<
>

Ministério Público da Espanha pede 6 meses de prisão para Diego Costa por fraude fiscal de imposto em quase R$ 6 milhões

play
LaLiga 'de graça' e prazo para retorno do torneio: André Linares traz as novidades da Espanha (1:03)

Correspondente dos canais ESPN falou sobre o possível reinício da competição (1:03)

O Ministério Público da Espanha pediu uma sentença de seis meses de prisão para o atacante Diego Costa, do Atlético de Madrid, por fraude fiscal de imposto de 1 milhão de euros (algo em torno de R$ 5,9 milhões). A informação é do site da rádio “Cadena SER” desta sexta-feira (29).

De acordo com a publicação, os valores se referem aos direitos de imagem recebidos quando jogava pelo Chelsea. Ele deixou o clube londrino em 2017, quando voltou a morar na Espanha para defender o Atlético.

De acordo com o promotor, assim como em outros casos de jogadores levados à Justiça por fraude fiscal, o brasileiro naturalizado espanhol usou empresas de fachada nas Ilhas Virgens Britânicas ou na Irlanda para gerenciar seus direitos de imagem e contratos.

Diego Costa deixou de pagar 1.014.416,76 de euros (R$ 5,9 milhões) de imposto de renda pessoal em sua declaração referente ao exercício de 2014 “motivado pela intenção de obter um benefício fiscal ilícito”, disse o relatório do promotor. O julgamento está marcado para 4 de junho.

Apesar do pedido de prisão, casos assim dificilmente terminam em detenção. O mais comum é o acusado receber um prazo para quitar as pendências e ser multado. Apenas quando não há o pagamento é que a prisão acaba sendo colocada em prática.

Inclusive, o Ministério Público afirmou que o jogador já reconheceu a pendência com o fisco espanhol, fez o pagamento e recebeu uma multa de 500 mil euros (R$ 2,9 milhões). Mesmo assim, o julgamento acontecerá.

Diego Costa está na terceira temporada pelo Atlético de Madrid, clube que já defendeu no passado, entre 2007 e 2014, quando se naturalizou espanhol e até jogou pela Roja.