<
>

Herói do Flamengo, Juan foi revelado no São Paulo com Kaká e jogou no Arsenal

Neste domingo, São Paulo e Flamengo se enfrentam pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro, às 16h (de Brasília). E se tem um jogador que conhece muito bem as duas equipes e deve ficar com o coração dividido neste duelo é o lateral e meia Juan.

Sócio desde garoto do clube do Morumbi, ele começou no futsal antes de fazer toda a base no campo. Quando estava no sub-20 do time tricolor, foi descoberto pelo Arsenal depois de vencer um torneio na Holanda - que tinha equipes como Barcelona, Juventus e Bayern de Munique - em comemoração ao centenário do Ajax.

Após atuar ao lado de Kaká na equipe vice-campeã da Copa São Paulo de Futebol Jr. de 2001, que perdeu nos pênaltis para o Roma Barueri, ele passou por um período de testes nos Gunners.

Aos 19 anos, Juan foi aprovado e contratado por 350 mil libras (R$ 1,8 milhão) pelo clube inglês, que à época era treinado por Arsène Wegner e tinha um elenco com grandes estrelas.

“Foi bem legal estar com os caras que via jogar pela TV durante a Copa do Mundo como Kanu, Henry Bergkamp, Sylvinho e Edu. Eu estava lá com mais dois meninos brasileiros na base chamados Kleber e Israel. Depois chegou o Gilberto Silva”, revelou Juan, em entrevista para ESPN.com.br.

“Tive pouco contato com o Wenger no Arsenal. Eu era muito novo e tinha aquele respeito, aquele medo do treinador do profissional. Até por conta da língua o contato era mais no dia a dia dos treinos.”

A primeira partida oficial de Juan pelos Gunners foi na vitória por 2 a 0 contra o Grimsby Town na Copa da Liga Inglesa, em 2001.

“Lateral na Inglaterra é muito defensivo, aprendi muito com o Tony Adams, que é uma lenda do Arsenal. Um dos melhores zagueiros que trabalhei. Na minha estreia no profissional foi ao lado dele, o que me facilitou demais”, revelou o atleta.

“Orientava muito meu posicionamento dentro de campo. Que hora precisava fechar, abrir ou sair. Ele era quase um ponto eletrônico no meu ouvido (risos). Tudo que ele falou para eu fazer naquele jogo deu certo, foi impressionante. Foi um cara importante que me passou muita confiança na estreia”, disse Juan, que também jogou no triunfo por 5 a 2 contra o Gillingham, pela Copa da Inglaterra, em 2002.

Sem muito espaço no Arsenal, Juan ficou na maior parte do tempo na equipe B antes de ser emprestado para o Millwall, da segunda divisão inglesa. Após três meses, ele decidiu recomeçar a carreira no Brasil.

“Estava no último ano de contrato e ele não seria renovado. Voltei para jogar no Fluminense. Não queria mais ser emprestado e aceitei o desafio de ficar conhecido no meu país.”

Consagração no Fla

Um ano depois de defender o clube das Laranjeiras, Juan foi para o Flamengo, no qual passou cinco temporadas. No clube da Gávea, conquistou cinco títulos, sendo essencial na conquista da Copa do Brasil de 2006, marcando o gol na decisão sobre o Vasco.

"Foi algo diferente, todo jogador sonha em fazer um gol de título. E aconteceu comigo! Era um lateral, uma posição mais defensiva e isso é difícil de acontecer. Foi marcante e virou um divisor de águas na minha carreira”, afirmou.

O atleta foi eleito o melhor lateral do Brasileirão de 2008 pelo Prêmio Bola de Prata Sportingbet e, no ano seguinte, venceu o Campeonato Brasileiro com a camisa do Flamengo. O sucesso fez com que Juan fosse chamado a seleção brasileira de Dunga, nas Eliminatórias da Copa de 2010.

"Eu fiquei muito tempo no Flamengo e foi o ponto alto da minha carreira, vivi o auge lá e fui chamado para seleção brasileira. É um clube que tenho maior identificação e um carinho imenso", garantiu o jogador.

Volta ao lar

Após a passagem vitoriosa no Rio de Janeiro, Juan retornou para o São Paulo, em 2011. "Quando surgiu a chance não pensei duas vezes em voltar para minha cidade e o clube que me revelou.”

“Tinha o sonho de jogar lá e estava bem seguro da minha decisão. Foi muito bom reencontrar algumas pessoas da base. Esse sentimento de poder retribuir todo carinho que recebi na formação foi especial.”

Na segunda passagem pelo Morumbi, ele fez 60 jogos e marcou quatro vezes. No ano seguinte, foi emprestado para o Santos, no qual venceu o Paulista ao lado de Neymar.

“Ele é muito acima da média e faz a diferença. Era um time muito qualificado e pude aprender. O Neymar é o melhor jogador que atuei ao lado em clubes. Também joguei com o Ronaldinho na seleção brasileira e treinei umas vezes com o Ronaldo Fenômeno no Flamengo.”

Acesso e Série D

Juan voltou ao São Paulo e depois passou por Vitória, Coritiba Goiás e Avaí antes de chegar ao CSA-AL. Jogando como meia na Série B do ano passado, ele ajudou a equipe a subir para a Série A.

“Quando eu cheguei ao CSA, em julho, o time já vinha fazendo uma boa campanha, mas, àquela época, o objetivo principal ainda era o de manter a equipe na Série B. Não sabíamos o que aconteceria mais pra frente, mas com trabalho e dedicação a gente conseguiu manter o clube no G4”, revelou o atleta.

Neste ano, ele jogou o Mineiro e marcou dois gols pelo Tombense-MG, que chegou às quartas de final do torneio.

Após o término do Estadual, ele acertou com o Boavista-RJ, seu 13º clube na carreira. A equipe de Saquarema estreia na Série D do Brasileiro contra o Brusque, no Estádio Augusto Bauer, em Santa Catarina, na próxima segunda-feira, às 20 horas (de Brasília).