<
>

Bruno Henrique vê oscilação como 'normal' e entende protestos da torcida do Palmeiras

Eliminado da Copa do Brasil pelo Internacional, vice-líder do Campeonato Brasileiro após perder a ponta para o rival Santos na última rodada e sem vencer há cinco jogos, o Palmeiras vive seu pior momento na temporada, e a prova disso é a atitude da torcida, que protestou depois do empate contra o Vasco, no sábado.

Para Bruno Henrique, um dos líderes do elenco alviverde, o principal fator para essa queda de rendimento do time é a oscilação, algo normal na visão do meio-campista.

Isso, porém, precisa ser deixado de lado para o clube seguir na Libertadores, já que o Verdão joga a classificação para as quartas de final nesta terça-feira, quando encara o Godoy Cruz, da Argentina.

“Nós jogadores estamos conversando e nos cobrando bastante. Realmente nós oscilamos um pouco, às vezes acontece isso no futebol, você oscila. O que a gente não pode deixar entrar são as coisas ruins, as coisas negativas. A gente sabe da força do nosso grupo, demonstramos isso durante muito tempo. Já tivemos momentos de oscilação em que conseguimos sair. Infelizmente estamos passado por essa oscilação, mas isso vai passar, com certeza. O Felipão vem trabalhando no vestiário para que a gente retome a constância”, disse.

Apesar do jejum de resultados positivos, Bruno Henrique entende os protestos da torcida.

“Jogar no Palmeiras é uma pressão muito grande. Nos últimos jogos, as coisas não vêm acontecendo como a gente queria, e isso gera uma ansiedade no torcedor que a gente precisa lidar da melhor maneira possível e dar a resposta amanhã (na Libertadores). A gente só vai mostrar que está buscando melhorar nosso futebol dentro de campo”, disse.

Após empate por 2 a 2 na Argentina, o Palmeiras elimina o Godoy Cruz e segue na Libertadores em caso de um simples triunfo ou até mesmo com uma nova igualdade desde que não sofra dois gols.

O confronto derradeiro das oitavas está marcado para esta terça-feira, às 21h30 (de Brasília), no Allianz Parque.

“Eu, como torcedor, apoiaria muito. É um jogo de extrema importância para o decorrer do ano, um jogo de Libertadores, de oitavas de final. A torcida está fazendo os protestos e está no direito dela, mas também quando chegar a hora do jogo tenho certeza de que eles vão apoiar e nós jogadores vamos fazer de tudo para jogar bem, com intensidade, aquilo que a gente vinha fazendo. É isso que a gente tem que realizar e que o torcedor precisa fazer, como sempre faz”, finalizou Bruno Henrique.