<
>

'Aguero tem estilo de Romário, é humilde e amigo de brasileiros', diz Paulo Assunção

play
'Uma história maravilhosa': relembre o histórico 'gol do milagre' de Aguero (2:15)

No dia 13 de maio de 2012, argentino marcou aos 48 minutos do segundo tempo o gol da vitória por 3 a 2 sobre o Queens Park Rangers, garantindo o título do Campeonato Inglês daquela temporada e o fim de um jejum de 44 anos. (2:15)

Um dos maiores jogadores da história do Manchester City, Sergio Aguero completa 32 anos nesta terça-feira. Mas, afinal, como é o atacante argentino como pessoa? Para responder a essa pergunta, consultamos um brasileiro que foi seu ex-companheiro e o conhece bem!

Revelado em 2003 pelo Independiente-ARG, ele estreou entre os profissionais com apenas 15 anos, um mês e quatro dias, sendo o mais jovem a atuar em uma partida do Campeonato Argentino. No ano seguinte, fez seu primeiro gol no duelo contra o Estudiantes.

Com o destaque, o jovem era presença constante nas seleções de base da Argentina e foi eleito o melhor jogador da Liga de 2005 e foi vendido por 20 milhões de euros ao Atlético de Madrid antes mesmo de completar 18 anos.

Na equipe espanhola, o atacante fez apenas sete gols na primeira temporada. Na segunda, porém, brilhou ao formar dupla de ataque com Diego Forlán. Com apenas 19 anos, o argentino balançou as redes 30 vezes.

"Quando eu cheguei, ele era bem novo, mas tinha tanta experiência que parecia ser um adulto já. Pensa em um jogador rápido, habilidoso e que já tinha pressão em cima para resolver os jogos? Era a vida dele antes dos 20 anos! É um dos melhores do mundo", disse Paulo Assunção, ex-volante do Atlético de Madrid, ao ESPN.com.br.

Quando surgiu no Independiente, Agüero foi comparado a Diego Maradona, mas para o ex-jogador de Palmeiras e São Paulo o estilo de jogo do argentino é mais semelhante ao de um outro baixinho.

"Quando ele está dentro da área, ele lembra mesmo o Romário. É um jogador muito inteligente e que define bem demais. Quando está na frente é difícil falhar. No um contra um sempre encara, vai para cima e não tem medo de nenhum defensor por mais forte que seja. Ele ficava mais solto em campo", afirmou.

Nos anos em que jogou no Atlético de Madrid, Paulo Assunção viu o atacante ser decisivo.

"Aqui ele tinha um moral grande. A gente sabe para quem passar a bola e que iria resolver as partidas para a gente. Eu sabia que se desse um bom passe para ele, iria sair um gol ou uma boa jogada. Ele é diferenciado como o Neymar", relatou.

"Ele resolveu muitos jogos para gente, mas teve um jogo contra o Barcelona que ele jogou demais! Fizemos 4 a 2 neles, e o Agüero fez de tudo. Resolveu a partida para a gente."

Juntos, eles foram campeões da Liga Europa em 2010, ao derrotarem o Fulham na final por 2 a 1, em Hamburgo, na Alemanha. No começo da temporada seguinte, ele venceram a Supercopa da Uefa sobre a Inter de Milão.

Apesar de Agüero ter o estilo dentro de campo comparado ao de Romário, fora de das quatro linhas a história é um pouco diferente. De acordo com Paulo Assunção, o craque era avesso às polêmicas.

play
2:15

'Uma história maravilhosa': relembre o histórico 'gol do milagre' de Aguero

No dia 13 de maio de 2012, argentino marcou aos 48 minutos do segundo tempo o gol da vitória por 3 a 2 sobre o Queens Park Rangers, garantindo o título do Campeonato Inglês daquela temporada e o fim de um jejum de 44 anos.

"Ele é exemplar, boa gente e humilde. Apesar da idade, ele era casado naquela época com a filha do Maradona e era bem tranquilo. Uma das melhores pessoas que já conheci na carreira", elogiou.

Mesmo com a famosa rivalidade entre as seleções do Brasil e da Argentina, Agüero gostava de ter os sul-americanos por perto.

"Uma vez fui na casa dele logo que nasceu o Benjamin, o filho dele. Ele me convidou e estava o Maradona, que era sogro dele, e foi bem legal porque ficamos conversando. Ele curte muito os brasileiros e está cantando o tempo todo músicas argentinas. Quando tinha algum aniversário, ele nos convidava para irmos na casa dele", recordou.

Agüero e Paulo Assunção jogaram juntos até 2011, quando o argentino se transferiu para o Manchester City. Desde então, Kun virou o maior artilheiro da história do time inglês ao marcar 254 gols em 362 jogos.

* A reportagem original foi publicada no dia 16 de abril de 2019