<
>

Tetê dá caneta, brilha na Champions contra City de Guardiola, mas Shakhtar avisa: só vende por R$ 235 milhões

play
Renato Gaúcho, sobre ida de Tetê ao Shakhtar: 'Apoiei a venda' (1:32)

Grêmio negociou 45% dos direitos do atacante de 19 anos por 10 milhões de euros (1:32)

Já eram 47 minutos do segundo tempo quando o brasileiro Tetê recebeu próximo à linha de fundo e, marcado por dois, saiu com uma caneta em Bernardo Silva, um dos astros do estrelado Manchester City de Pep Guardiola.

Para o jovem ex-Grêmio e atualmente no Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, foi o momento mais marcante de uma tarde para guardar na memória: acabou eleito o melhor jogador em campo em uma partida de Champions League.

“Agradecer a oportunidade de ser o melhor do jogo, a confiança do treinador e da comissão técnica. Fico muito feliz, porque tinham craques em campo, como o De Bruyne”, disse Tetê, em entrevista ao ESPN.com.br.

“Estava apertado e tive que usar o recurso. Vi o Bernardo Silva vindo e dei a caneta nele. Entrou correndo, e fui feliz”, relembrou sobre o lance no fim do empate em 1 a 1 entre Shakhtar e City em Manchester.

No Brasil, muitos talvez sequer conheciam o atacante. Vendido no início de 2019, ele sequer estreou no Grêmio. Na Ucrânia, porém, tem chamado atenção: além do jogo contra o City, são 23 partidas, com oito gols – um deles na Champions.

A imprensa italiana já noticiou interesses de Roma e Milan em Tetê, sondagem confirmada por seu empresário, Pablo Bueno, que disse, inclusive, ter proposta concreta dos rossoneros. “A sondagem chegou faz tempo, e agora eles vieram com uma proposta para o Shakhtar. O Milan já tinha ido atrás do Tetê.”

O problema, para qualquer grande europeu interessado, é o valor exigido pelo Shakhtar, conhecido pelo jogo duro em negociações, para topar vender: 50 milhões de euros (R$ 235 milhões na cotação atual). “Menos de 50 não vende”, garantiu o agente. “Aqui ele é muito valorizado, o presidente gosta dele.”

Por Tetê, os ucranianos pagaram 15 milhões de euros, sendo que 10 milhões ou R$ 42 milhões ficaram com o Grêmio. O clube brasileiro, aliás, fica bastante atento aos passos do jovem de 19 anos, já que tem direito a 15% de uma eventual venda – além de 3% via mecanismo de solidariedade da Fifa.