<
>

Em protesto por técnico, jogadores fazem 'greve de silêncio' e devem gerar multa na Champions

Os jogadores do Valencia estão em greve de silêncio como um sinal de protesto pela demissão do técnico Marcelino García Toral, na semana passada. A equipe irá estrear na Champions League na terça-feira contra o Chelsea.

O treinador venceu a Copa do Rei e garantiu uma vaga na Liga dos Campeões na última temporada, o que fez a decisão da diretoria não ser bem recebida pelos jogadores nem pelos torcedores.

O novo técnico do Valencia, Albert Celades, foi o único membro do clube a falar com a imprensa após a derrota por 5 a 2 para o Barcelona, ​​no sábado, com os jogadores boicotando a mídia, incluindo emissoras oficiais da TV LaLiga, no Camp Nou.

O Valencia confirmou na segunda-feira ao ESPN FC que apenas Celades falará na coletiva de imprensa antes da partida da Champions League no Stamford Bridge.

O clube, no entanto, não confirmou por que nenhum jogador participará.

As regras da Uefa declaram que "cada conferência de imprensa deve ser assistida pelo técnico da equipe e pelo menos um jogador".

O jornal Las Provincias, com sede em Valência, informa que o clube notificou os jogadores de que serão eles e não o clube a pagar as multas aplicadas pelo silêncio da mídia.

LaLiga multou os clubes com mil euros cada vez que alguém falha no cumprimento das entrevistas programadas.

O Valencia emitiu um comunicado após a derrota para o Barcelona, ​​que dizia: "Sofremos, mas precisamos unir aqueles que amam o Valencia CF. Sem brigas, sem distrações que apenas nos machucam. É o que existe. Precisamos fechar posições e defender o Valencia CF. Sem nunca olhar para trás. "

Jogadores do Valencia expressaram sua raiva pela demissão de Marcelino na semana passada nas redes sociais, com o zagueiro Ezequiel Garay, que afirmou claramente que a mudança do clube "não era justa", enquanto o capitão Dani Parejo sugeriu no Twitter que Marcelino não tinha permissão para "fazer seu trabalho" no Valencia.

Marcelino disse em uma entrevista coletiva de despedida na semana passada que estava "absolutamente certo" de que a conquista da Copa do Rei na última temporada provocou sua demissão.

Segundo Marcelino, que passou duas temporadas na equipe, o clube queria que o time se concentrasse em LaLiga e não na Copa.

O Valencia faturou a competição depois de vencer o Barcelona por 2 a 1, campeão da Liga, em Sevilha, em 26 de maio, enquanto terminou em quarto na La Liga.