<
>

Dzyuba foi emprestado pelo Zenit e praticamente tirou clube da briga pelo título

A lei do ex ganhou mais um exemplo neste final de semana. Mas não se trata de apenas mais uma história e, sim, A história.

Artem Dzyuba foi contratado pelo Zenit no meio de 2015 junto ao Spartak Moscou e foi titular com regularidade. Isso, no entanto, não impediu que ele fosse emprestado ao Arsenal Tula em janeiro até o final da temporada.

A quatro rodadas para o fim do Campeonato Russo, ele estava escalado para enfrentar o Zenit, e a lei do ex não falhou. Um gol do atacante aos 43min do segundo tempo definiu o empate por 3 a 3, neste domingo.

O resultado fez o Zenit ir a 49 pontos, oito atrás do líder Lokomotiv Moscou, a três rodadas para o fim da competição. Se as chances de o quarto colocado ficar com a taça já eram pequenas, estas se tornaram ainda mais remotas.

Ao menos, o clube de São Petersburgo ao menos teve o consolo de ganhar um dinheiro como ‘troco’ dos dois pontos que deixou diante da equipe que figura na oitava posição do Russo. Isso porque o Arsenal Tula terá de pagar 150 mil euros ao Zenit pela utilização de Dzyuba na partida.

Circulou-se a informação de que o próprio atacante teria demonstrado a intenção de arcar com parte do custo para que ele pudesse estar em campo diante do clube que o emprestou.

“Quem irá pagar, não importa”, afirmou o diretor geral do Arsenal Tula, Dmitry Balashov, em declarações publicadas pelo site sports.ru. “Isso não é uma questão tão importante. Temos duas semanas, neste período iremos pagar tudo”.

Valeu a pena? “É claro. Mesmo se a quantia fosse maior, nós pagaríamos”.

Quem também falou sobre o atacante foi o técnico do Zenit, Roberto Mancini. “Eu não me arrependo que eu me separei de Dzyuba por um tempo. Eu não sinto algo assim”, disse o treinador à emissora NTV. “Estou feliz por ele, estou contente com a forma que ele tem jogado pelo Arsenal”.