, onze jogadores já deixaram o Cruzeiro para vestir a camisa do Atlético. Mussula (1958), Procópio Cardozo (1962), Nelinho (1982), Paulo Roberto Costa (1996), Valdir Toddynho (1999), Marcelo Djian (2002), Alessandro Cambalhota (2003), Alessandro Nunes (2009), Fernandinho (2010), Leonardo Silva (2011) e nesta temporada, o goleiro Rafael.

“Eu acredito que vai muito de perfil, né. O Thiago sempre foi um cara que gosta, é o perfil do Thiago. Já comparando com Léo Silva, Rafael, como outros jogadores do Atlético que foram para o Cruzeiro e não teve problema nenhum. Acredito que a postura que nós temos que ter é muito cuidadosa, porque a gente não sabe o dia de amanhã.”

play
1:39

Réver fala em 'bom senso' e 'discernimento' em negócio com Thiago Neves e cita rivalidade entre Atlético-MG e Cruzeiro

Zagueiro do time mineiro concedeu entrevista exclusiva a Mariana Spinelli, dos canais ESPN

“Como que eu falo 'ah, amanhã não vou jogar em tal lugar'? Infelizmente o futebol não permite isso. Se tem alguém que precisa fazer zoação são os torcedores, eles sim têm esse direito. Agora, nós, como profissionais, atletas profissionais, como que a gente vai ficar fazendo esse tipo de coisa? É muito legal, você0 pega moral com a torcida, mas e o dia de amanhã? Tu faz dois jogos mal, e a torcida vai lembrar que você ficou dando risada? Não vai.”

“É uma pena que a gente ainda tem muitos jogadores que gostam de fazer esse tipo de coisa. Eu, particularmente, respeito, não acho tão correto algumas coisas. Gosto de fazer as minhas brincadeiras, mas tudo tem o seu limite, isso vai muito de perfil pra perfil.”