<
>

'O tamanho do coice depende do burro': Português volta com bastidores quentes no Porto

Em meio ao retorno do Campeonato Português, que irá ocorrer nesta quarta-feira, o Porto vive também clima de eleições. Aliás, os bastidores estão quentes a respeito do assunto.

Em entrevista à emissora portuguesa RTP3, o treinador Manuel José, com passagem por Benfica, Sporting, seleção de Angola, entre outros times, fez críticas a Fernando Gomes, o Bibota, que faz parte da chapa do atual presidente do Porto, Pinto da Costa, nas eleições do clube. Gomes, que passou a maior parte da carreira de atleta no Porto, assumiria a base do clube.

“Este senhor ao fim de 23 anos voltou ao Porto por necessidade. E fazer um discurso destes… Digo ao Fernando, se estiver me vendo e ouvindo, a palavra dignidade desapareceu do seu dicionário. Quando olha ao espelho, não tem vergonha de se ver no espelho? Não tem vergonha do que diz?”, declarou o técnico de 74 anos.

"Andou 20 anos falando mal do presidente do Porto e agora faz estes elogios todos. Fica para a história e fico por aqui, porque há um monte de coisas para dizer relativamente a isto.”

A resposta de Pinto da Costa veio por meio do site oficial de sua candidatura para as eleições, que estão marcadas para o fim de semana.

"Em 38 anos como presidente do Porto tive de tomar milhares de decisões. Umas vezes acertei, outras errei. Mas houve um erro que nunca cometi: nunca contratei Manuel José para treinador. Já nem me lembraria da existência de tão triste figura, que entre várias outras proezas conseguiu passar seis temporadas no Sporting e no Benfica sem conquistar qualquer título, se não me tivessem mostrado os insultos que ontem dirigiu ao nosso Bibota, Fernando Gomes."

Manuel José voltou a se manifestar nesta terça-feira em entrevista ao jornal A Bola. Ele destacou seus títulos, como, por exemplo, as quatro Champions League da África que conseguiu com o Al-Ahly, do Egito.

“Tudo o que tenho - e não preciso do dinheiro da televisão para nada - é o resultado da minha competência, da seriedade, da honestidade e da independência moral. O Costa não argumenta, agride. Não opina, sentencia. Não confronta, insulta. Não esclarece, obscurece. Fala com acidez e arrogância, com intolerância e sectarismos extremos, não digo mais. Por opção, sanidade mental e por educação. Muito mais coisas poderia referir. Antes de terminar, quero dizer que não retiro uma única vírgula àquilo que disse em relação ao Fernando Gomes. Não recebo lições de moral, muito menos vindas de quem vem. E, agora sim, para finalizar, dizer que a importância do coice é conforme o burro que o dá. E o burro não tem importância alguma”, declarou.