<
>

Polêmico dentro e fora de campo, Cassano anuncia aposentadoria apenas uma semana após assinar com clube

play
Fantasy: monte toda semana um time de 8 jogadores com os melhores do futebol internacional (0:30)

Você pode montar seu time da Premier League, da LaLiga ou da Uefa Champions League (0:30)

Durou pouco a nova aventura de Antonio Cassano no futebol. O polêmico atacante, com passagens por Roma, Inter de Milão, Milan e Real Madrid, havia acertado recentemente com o modesto Virtus Entella, da Itália, mas com menos de uma semana no clube, desistiu e decidiu encerrar a carreira.

Atualmente com 36 anos, Cassano divulgou uma carta por meio do jornal La Gazzetta Dello Sport confirmando a aposentadoria, dizendo que tem outras prioridades e não tem mais cabeça para treinar como um profissional.

E essa não é a primeira vez que o atleta decide pendurar as chuteiras. Em julho de 2017, ele anunciou sua retirada do esporte, sendo desmentido pela própria esposa, que publicou um texto dizendo que ele não havia parado. Porém, horas depois, ele emitiu um novo comunicado confirmando o fim da carreira.

Revelado no Bari, Cassano chegou à Roma como uma grande promessa. Depois de cinco anos atuando em alto nível, se transferiu para o Real Madrid, onde não conseguiu manter a boa forma. De início, foi emprestado para a Sampdoria, que decidiu o comprar definitivamente. Em 2010, foi para o Milan, onde fez parte da campanha do título italiano. Depois disso, passou pela Inter, Parma e novamente a Sampdoria.

Em 2017, chegou a assinar com o Verona, mas desistiu de jogar antes mesmo de estrear pelo clube. Além disso, Cassano disputou três Eurocopas e uma Copa do Mundo com a camisa da Itália.

Ele também colecionou polêmicas em sua carreira, muitas delas envolvendo mulheres e outras com árbitros e técnicos. Em uma oportunidade, chegou a afirmar que um juiz tinha sido traído pela sua esposa, simulando com as mãos um par de crifres.

Em 2012, durante a Eurocopa, criou uma imensa polêmica com os homossexuais, ao ser questionado se existiriam jogadores metrossexuais na seleção italiana: "Se eles são gays, o problema é deles. Eu espero que não exista qualquer 'frocio' na seleção. Mas, se eles são, é com eles. Não sei se existe algum".