<
>

Por que 3º maior clássico do mundo é também o dérbi do abismo financeiro

Às 10h (de Brasília) desse sábado, com transmissão AO VIVO e EXCLUSIVA da ESPN Brasil e do WatchESPN, Celtic e Rangers escreverão na história mais um jogo naquele que é considerado pela renomada revista inglesa FourFourTwo o terceiro maior dérbi do mundo, atrás apenas de Boca Juniors x River Plate e Real Madrid x Barcelona.

A partida no Celtic Park, em Glasgow, pela 22ª rodada do Campeonato Escocês, entretanto, será mais uma do abismo financeiro que existe não só entre um rival e outro, mas também entre ambos os times e o resto das outras dez equipes que compõem o certame nacional.

Líder isolado da competição com 50 pontos ganhos e atual hexacampeão, o Celtic apenas faz valer a imensa diferença que possui na questão de valor de mercado. Segundo o site Transfermarkt, especializado no assunto, os Hoops valem 50,9 milhões de libras (cerca de R$ 225 milhões pela cotação atual), bem longe do próprio Rangers, que aparece na segunda colocação deste item, com 18 milhões de libras (R$ 79,5 milhões).

Para se ter uma ideia, mesmo sendo o maior campeão da Escócia, com 54 títulos, o Rangers vale quase três vezes menos que seu grande rival histórico.

Vale lembrar sempre que os Teddy Bears declararam falência em julho de 2012, acabaram adquiridos por um grupo que os refundaram como The Rangers Football Club Ltd. e galgaram retorno à elite após recomeçarem na quarta divisão escocesa.

A efeito de comparação, o terceiro time mais valioso do país e que chega mais perto da dupla é o Heart of Midlothian com 8,4 milhões de libras (R$ 37,1 milhões) - este, seis vezes menos que o Celtic, por exemplo.

O tradicional Aberdeen aparece apenas na quarta colocação do quesito, com 7,9 milhões de libras (R$ 34,9 milhões). Mesmo assim, mostra sua força ao ocupar atualmente a vice-liderança na tabela da Premiership, oito pontos atrás da equipe alviverde e três à frente dos azuis.

Mas não é apenas na questão de valor de mercado que os clubes menores ficam para trás em relação aos gigantes escoceses. Com pouco dinheiro para gastarem em contratações, essas outras dez equipes do torneio ou dispenderam "migalhas" ou trouxeram jogadores apenas por empréstimo e a custo zero para a atual temporada.

Destes, só Hibernian (242 mil libras ou pouco mais de R$ 1 milhão) e Aberdeen (88 mil libras ou R$ 389 mil) aceitaram abrirem seus cofres para reforçarem seus elencos. De resto, nenhuma despesa.

No caso de Rangers e Celtic, entretanto, é o extremo. Com grana para gastarem, esses clubes decidiram esbanjar no mercado de verão.

O primeiro foi o que mais teve dispêndios: 8,5 milhões de libras (R$ 37,5 milhões) com o zagueiro português Fábio Cardoso, dos meias Graham Dorrans e Carlos Peña, além dos atacantes Daniel Candeias, Eduardo Herrera e Alfredo Morelos, este último artilheiro do Escocês, com dez gols marcados.

Já o segundo gastou com apenas dois jogadores, mas a quantia de 5,7 milhões de libras (R$ 25,2 milhões): Olivier Ntcham e Johnny Hayes.