<
>

Paredes, da Argentina, é fanático pelo Boca e foi acusado de tomar cartão para ver final contra o River

play
Na Copa América, dono de bar percebe público torcendo para rival: '70% de brasileiros torcendo para a Argentina' (0:38)

Cristian Galarza, do bar argentino Mooca Aires, vê muitos brasileiros simpáticos com a seleção alviceleste (0:38)

O volante Leandro Paredes, um dos grandes destaques da Copa América 2019 e titular absoluto da Argentina para pegar o Brasil, na próxima terça-feira, no Mineirão, tem apenas 25 anos, mas já viveu poucas e boas no futebol.

Uma das histórias mais marcantes de seu currículo aconteceu quando ele estava defendendo o Zenit, da Rússia, em 2018.

Em novembro, quando foi definido que Boca Juniors e River Plate se enfrentariam pela final da Libertadores, uma situação curiosa se criou.

Paredes nunca escondeu que é torcedor fanático do Boca, time no qual iniciou sua carreira aos oito anos de idade, mas o jogo de ida da decisão foi marcado justamente no dia de um importante Zenit x CSKA Moscou, em confronto decisivo na disputa pelo título do Campeonato Russo.

O volante, portanto, não teria qualquer condição de assistir à partida de seu time do coração, justamente na mais esperada final de todos os tempos na Libertadores.

Ao menos na teoria...

Ocorre que na rodada antes do duelo contra o CSKA, o Zenit ia ganhando por 1 a 0 do Akhmat Grozny quando Paredes fez uma falta completamente desnecessária em um lance no círculo central, levou o 2º cartão amarelo e foi expulso. Veja o lance abaixo:

Dessa forma, ele ficou automaticamente suspenso, ficando "liberado" para ver Boca x River.

A torcida da equipe de São Petersburgo, porém, não engoliu bem esse cartão vermelho. Logo após o bizarro incidente, ele passou a ser acusado nas redes sociais de ter sido expulso de propósito só para viajar a Buenos Aires e acompanhar a final da Libertadores.

O nível dos xingamentos foi ficando cada vez mais pesado, chegando inclusive a pender para ameaças, principalmente através de mensagens no Instagram.

Em meio à tenebrosa repercussão, Paredes foi obrigado a se pronunciar.

Em uma entrevista ao Olé em meio à confusão, ele assegurou que não havia sido expulso de propósito, mas ressaltou que havia pedido para viajar a Buenos Aires para ver o jogo e ganhou permissão do Zenit.

"Respeito meu clube e meus companheiros. As pessoas sabem muito bem que jamais faria isso. E mais, tenho a autorização do clube para viajar", afirmou.

"Eu faria de tudo para estar na situação dos jogadores do Boca. Trata-se de uma final diferente de todas. Espero que todos possam desfrutar", completou.

No fim das contas, o atleta acabou viajando mesmo e acompanhou o empate por 2 a 2 em La Bombonera. O River acabaria levantando o troféu com o triunfo por 3 a 1 no duelo de volta, que foi realizado em Madri depois da confusão ocorrida no Monumental de Núñez.

Paredes acabou faturando o Campeonato Russo com o Zenit e ficou só mais alguns meses no clube, sendo vendido em janeiro de 2019 ao Paris Saint-Germain por 47 milhões de euros (R$ 205,5 milhões, na cotação atual).

Atualmente, ele é titular absoluto da seleção argentina e vem sendo apontado como maior destaque da Albiceleste na Copa América, tendo sido titular em todas as partidas.

Nesta terça, ele certamente estará entre os escolhidos do técnico Lionel Scaloni para encarar o Brasil, no clássico marcado para o Mineirão, às 21h30 (de Brasília), valendo vaga na final da Copa América.

Sorte da Argentina que não há um Boca x River marcado para o mesmo dia...