<
>

TOP 10: As piores contratações feitas no embalo da Copa do Mundo

play
Foi o caos no Mundial! Rômulo escolhe 'porteiro do Enem', 'sirigaita louca' e muito mais (1:48)

Narrador dos canais ESPN escolheu ao seu estilo os melhores e piores nomes da Copa (1:48)

Além de ser o campeonato de futebol mais esperado no planeta, a Copa do Mundo é uma grande vitrine para jogadores em busca de novos contratos e clubes em busca de reforços de peso e renome.

O problema é que muitas dessas transações são anabolizadas pelo frisson causado pelo Mundial - tanto no que diz respeito aos valores das transações quanto à qualidade dos jogadores. O que não falta é dirigente se arrependendo das contratações realizadas ou ratificadas logo no período pós-Copa.

À espera das transferências frustradas que a recém-terminada Copa da Rússia certamente vai originar, listamos abaixo um "Top 10", desde a Copa de 1994, de contratações realizadas no embalo do Mundial que renderam muito menos do que o esperado.

10 - LUKAS PODOLSKI

Valor da transferência: 10 milhões de Euros

Vitrine: Alemanha-2006

Conhecido por sua grande identificação com o modesto Colônia, Lukas Podolski é um dos maiores atacantes da história da seleção alemã em termos de rendimento. Em 130 partidas com a camisa dos tetracampeões mundiais, anotou 49 gols. Em 2006, aos 21 anos, ele se destacou na Copa do Mundo disputada em seu país, apontado como o melhor jogador jovem da competição. No embalo, foi para o Bayern de Munique por 10 milhões de euros.

Nas três temporadas em que ficou time bávaro, porém, seu desempenho foi fraco. Ficou boa parte do tempo como reserva de Luca Toni e Miroslav Klose. Foram apenas 26 gols em 102 jogos. Em 2009, pediu para voltar ao Colônia e recuperar seu protagonismo. Depois, passou pelo Arsenal e ainda fez parte do elenco que venceu a Copa do Mundo de 2014, no Brasil.

9 - JARNI

Valor da transferência: 3,4 milhões de Libras

Vitrine: França-1998

O lateral esquerdo Robert Jarni foi campeão mundial Sub-20 em 1987 pela Iugoslávia e disputou a Copa do Mundo de 1990 pelo país antes de sua dissolução.

Revelado no Hajduk Split, ele passou por Bari, Torino, Juventus e Bétis, antes de disputar a Copa de 1998, na França. Um dos destaques da Croácia que chegou à terceira posição, Jarni marcou um gol na vitória por 3 a 0 sobre a Alemanha nas quartas-de-final, além de ter dado uma assistência para Prosinecki no triunfo sobre a Holanda na decisão do terceiro lugar.

Após a competição, o canhoto acertou com o pequeno Coventry, da Inglaterra, mas foi comprado pelo Real Madrid antes mesmo de ter entrado em campo. Mesmo recheado de credenciais, ele não conseguiu se firmar no Santiago Bernabéu, muito em função da concorrência com o brasileiro Roberto Carlos, titular absoluto e ídolo da torcida.

Depois de apenas uma temporada, Jarni foi para o Las Palmas-ESP. Antes de encerrar a carreira, aos 33 anos, ele ainda jogou a Copa do Mundo de 2002 e defendeu o Panathinaikos, da Grécia.

8 - DALEY BLIND

Valor da transferência: 17 Milhões de Euros

Vitrine: Brasil-2014

Daley Blind é um ''coringa'' que vagou entre as posições de zagueiro, lateral-esquerdo e volante durante a carreira. Mais um jogador revelado no celeiro de talentos do Ajax, o canhoto juntou-se à equipe principal ainda com 18 anos de idade.

Suas boas atuações pelo clube o renderam a convocação e titularidade na Copa do Mundo do Brasil, em 2014, com 24 anos de idade. Ajudou a Holanda a chegar na semifinal do torneio com sua ótima qualidade de passe e força de marcação e, após as boas apresentações no Mundial, Blind seguiu os passos de seu comandante na seleção holandesa na Copa, Louis Van Gaal, e foi contratado por 17 milhões de euros por um Manchester United que estava em plena reformulação de seu elenco.

Na Inglaterra, foi usado predominantemente como zagueiro. E, principalmente após a saída de seu conterrâneo do comando do time, nunca foi unanimidade. Revezando-se no time titular com os também instáveis Marcos Rojo e Phil Jones no setor defensivo ao longo das duas campanhas seguintes, correspondeu consideravelmente menos do que era esperado no momento de sua compra.

7 - HAGI

Valor da transferência: US$ 3 milhões

Vitrine: EUA-1994

O "Maradona dos Cárpatos", como era conhecido, por conta de sua capacidade e da região onde fica a Romênia, seu país natal, despontou no Steua Bucaresti.

Com quase 80 gols em três anos, chamou a atenção do Real Madrid, onde também foi bem, por três temporadas, entre 1990 e 1992. Transferiu-se depois para o Brescia, da Itália, onde jogou tanto na Série B quanto na Série A.

Convocado para a Copa do Mundo dos Estados Unidos, em 1994, assombrou o planeta. Com habilidade, lançamentos, batidas perfeitas na bola com o pé esquerdo e muita liderança, o romeno foi o símbolo a melhor campanha da seleção de seu país em um Mundial, despertando a atenção de ninguém menos que Johan Cruyff técnico do Barcelona.

Nos blaugranas, porém, foi uma decepção. Sem conseguir se adaptar ao que lhe pedia Cruyff, que o queria mais como volante do que como meia, fez apenas seis gols em três temporadas e pouco jogou. Em 1996, foi para o Galatasaray, da Turquia, onde voltou a brilhar.

6 - EMERSON

Valor da transferência: 16 Milhões de Euros

Vitrine: Alemanha-2006

Após contundir-se dias antes da estreia brasileira na Copa do Mundo de 2002, na qual estava destinado a ser o capitão da equipe, o volante Emerson buscou sua redenção quatro anos depois, mantendo a titularidade para a Copa da Alemanha.

O Brasil do quadrado mágico (Kaká, Adriano, Ronaldo e Ronaldinho) não rendeu o esperado no Mundial, sendo eliminado pela seleção francesa nas quartas de final do torneio.

Emerson, por sua vez, foi almejado e posteriormente adquirido pelo técnico italiano Fabio Capello no poderoso Real Madrid. Mas não deu certo. Emerson era constantemente vaiado pela torcida, que não entendia seu jeito rústico de jogar futebol. Com apenas 34 partidas e um gol anotado, encerrou sua frustrante passagem pelos espanhóis com destino ao Milan.

5- OCHOA

Valor da transferência: 5 Milhões de Euros

Vitrine: Brasil-2014

Guillermo Ochoa foi um dos melhores goleiros da Copa do Mundo de 2014, quando ajudou o México a segurar um empate contra o Brasil com defesas inacreditáveis. Revelado no América do México, no qual era um ídolo, o arqueiro foi para o Ajaccio-FRA, em 2011, onde permaneceu até 2014.

Especulado em grandes times depois do Mundial de destaque, o mexicano foi para o modesto Málaga-ESP, mas foi preterido pelo camaronês Kameni. Dois anos depois e com apenas 19 partidas disputadas, foi emprestado ao modesto Granada, que acabou rebaixado para a segunda divisão. Na temporada 2017-18, ele foi para o Standard Liege-BEL, no qual virou titular absoluto.

4 - RIVALDO

Valor da transferência: Zero

Vitrine: Japão/Coreia do Sul-2002

Considerado por muitos o melhor jogador do Mundial de 2002, no Japão e na Coreia do Sul, Rivaldo está entre os dez maiores jogadores da história do Barcelona. E, mesmo assim, deixou o clube catalão relativamente “por baixo” quando se transferiu para o Milan.

Rivaldo deixou o Barça porque perdeu – ou não quis entrar em – uma queda braço com o técnico holandês Louis Van Gaal. Técnico e jogador nunca tiveram uma relação harmoniosa quando trabalharam juntos no clube, entre 99 e 2000. Foi com alívio que o jogador recebeu a notícia da saída do treinador para a seleção holandesa.

Mas, enquanto o craque vencia a Copa no Japão e na Coreia, em 2002, o Barcelona recontratava o técnico para o segundo semestre. Contrariado, o meia pediu liberação de seu último ano de contrato na Espanha e assinou por três anos com o Milan. E naufragou.

Sem cair nas graças de Carlo Ancelotti, mesmo participando de conquistas importantes, como a Champions League, o craque esquentou o banco de Rui Costa e de Kaká e foi perdendo cada vez mais espaço, até deixar o clube milanês e se transferir para o Cruzeiro, em 2004, onde também fracassou.

3 - DIOUF

Valor da transferência: 15 Milhões de Euros

Vitrine: Japão-Coreia do Sul-2002

Com apenas 21 anos, El Hadji Diouf foi o protagonista da primeira grande zebra da Copa do Mundo de 2002. Senegal venceu a então campeã França por 1 a 0, na abertura da competição.

Revelado no Sochaux-FRA, o jogador passou pelo Rennes-FRA e o Lens-FRA antes de chegar ao Mundial da Coreia e Japão. O atacante ajudou seu país a chegar até as quartas de final daquele torneio. Com o nome reconhecido em todo o planeta, foi contratado pelo Liverpool por 15 milhões de euros. Depois disso, sua carreira só despencou.

Nas duas temporadas que permaneceu nos Reds, porém, colecionou fracassos. Fez 80 jogos e marcou míseros 6 gols, além de ter colecionado problemas de relacionamento com o capitão e ídolo Steven Gerrard. Após deixar Anfield, em 2004, ele passou por Bolton Wanderers, Sunderland, Blackburn Rovers, Doncaster Rovers e Leeds United antes de se transferir para clubes da Malásia.

2 - DI MARIA

Valor da transferência: 75 Milhões de Euros

Vitrine: Brasil-2014

Angel Di Maria chegou ao Manchester United após o Mundial de 2014 e excelentes temporadas por Benfica e Real Madrid. Na época, foi a transferência mais cara da história de Premier League. E ele chegou mostrando a que vinha.

Logo no mês de setembro, foi escolhido o jogador do mês no clube e marcou três vezes em seus cinco primeiros jogos. Mas, aos poucos, foi perdendo espaço. A ponto de ir para o banco e não conseguir mais voltar a ser titular com o técnico Louis Van Gaal (o mesmo que não apreciava Rivaldo no Barcelona).

Depois de menos de um ano em Manchester, o argentino assinou com o Paris Saint-Germain. Sua transferência, por 45 milhões de Euros, o transformou, à época, no jogador que mais havia movimentado dinheiro no futebol. Chateado, Di Maria escreveu uma carta aberta aos torcedores do United, dando a entender que sua saída do clube havia acontecido por razões além de sua vontade.

1 - OLEG SALENKO

Valor da transferência: US$ 3,5 milhões

Vitrine: EUA-1994

Rússia e Camarões já estavam eliminadas do Mundial de 1994 quando o centroavante Oleg Salenko brilhou ao anotar cinco gols em um jogo contra Camarões, pela terceira rodada do Mundial, na vitória por 6 a 1.

O russo, aliás, ainda é o detentor do recorde de gols em um jogo de Copa do Mundo. A atuação contra a equipe africana ratificou a negociação dele com o Valência, que já havia começado antes mesmo do Mundial.

Terminada a Copa, o jogador rumou para a Espanha, para ser dirigido pelo recém-campeão mundial Carlos Alberto Parreira. A dupla não teve vida longa no clube andaluz. Parreira durou meses no comando da equipe. Salenko ainda ficou por lá durante uma temporada inteira, antes de ir para o Rangers, da Escócia. Em 25 jogos com a camisa branca, fez apenas sete gols – dois a mais do que fizera em um só jogo pela seleção de seu país.