<
>

CBF e clubes definem modelo de fair play financeiro para 2020; veja detalhes

As séries A e B do Campeonato Brasileiro deverão adotar um modelo de fair play financeiro já a partir de 2020. As regras foram definidas nesta semana após reuniões entre representantes da CBF, clubes brasileiros e da consultoria “Ernst & Young”, conforme anunciou a confederação.

Segundo o Diretor de Registro, Transferência e Licenciamento da CBF, Reynaldo Buzzoni, o fair play financeiro será implementado gradativamente ao longo dos próximos quatro anos no Brasil. Em 2020, a Série A já terá a aplicação dos primeiros itens, e a B terá fase de “orientação”.

Nas palavras de Buzzoni, o documento com as regras é “robusto” e tem três premissas principais, segundo antecipou o sócio da Ernst & Young Alexandre Rangel Dantas. São eles: gastar somente o que se arrecada, estar em dia com pagamentos no esporte e comprovar a origem do dinheiro.

No primeiro item, por exemplo, o fair play colocará limites para os déficits apresentados, se for o caso, por clubes no ano. Em 2018, por exemplo, entre as 13 equipes de maior faturamento no Brasil, sete fecharam no vermelho, ou seja, gastaram mais do que arrecadaram no exercício.

O maior déficit da última temporada foi do Santos, que teve resultado negativo de 77,3 milhões. No outro extremo, o mais alto superávit anunciado foi o do Vasco, R$ 64,9 milhões.

Já em relação a terceira premissa, Rangel diz que os clubes terão que “provar que o dinheiro vem de fontes ‘limpas’ e/ou que não há injeção artificial ou desproporcional de investimento mascarada”.

Segundo ele, o fair play financeiro também apresentará “controle de endividamento”, cobrará limites de “investimentos em aquisição de direitos federativos nunca exageradamente acima das vendas” e “dinheiro de fontes de receita vindas de controladores econômicos”.

Para clubes que estiverem em desacordo com as regras estabelecidas pelo modelo, o fair play financeiro poderá limitar o número de jogadores no elenco, proibir a compra de jogadores em janelas de transferência e até a exclusão de competições.

No encontro desta semana, além de Reynaldo Buzzoni e executivos da Ernst & Young, estiveram presentes também o Gerente de Licenciamento da CBF, Ênio Gualberto; o economista do Itaú BBA César Grafietti; e executivos de São Paulo, Flamengo, Palmeiras e Internacional representando os clubes.