<
>

Ele já limpou carpetes de Fábio Assunção e dono das 'Lojas Americanas'; hoje é destaque do Ceará no Brasileiro

Destaque da vitória do Ceará sobre o Internacional, Samuel Xavier entrou na seleção da 31ª rodada do Campeonato Brasileiro do 50º Prêmio ESPN Bola de Prata Sportingbet.

Antes de virar jogador, porém, lateral atuou em outro tipo de serviço. Nascido em São Paulo, ele trabalhou como limpador de carpetes, e se especializou em fazer serviços na casa de várias celebridades, como atores, atletas e empresários de sucesso.

"Eu trabalhava numa empresa de um amigo meu, chamado Gilberto, e íamos para as regiões mais nobres da cidade, como Jardins. Fiquei um ano trabalhando nisso e eu era bom de serviço. A gente ia bastante na casa dos famosos", contou ao ESPN.com.br, em 2017.

Nascido em família humilde, Xavier conta que muitas vezes se impressionava com o luxo das mansões e apartamentos das celebridades.

"Lembro que fomos na casa do Fábio Assunção [ator da TV Globo] e do Freddy Rincón [ex-jogador de Corinthians, Palmeiras, Santos e seleção colombiana]. Rapaz, mas já cheguei a entrar em alguns apartamentos que a sala era do tamanho de um campo de futebol, gigante mesmo (risos)", brinca.

"Eram cheios de enfeites feras, aquelas vasos dourados, parecia coisa de novela! Eu ficava bobo (risos)", gargalha.

Bem-humorado, Samuel Xavier diz que tem milhares de histórias engraçadas dos tempos de limpador de carpetes. Às vezes ele mal consegue conter as risadas ao lembrar episódios cômicos que viveu em meio ao luxo da capital paulista.

"Teve uma casa que eu fui que era gigantesca, tinha uma piscina com o nome da família no meio. Lembro que eles tinham um cachorro bonito, três carros e uns seguranças gigantes, mas os donos da casa nunca estavam, só víamos os funcionários", recorda.

"Daí veio esse cachorro grandão, lindo mesmo, passei a mão nele e comecei a brincar, ele era bonzinho. Nisso chega meu amigo Lucas correndo falar comigo, desesperado. 'Para de brincar com esse cachorro, cara!', ele gritou, e eu perguntei: 'Por que, ele morde?'. Aí ele, com aquela cara de assustado: 'Não, velho, o segurança me contou que o dono comprou o bicho na Suíça e pagou mais de US$ 20 mil' (risos)", sorri.

"Aí lógico que eu saí de perto na hora (risos). Pensei: 'Deixa eu sair fora, porque se acontece alguma coisa com esse cachorro eu vou ter que trabalhar de graça pelo resto da vida pra esse cara (risos)", diverte-se.

Xavier também teve problemas com outros tipos de animais.

"Teve uma resenha boa quando fomos fazer um serviço na casa de um dos donos das 'Lojas Americanas'. Eu nem lembro o que fiz, mas sei que dei um susto e quase matamos um tucano que ele tinha em casa (risos)", relembra.

Outro episódio que ele chora de rir ao contar foi o do dia em que levou um choque e acabou virando motivo de piada entre os outros funcionários da firma.

"Uma vez queimei uma máquina de limpar carpetes. A gente limpava uma escola americana no Morumbi, gigantesca e cheia de gringos. Fomos limpar a biblioteca e eu estava mexendo no líquido que a gente usa no balde, aí minha mão ficou toda molhada. Então o Gilberto falou: 'Samuel, liga a máquina lá na tomada e vamos começar'. Eu até dei uma enxugada, mas quando liguei na tomada ainda estava molhado e deu aquele estouro. Levei um p... choque e caí pra trás", lembra.

"Saiu uma fumaceira, um monte de faísca e queimei a máquina dos caras (risos). Ainda bem que não pegou no carpete, senão imagina o prejuízo. O trabalho acabou e tivemos que ir embora sem ganhar um centavo. Eu levei um susto, o choque foi muito forte, fiquei tremendo até. Aí quando olhei pra trás a rapaziada que me ajudava estava toda rindo de mim. São meus amigos, mas são traíras demais (risos)", brinca.

A vida de limpador de carpetes acabou quando ele foi aprovado em um teste no Paulista de Jundiaí, em 2007. Foi no clube do interior paulista que ele se profissionalizou, em 2009, ficando até 2011, quando foi para o Guarani, mudando depois para o São Caetano, em 2012.

Sua carreira deslanchou de vez quando ele se transferiu para o Ceará, em 2014. Ele ainda passou por Sport e Atlético-MG antes de retornar ao "Vozão".