<
>

Craque, revelação, técnico, golaço e decepção: sem bola, jornal inglês se adianta e escolhe destaques da Premier League

play
Premier League discute redução salarial por quarentena do coronavírus: Natalie traz principais notícias da Inglaterra (1:09)

Na segunda divisão, o Birmingham já propõe corte de 50% nos vencimentos dos jogadores (1:09)

Com os campeonatos paralisados por conta da pandemia do coronavírus, o jornal inglês The Guardian se antecipou e escolheu os destaques desta temporada da Premier League até agora.

Como melhor jogador do campeonato, o eleito foi Sadio Mané, do Liverpool, por conta de sua "suprema eficiência". O senegalês é capaz de fazer "coisas simples como correr para um passe longo de Van Dijk", mas também é capaz de "produzir lances sobrenaturais, como sua cabeçada para o gol da vitória contra o Aston Villa".

Apesar de citar o capitão do time Jordan Henderson, que também vive ótima temporada, o jornal destaca Mané por conseguir usar sua habilidade com "tamanha eficácia" de forma rara.

Como melhor jogador jovem, o destaque da temporada ficou para Adama Traoré, do Wolverhampton, que impressionou os ingleses com sua força e velocidade aos 24 anos.

"Está sendo um prazer assistir sua melhora", afirmou o jornal. O jogador, que antes era alvo de críticas por seus cruzamentos, agora é uma "tormenta aos adversários".

Na sequência, Kevin De Bruyne assumiu o posto de melhor gol da temporada com o feito diante do Newcastle, em novembro. O golaço com um chute de fora da área do belga garantiu o empate por 2 a 2 fora de casa.

E apesar da campanha histórica comandada por Jurgen Klopp, o treinador considerado como o melhor da temporada é Chris Wilder, do Sheffield. Isso porque a campanha espetacular do alemão no comando do Liverpool "não é surpresa", mas levar um time que era considerado candidato ao rebaixamento para o meio da briga pelos campeonatos europeus "está ensinando uma lição a todos que os diminuíram no começo da temporada", por isso Wilder leva o título.

E em um capeonato com times bilionários, a melhor contratação também tem surpresa: Danny Ings, do Southampton. A justificativa do jornal é que Bruno Fernandes, do Manchester United, jogou apenas cinco jogos, apesar do ótimo desempenho.

Outros nomes como Saint-Maximin, do Newcastle, e Raúl Jiménez, do Wolverhampton, poderiam disputar o título de melhor contratação, porém o inglês chegou desacreditado após muitas lesões em 2018 e o time pagou aproximadamente 20 milhões de euros para contratá-lo. Apesar das dificuldades, o valor se provou baixo enquando o atacante se mostrou completamente totalmente eficiente e marcou 43% dos gols do time na liga, "orquesrando o ataque".

E o Wolverhampton virou figurinha carimbada da temporada, ganhando também o título de melhor partida. Na vitória por 3 a 2 contra o Manchester City em uma atuação ótima de Traoré, os Wolves conseguiram a vitória aos 90 minutos de jogo com Matt Doherty e colocaram fim à corrida pelo título do City.

Porém, nem tudo são flores. E a maior decepção? O Tottenham.

Finalista da última edição da Champions League, os Spurs começaram a temporada com um novo estádio e um dos melhores treinadores do mercado. Pouco menos de um ano depois, brigam para conseguir uma vaga nos campeonatos europeus, demitiram Pochettino e, sem Harry Kane e Son, lesionados, veem José Mourinho "quebrando a cabeça" para encontrar um modo de jogar.