<
>

Barcelona: Os cinco anos de Luis Suárez no Camp Nou

play
Abidal, olheiro e lenda do Barcelona, visita CT do São Paulo e Eduardo Affonso aponta três jogadores observados (1:41)

O ex-lateral é amigo de Daniel Alves e visitou o clube por seu convite e da diretoria (1:41)

Luis Suárez completou na última sexta-feira cinco anos de Barcelona.

Em 25 de outubro de 2014, o uruguaio estreou como jogador azul-grená logo em um El Clásico no Santiago Bernabéu e com derrota por 3 a 1 para o Real Madrid. Foi ali que começou uma carreira carregada de gols (184), títulos (13) e êxitos que lhe converteu em um dos melhores atacantes da história do clube... Com uma mancha que o acompanha há quatro anos: os 20 jogos que soma sem marcar como visitante na Champions League.

Em Praga, o camisa 9 não conseguiu acabar com uma seca tão alarmante quanto preocupante: aconteceu, outra vez, o mesmo que em Manchester em fevereiro, gerando um chute que acabou em gol desviado por um rival. Luke Shaw em Old Trafford e Olayinka na última quarta-feira na Eden Arena evitaram contabilizar a Suárez um gol que já lhe pesa como uma lona. A ele... e também a equipe.

Luis Suárez soma, nestes 20 jogos sem balançar as redes no Velho Continente, 64 chutes em 1.868 minutos de jogo. A gravidade para o coletivo se entende comprovando que nestas duas dezenas de partidas o Barça só foi capaz de ganhar oito e perdeu seis, quatro delas fatais contra Atlético de Madrid (2015-16), Juventus (2016-17), Roma (2017-18) e Liverpool (2018-19), sendo especialmente doloridas as duas últimas.

O médico e o monstro

A Europa, por onde marcou 15 gols em seus primeiros 19 jogos, tornou-se a grande encruzilhada do atacante charrúa, que nos seguintes 32 duelos só balançou as redes sete vezes e está em jejum fora do Camp Nou desde setembro de 2015, arrastando o Barça para um pesadelo que converte cada viagem pelo continente em um tipo de drama do qual não é capaz de absorver. Nem ele, pessoalmente, nem a equipe em conjunto.

Este sonho ruim que o atrapalha há quatro anos não evita que seus números como azul-graná sejam espetaculares... Até o ponto de convertê-lo no quarto maior artilheiro da história do clube, acumulando 184 gols em 257 jogos desde a noite de sua estreia no Bernabéu.

Somente Leo Messi (606 gols), César Rodríguez (232) e Ladislao Kubala (194) permanecem acima desta classificação histórica.

Suárez divide seus gols em 136 por LaLiga (é o 31º maior goleador do torneio, com um gol a menos que Griezmann), 22 na Champions, 19 na Copa do Rei, cinco no Mundial de Clubes, um na Supercopa da Europa e outro na Supercopa da Espanha. Todos eles lhe valeram proclamar-se Chuteira de Ouro em 2016 e acumular 13 troféus pelo Barça: 4 ligas, 4 Copas do Rei, 2 Supercopas da Espanha, 1 Champions, 1 Supercopa da Europa e 1 Mundial de Clubes.

Em primeiro plano, porém, ao chegar a cinco anos de sua estreia em un El Clásico, Luis Suárez tem o incômodo que o persegue na Europa, que atrapalha toda a equipe e que, com justiça ou sem sela, o colocaram na mira.