<
>

Brasileiro que trabalhava para ex-Grêmio e seleção pode pegar 20 anos de prisão na Rússia

Há quase um ano, o brasileiro Robson Oliveira está preso na Rússia e vive um verdadeiro pesadelo.

Ao lado da companheira, Simone Barros, que era cozinheira da família do volante Fernando, ex-Spartak Moscou, ele decidiu se aventurar, atraído pela proposta de emprego como motorista do atleta, que renderia um salário de R$ 6 mil.

Porém, o “sonho” se arruinou no dia 18 de março, quando Robson foi preso por portar duas caixas do remédio Mytedom 10mg (cloridrato de metadona), que é utilizado para conter dores fortes.

A história foi revelada em reportagem da TV Globo e do GloboEsporte.com levada ao ar em setembro do ano passado.

A substância é considerada entorpecente e não é permitida em território russo. O medicamento em questão estava na mala do brasileiro, que levou para a Rússia a pedido da família do jogador. Mesmo sem der o “dono” do medicamento, Robson foi detido e corre o risco de ficar preso por 20 anos.

Por sua vez, logo na sequência, Fernando acertou sua ida para o Beijing Guoan, da China.

Em entrevista feita pelo jornalista da ESPN Brasil Mauro Cezar Pereira, que está publicada na íntegra em seu blog no “Uol”, o advogado Olímpio Soares, responsável por defender Robson, atualizou as informações sobre o caso.

"A situação do Robson é bem complexa, tendo em vista que nenhum dos integrantes da família do Fernando se dispôs a ir até Moscou para depor a favor dele, contando a verdade e como ele foi parar naquela situação para a juíza do caso. Vale ressaltar que foi pedido ao juízo que eles se manifestassem através de videoconferência, a juíza negou mas aceitou ouvi-los em sede do tribunal. Logicamente eles não iriam, tendo receio pela liberdade deles."

Soares diz também que já "deu a ideia" de todos, incluindo Fernando, darem uma declaração em um cartório no Brasil.

"Traduziria essas declarações através de um tradutor juramentado e apostilaria essas declarações, que então teriam valor jurídico na Rússia. Eles se negaram a princípio, falaram que só se manifestariam se recebessem uma intimação da Justiça russa. Acredito que eles têm que tirá-lo de lá, têm a obrigação de fazer com ou sem pedido da Justiça russa."

Soares também explicou como é o posicionamento do ex-jogador do Grêmio e sua família: "Não mantêm contato, falo somente com o advogado deles aqui no Brasil. Eles estão custeando minhas viagens para Moscou para que eu possa acompanhar in loco o processo e passar para a família".

Confira, na íntegra, as demais respostas do advogado Olímpio Soares aos questionamentos de Mauro Cezar:

O que é preciso para que ele possa ser libertado?

Para ele ser libertado, é necessário que o verdadeiro dono dos remédios se apresente e assuma a medicação, mas não fariam isso porque nesse caso o sogro do jogador poderia ficar no lugar do Robson.

O Robson corre risco de ser condenado? Como e por quanto tempo?

O Robson corre o risco de ser condenado por dois crimes, contrabando de substância estupefaciente e tentativa de tráfico de substância estupefaciente. Ele pode pegar 20 anos de prisão.

E a diplomacia, com deputados e outros que foram até a Rússia, deu algum resultado?

Vinha mantendo contato com o deputado Marcelo Freixo, se mostrou muito empenhado, mas disse que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, não tinha enviado um documento formal à embaixada Russa. Cobrei o Freixo esses dias, e ele ficou de me retornar, mas até agora nada.

Tem falado com o Robson?

Falo com o Robson nas audiências em Moscou, na frente da juíza, guardas e diplomatas da embaixada. O Robson está muito preocupado com a situação do processo mas disse estar sendo bem tratado na prisão.

O que pode ser feito para ajudá-lo?

Para ajudá-lo, seria necessário uma declaração no processo de todos da família e principalmente do Fernando, que é a figura pública e tem bastante influência em Moscou, tendo em vista que jogou por três anos no clube do governo, o Spartak Moscou.