<
>

Vitória não alivia pressão sobre Abel, mas Flamengo o segura até Copa América; zagueiro do Milan é alternativa

play
Diretoria do Flamengo viu jogo como 'sofrível', mas considera demissão apenas na parada da Copa América, informa Pedro Torre (1:41)

Abel Braga foi alvo de muitas críticas da arquibancada na vitória por 3 a 2 sobre o Athletico no Maracanã (1:41)

O gol redentor de Rodrigo Caio no Maracanã foi suficiente para dar a vitória de 3 a 2 para o Flamengo diante do Athletico Paranaense, mas não para dissipar a pressão sobre o técnico Abel Braga. Não só pelos gritos que hostilizavam o técnico na arquibancada e pediam sua saída.

Também pelos ecos que chegaram à diretoria depois do primeiro protesto mais intenso contra o treinador. Por ora, Abel segue no comando do time. O clube entende que uma troca no comando, se necessária, será mais adequada apenas durante a paralisação do calendário para a disputa da Copa América.

A insatisfação é grande em alguns setores da diretoria principalmente devido ao fraco desempenho da equipe. A atuação contra os reservas do Athletico-PR foi muito mal avaliada e considerada preocupante para a sequência da temporada, já que o elenco teve uma semana cheia de treinamentos antes do confronto. Não foi observada evolução após a derrota para o Atlético-MG.

A decisão por não utilizar Arrascaeta nem mesmo opção durante a partida também foi vista com ressalvas. Pesa contra Abel também a insistência em não tentar, segundo palavras dos corredores da Gávea, “amenizar o ambiente” com a torcida durante as entrevistas coletivas. A volta ao tema com elogios ao Beira-Rio em declarações a uma rádio gaúcha, por exemplo, causou desconforto e foi considerada inoportuna.

No Maracanã, a diretoria também observou os abraços de jogadores ao técnico com atenção ao fim do jogo. A atitude foi considerada um gesto de apoio diante da forte pressão da arquibancada, até natural por conta da boa relação com grande parte do grupo. É um fator que faz a diretoria analisar com mais paciência uma possível troca de comando.

Responsável pela indicação de Abel e grande defensor de sua permanência mesmo no momento mais delicado do ano, às vésperas da partida contra o Peñarol na Libertadores, o vice de relações externas, Luiz Eduardo Baptista, o Bap, passou por experiência semelhante em 2014. Assim como agora, ele tinha forte influência na diretoria de Eduardo Bandeira de Mello que decidiu aproveitar a paralisação para a Copa do Mundo para trocar o técnico.

A saída de Jayme de Almeida para a entrada de Ney Franco, que durou apenas sete jogos após um mês de treinamentos, é lembrada como exemplo para uma tomada de decisão no presente de maneira mais fria. Além disso, contribui o fato de o vice de futebol do clube, Marcos Braz, estar na Europa há quase 20 dias, em busca de reforços para o segundo semestre de 2019. Ele tem volta prevista para esta semana.

Zagueiro do Milan na mira

Na Europa, Marcos Braz tenta encaminhar reforços para a equipe titular, dando força ao clube na reta decisiva da temporada. Rafinha tem acordo encaminhado. O Flamengo considera improvável uma reviravolta no caso do lateral-direito que se despediu no sábado de jogos oficiais pelo Bayern de Munique, na conquista da Copa da Alemanha. Ainda assim, mantém a cautela antes de dar a operação como concluída, já que resta o principal em uma negociação: a assinatura do contrato.

Também em busca de um zagueiro, o clube abriu conversas para saber a possibilidade de contar com Jemerson, do Monaco. Aos 26 anos e com contrato válido até junho de 2020, o defensor custaria valor um pouco acima do pago por Rodrigo Caio no início do ano, em torno de cinco milhões de euros. Com isso, a negociação ganhou contornos de dificuldade.

O fôlego financeiro rubro-negro é grande, mas a preferência é por atletas de alto nível em fim de contrato. Por isso, ganhou força a possibilidade de contar com o colombiano Cristian Zapata, do Milan. Ele disputou 20 jogos na temporada e tem o contrato encerrado em 30 de junho. Aos 32 anos, é visto como boa opção financeira - sem custo de direitos - e técnica, além de ter o perfil mais experiente desejado para a posição.

As conversas com o lateral-esquerdo Filipe Luís, convocado por Tite para a disputa da Copa América, seguem em compasso de espera. O vínculo com o Atlético de Madrid chegará ao fim em 30 de junho, mas o jogador estuda opções para permanecer na Europa, sua prioridade. O otimismo inicial do negócio deu lugar a uma espera bem menos animada por uma resposta positiva.