<
>

Ex-Atlético-MG já arrumou até casa para Jurgen Klopp morar e revela 'segredos' da tática do técnico: 'Arroz com feijão da Europa'

Um dos maiores ídolos da história do Borussia Dortmund Dedê viu de perto a ascensão do técnico Jurgen Klopp, hoje no Liverpool. O brasileiro trabalhou por três temporadas com o treinador alemão no clube aurinegro.

“Eu o ajudei a arrumar uma casa aqui na Alemanha. Ele era meu vizinho e do Tinga, morávamos na mesma rua. Tenho um relacionamento e uma amizade muito boa”, contou o ex-lateral, ao ESPN.com.br.

Uma vez, porém, Klopp ficou irritado com o brasileiro.

“A gente pegava muito trânsito para ir ao Centro de Treinamentos e eu fui tentar ensinar um caminho novo. Ele foi seguindo meu carro, mas eu me perdi e nos atrasamos para o treino. O pior é que eu conhecia bem o trajeto, mas não sei o que aconteceu naquele dia”, recordou.

“Os jogadores sempre ficavam esperando para ver quem chegaria atrasado, mas quem atrasou naquele dia foi o treinador. Foi um minuto ou dois, mas tivemos que pagar multa. Eles zoaram muito e ele ficou puto (risos)”, contou.

Klopp chegou ao Dortmund depois de ter conseguido fazer o Mainz subir para a Bundesliga. O técnico levou algumas temporadas até conseguir fazer sucesso na equipe aurinegra.

“É um cara que em termos de jogar futebol não faz tanta diferença como o Guardiola fez. São trabalhos diferentes. Eu nunca vi outro time igual ao Barcelona do Guardiola, chegou a ficar chato. Aquela posse de bola contra qualquer time, foi algo anormal. Jogaram com um zagueiro, sem centroavante...”, analisou

“O sistema de jogo do Klopp é um arroz com feijão básico na Europa, em que todo mundo tem que marcar. O ponta pega o lateral e o centroavante marca a saída de bola. A diferença é que ele sabe mostrar aos jogadores que ele precisam fazer isso para o time ser campeão. Ele é motivador”, explicou.

Atualmente, Klopp comanda Alisson, Fabinho e Firmino no Liverpool. Segundo Dedê, o gosto do treinador por brasileiros não é algo novo.

“Ele gosta muito dos brasileiros. Uns se dão bem, outros não, o que é normal. Mas ele gosta muito do nosso futebol, que tem um jeito criativo de improvisar em um espaço pequeno”.

O ex-lateral do Atlético-MG revela que o sujeito simpático nas entrevistas também saber ser duro quando é necessário.

“É um cara alegre e no dia a dia não tem amizade, não tem nada. Ele cobra de quem tiver que cobrar e fala o que precisa falar. Isso eu acho muito legal nele. O Klopp sabe tirar tudo aquilo que o jogador tem e até o que o cara acha que não tem”, elogiou.

Dedê acredita que Klopp repetiu na Inglaterra a mesma receita que deu certo na Alemanha.

“O Dortmund corria igual a um cavalo para ser campeão na Alemanha. No Liverpool é a mesma coisa, está sendo reconhecido e merece”, finalizou.