<
>

Sensação do Bahia, Ramires se inspira em Iniesta e Busquets e sonha com a Copa do Mundo

Uma das maiores revelações do Campeonato Brasileiro deste ano, Ramires surgiu como um furacão no Bahia. Com apenas 10 partidas no profissional, o meio-campista encantou os torcedores tricolores e busca se firmar na equipe titular após um começo promissor.

Após fazer sua estreia na vitória contra o Sport, em setembro, ele deu uma assistência para Gilberto no jogo seguinte (que terminou empatado em 2 a 2 com o Palmeiras) e anotou um gol no triunfo por 2 a 1 sobre o Botafogo pela Copa Sul-Americana.

Em pouco tempo, o garoto de 18 anos, que até pouco tempo era um anônimo morador do bairro de Águas Claras, em Salvador, já percebeceu o quanto sua vida mudou.

"Algumas pessoas já me reconhecem nas ruas, pedem para tirar fotos. Minha vida mudou muito rápido e coisas boas estão acontecendo. Vou curtir e continuar trabalhando para que isso ocorra várias vezes", contou, ao ESPN.com.br.

Apesar do assédio, ele ainda mantém os mesmos hábitos de quando ainda era um garoto da base: não tem carro e mora no CT do clube."Por enquanto não tenho essa preocupação, mas quando vou para casa eu uso Uber mesmo, não vou de ônibus", confessou.

Fã dos meias Busquets e Iniesta, Ramires tem chamado atenção por sua personalidade e ousadia dentro de campo, que o fazem ter objetivos altos para sua carreira. "Meu maior sonho é jogar a Copa do Mundo pela seleção brasileira", confessou.

Com o meia em campo, o Bahia enfrentará a Chapecoense na Fonte Nova, em Salvador, neste domingo (04/11), às 19h (de Brasília).

Veja a entrevista de Ramires na íntegra:

Como foi sua infância em Salvador? Quais as maiores dificuldades que passou?
Sou de Águas Claras (bairro de Salvador) e moro lá desde 2011, quando vim com a minha família de São Paulo. Passei muitas dificuldades em conciliar o colégio com o futebol e saía correndo do colégio para não atrasar para o treino.

Você trabalhou na infância? Pretende ficar em Águas Claras?
Não trabalhei em outra coisa porque meus pais nunca deixaram faltar nada em casa. Quero dar tudo de melhor para a minha família e ter uma vida estável. Estou reformando minha casa e pretendo ficar em Águas Claras mesmo.

Como você chegou ao Bahia? Quais os momentos mais marcantes na base?
Eu fiz uma peneira no Bahia e eu não passei da primeira vez, mas na segunda deu tudo certo graças Deus e fui aprovado. Aprendi muito na base, esses sete anos foram importantes para mim. Comecei a me destacar no final de 2015 e o momento mais marcante foi ser campeão baiano sub-20 neste ano.

Como o Eric Dos Santos Rodrigues virou o Ramires?
Esse nome surgiu na peneira no Bahia mesmo. Um dirigente da base me apelidou assim por causa da aparência e pelo jeito de jogar também.

Quais são seus ídolos no futebol? Como define seu estilo de jogo?
Na infância eu mês inspirava muito no Robinho, mas com o passar do tempo eu virei fã do Iniesta e do Busquets. Acho que meu estilo de jogo parece muito com o do Elias, do Atlético-MG. Tenho muita dinâmica, pensamentos rápidos e sempre fugindo do contato físico.

Sua estreia no time de cima contra o Sport foi inesperada?
Foi uma sensação inexplicável ver o estádio lotado, foi bom demais! Já estava treinando bem, mas não sabia que seria titular.

Como se sentiu ao fazer o primeiro gol como profissional no Botafogo?
Foi bom demais. Queria homenagear meu pai dançando reggae, mas na euforia do gol não deu (risos). Mas na próxima vez eu irei homenageá-lo.

Seu pai curtia reggae? Como foi perdê-lo tão cedo?
Meu pai gostava muito de reggae. Todo dia dia manhã ele colocava Edson Gomes (cantor de reggae) para escutarmos juntos. Foi uma perda muito grande quando ele morreu porque eu tinha apenas 15 anos. Ele me ajudava muito e me levava sempre para os treinamentos e jogos.

Já está sendo reconhecido nas ruas de Salvador?
Algumas pessoas já me reconhecem nas ruas, pedem para tirar fotos. Minha vida mudou muito rápido e coisas boas estão acontecendo. Vou curtir e continuar trabalhando para que isso ocorra várias vezes.

Como fazer pra não se deslumbrar como tudo que está vivendo aos 18 anos?
Sempre converso com os caras mais velhos do elenco, que me dão muitos conselhos. Eles falam para eu não me deslumbrar e sempre buscar evoluir. O Bahia me ajudou muito e vem me ajudando. Abriu as portas quando eu mais precisei e sou muito grato.

Qual seu maior sonho como jogador?
Meu maior sonho é jogar a Copa do Mundo pela seleção brasileira.

Chegou alguma sondagem ou proposta para você nesses tempos?
Até agora não chegou nada, ninguém entrou em contato. Estou focado no Bahia.

Talisca te elogiou bastante nas redes sociais. Como se sentiu?
Fiquei muito feliz quando vi a publicação dele. É muito gratificante ver que meu trabalho foi tudo por um cara como ele aqui também jogou aqui no Bahia.

Já comprou um carro ou vai de ônibus para os treinos?
Hoje moro no CT do Bahia. Por enquanto não tenho essa preocupação, mas quando vou para casa eu uso Uber mesmo, não vou de ônibus.